Porto Velho (RO) segunda-feira, 3 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Sandra Castiel

CARTAS DESPEDAÇADAS - Por Sandra Castiel


 
Passei a minha juventude a escrever cartas; se tinha um amigo que morava longe, punha-me a escrever-lhe, primeiro no modo rascunho; depois, tratava de “passar a limpo”, para um papel adequado, pois não era de bom tom enviar a alguém uma carta borrada, em papel de caderno ou com garranchos. Uma vez escrito o rascunho, este era lido várias vezes, a fim de evitar erros gramaticais; não se tratava de vaidade ou excesso de zelo, simplesmente era costume, à época, escrever de acordo com as normas da língua culta, como sinal de educação e respeito para com a língua pátria.  E como amávamos nossa língua! Como nos orgulhávamos de usá-la corretamente sob o ponto de vista da gramática!

A caneta era um capítulo à parte: uma caneta Parker conferia certo status, a Parker 51 era o máximo do requinte: a tampa dourada contrastava com o corpo escuro. Não cheguei a ter uma caneta desse tipo, mas meus pais sim; os homens costumavam prendê-las no bolso da camisa e comumente portavam mais de uma. A caneta que eu costumava usar era uma caneta-tinteiro comum, de estudante, escolhida cuidadosamente na Livraria do Colégio Dom Bosco; essas vinham em várias cores porque eram destinadas aos mais jovens.

 Remexendo meus guardados, encontrei pedaços de cartas: cartas que foram escritas e jamais enviadas, aliás, esse era um hábito que eu cultivava, não sei bem por que: cartas de amor, cartas cheias de paixão, cartas fraternas ou de amizade... Quanta pureza de sentimentos! Sentimentos que transbordam dos pedaços de papel amarelados pelas décadas... Amores e paixões de uma jovem sonhadora que ansiava por aventurar-se pelo mundo, desafiando os padrões de comportamento de uma época marcada pela absoluta falta de respeito à liberdade, sobretudo da mulher: não me envergonho de minhas cartas, pelo contrário, tenho orgulho de tê-las escrito, registrando ali, em alguns momentos, certa ousadia de uma jovem reprimida como eram as mulheres de minha geração.

De uma coisa a mais também sinto certo orgulho: a letra feminina e rebuscada, caprichosamente desenhada em caneta-tinteiro; coisa de quem desenvolveu esse estilo ao longo dos anos no colégio de freiras e que ainda hoje, tantas décadas depois, o conserva; vivia-se um tempo em que a letra de uma pessoa representava sua própria identidade. As cartas da jovem que eu fui, endereçadas de certo modo à pessoa que sou hoje, ficaram comigo para sempre!  

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sandra Castiel

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Em meio à insegurança que temos vivido pela pandemia que assola o mundo, ponho-me a pensar nas demais doenças com as quais as populações convivem e

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte II

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte II

   A proposta deste trabalho é revelar ao público-leitor a beleza da poesia produzida pelos poetas que aqui vivem. Estamos falando sobre pessoas apa

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte I

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte I

Descobri o amor pela poesia, ainda criança, no Grupo Escolar Barão do Solimões, em Porto Velho. Naquela época, os livros de leitura eram obrigatório

Neste último dia do ano! ...

Neste último dia do ano! ...

Último dia do ano: comemorações, fogos, champanhe, ceia, abraços, troca de votos de saúde, alegrias, prosperidade para o novo ano. Isto é tão humano