Porto Velho (RO) segunda-feira, 27 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Sandra Castiel

A literatura de Viriato Moura


A literatura de Viriato Moura - Gente de Opinião

Fico deveras surpreendida com a diversidade da obra de Viriato Moura. Impressiona-me a pluralidade de seu talento, algo que exercita criteriosa e cuidadosamente, características que elevam a arte como um todo, sobretudo as artes plásticas e as letras de Rondônia. Viriato é uma artista.

 No que tange à literatura, Viriato, poeta por excelência, tem nos apresentado um trabalho vanguardista, algo que foge aos padrões da maioria dos escritores de sua geração, entre os quais me incluo.

Depois das Aldravias, poemas minimalistas constituídos de seis palavras-verso cuja proposta é a concisão na forma, aliada ao máximo de poesia, Viriato nos brinda com Nanocontos.

O nanoconto é um microconto caracterizado pela excessiva pequenez, feitio que reflete a contemporaneidade, o ciberespaço e as possibilidades através das quais se dá a comunicação no mundo de hoje.

Como o próprio nome indica, trata-se de uma forma de narrativa bastante concisa que traz em seu bojo uma situação de conflito único (característica esta presente nos contos de Viriato, assim como o uso da terceira pessoa; aqui, uma opção do autor), um ou poucos personagens, enfim, algo que reporta o leitor ao imediatismo e à celeridade, aspectos que nascem do universo da comunicação, na atualidade. Isto não impede, contudo, que o leitor dê asas à imaginação, esta é a melhor parte da leitura.  

Selecionei 20 nanocontos de Viriato Moura. Leitora apaixonada por literatura, escolhi aqueles que mais instigaram minhas fantasias; porém cada leitor possui as próprias referências, memórias repletas de vivências, experiências que proporcionam ao sujeito um modo único de enxergar as situações da vida.

  

 Eis os vinte nanocontos!

 

 BLOQUEADA

  Odiava a velhice, por isso a matou antes de ela chegar.

 

 

  IMPACIENTE

  De conversas vazias, retirava-se cheio.

 

 

  OCUPAÇÃO

  Os espaços vazios por onde passava  ficavam cheios de sua presença.

 

 

 DIREÇÃO

 De tanto olhar pelo retrovisor, esqueceu das ameaças frontais.

   

 ALIMENTO
 Sua miséria era tanta que fartava a misericórdia alheia.

 

  VASSOURA
  Era uma bruxa, porém voava sempre de primeira classe.


  AVESSO

  Sofreu tanto na vida que, ao chegar ao céu, negou-se a entrar.

 

VACUIDADE

Era um ser cheio de vazios.

 

IMPROFÍCUO

De tanto perder, desaprendeu a reconhecer as próprias vitórias.

 

DESEJO

Não gostava de sorvete, mas lambia os beiços ao vê-la degustar um.

 

OUTRO

Quem o conhecia, queria ser como ele — menos ele.

 

INSATISFEITO

Procurava compulsivamente, porém, quando encontrava, não era mais o que estava procurando.

 

 CHAVE

Durante o julgamento, a esposa do acusado adentrou na sala e disse: “Foi ele que me matou!”.

 

 

DEFESA
Era o sol da vida dele, por isso ficou cego de ódio de tanto olhar para ela.
 

 

EVENTO

Sua ausência compareceu deixando todos os presentes mortos de saudade dela.

 

FALTA

O que o incomodava nas viagens era não ter bagagem. 

 

REJEIÇÃO

Como um Frankenstein, era composto por pedaços alheios à sua vontade.


EXPECTAÇÃO

Esperada desde sempre, nunca chegou. Nem sequer disse que vinha, mas vive em mim como ninguém.

 

 

INABILITADO

O sonho dele de andar sobre as águas concretizou-se. Virou pesadelo quando acordou: não sabia nadar.

 

 

BULLYING

Logo após matar o marido, a gorda comeu um bolo de chocolate inteiro. 

A literatura de Viriato Moura - Gente de Opinião

Médico, jornalista, artista visual, poeta, contista, cronista, membro efetivo da Academia de Letras de Rondônia, idealizador e apresentador do programa de televisão Viva Porto Velho, um marco nas comunicações do estado, colaborador de diversos sites a nível local e nacional. 

                                    Viva Viriato Moura!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sandra Castiel

M í s t i c a

M í s t i c a

                Ela é uma mulher diferente (não no melhor sentido): acha difícil conhecer o seu avesso, tal a profusão de sentimentos que carrega na

Pistas Sutis

Pistas Sutis

     Pistas Sutis é o novo livro do escritor e poeta Viriato Moura, escritor cuja produção literária apresenta, a cada obra, uma estética de “vangua

Meus olhos

Meus olhos

Quando comecei a conhecer meu rosto, percebi nele duas luzes acesas, tão brilhantes...Apagavam-se quando eu adormecia, e, ao amanhecer, apresentavam

Amigos

Amigos

Aprendi ao longo das décadas vividas o real valor dos amigos.