Porto Velho (RO) quarta-feira, 15 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Sandra Castiel

OS NOSSOS MESTRES


OS NOSSOS MESTRES - Gente de Opinião

Na minha meninice, a data de hoje, 15 de outubro, era uma data magna: Dia do Mestre! Costumávamos ver nas revistas da época que era comum os alunos (crianças) oferecerem uma maçã à professora, colocando a fruta vermelha e simbólica sobre sua mesa de trabalho; mas, na minha meninice, isto não acontecia por aqui, afinal raramente aparecia uma fruta como esta em nossos lares.

Sempre fui aluna de grupo escolar em Porto Velho (desde a alfabetização até o quinto ano, assim era o chamado curso primário) e venerava todas as professoras que passaram por minha vida; no Dia do Mestre, como eu não tinha maçã para oferecer, fazia uma espécie de cartão, com folha de caderno, onde demonstrava meu carinho pela professora, através de frases singelas e de desenhos: tentava reproduzir no papel a figura de minha professora, segurando sua pasta e vestida em seu uniforme azul e branco, rodeada de crianças, flores, borboletas e passarinhos. No alto do papel, as palavras nascidas de meu sentimento de criança, palavras de gratidão e admiração.

Aprendi a ler no Grupo Escolar Barão do Solimões e até hoje recordo-me do doce semblante de minha professora: chamava-se Adélia, era uma flor. Nos anos seguintes, descobri a beleza das poesias de Olavo Bilac contidas nos livros de leitura; apaixonei-me perdidamente por esses livros: porém, era apenas um livro para cada ano escolar.

Lembro-me até hoje dos meus versos preferidos aos 9 anos de idade, versos de Olavo Bilac.


Ave Maria

“Meu filho, termina o dia/A primeira estrela brilha/Procura tua cartilha/E reza a Ave-Maria/O gado volta aos currais/O sino canta na Igreja/Pede a Deus que te proteja/E que dê vida aos teus pais/Ave Maria!...Ajoelhado/Pede a Deus que, generoso/Te faça justo e bondoso/ Filho bom e homem honrado/ Que Teus pais conserve aqui/ para que possas um dia/ Pagar-lhes em alegria/ O que fizeram por ti/ Reza e procura o teu leito/ Para adormeceres contente/ Dormirás tranquilamente/ Se disseres satisfeito:/Hoje pratiquei o bem/ Não tive um dia vazio/ trabalhei , não fui vadio/ E não fiz mal a ninguém”

Aprendi o que sei com minhas mestras do grupo escolar; não que elas soubessem tudo. Mas sabiam o principal: apresentar às crianças o caminho do saber, do conhecimento, e, sobretudo, os princípios que os antigos livros de leitura continham: honradez, respeito aos pais e aos mais velhos, disciplina, amor ao próximo, religiosidade, honestidade, enfim, coisas que os livros escolares de hoje consideram obsoletas: em época do “politicamente correto”, quem impõe os limites entre o que é certo e o que é errado são as crianças; uma pena!

Gratidão aos mestres que tive ao longo da vida! Gratidão sobretudo `a grande mestra de minha existência inteira: professora Marise Castiel, minha mãe.

Viva o Dia dos Mestres!    

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sandra Castiel

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Em meio à insegurança que temos vivido pela pandemia que assola o mundo, ponho-me a pensar nas demais doenças com as quais as populações convivem e

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte II

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte II

   A proposta deste trabalho é revelar ao público-leitor a beleza da poesia produzida pelos poetas que aqui vivem. Estamos falando sobre pessoas apa

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte I

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte I

Descobri o amor pela poesia, ainda criança, no Grupo Escolar Barão do Solimões, em Porto Velho. Naquela época, os livros de leitura eram obrigatório

Neste último dia do ano! ...

Neste último dia do ano! ...

Último dia do ano: comemorações, fogos, champanhe, ceia, abraços, troca de votos de saúde, alegrias, prosperidade para o novo ano. Isto é tão humano