Porto Velho (RO) segunda-feira, 27 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Samuel Saraiva

REQUERIMENTO DE JUSTIFICATIVA ELEITORAL


 
 

       REQUERIMENTO DE JUSTIFICATIVA ELEITORAL - Gente de Opinião



 

  

                              REQUERIMENTO DE JUSTIFICATIVA ELEITORAL

  

 

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR(A) JUIZ(A) DA  ZONA ELEITORAL 001  WASHINGTON – DC - EUA

    

                                      Eu, Samuel Sales Saraiva, jornalista, portador do titulo eleitoral n.º 002162112836 - da Zona nº 001, Seção nº 0462, residente nessa jurisdicao, filho de Jairo de Freitas Saraiva e Adamar Sales Saraiva, nascido em Porto Velho – RO, venho apresentar a Vossa Excelência, com fulcro na Lei n.º 4.737/65, Art.7º e 367, c/c Resolução TSE n.º 21.538/2003, Art. 80, caput e § 1º, e Resolução TSE nº 23.089/2010, JUSTIFICATIVA DE AUSÊNCIA DE VOTO no  1º turno da Eleição realizada no ano de 2010, pelo(s) motivo(s) que passo a relatar:

                                     Meritíssimo Juiz, assim como o voto, presente justificativa deste eleitor também deverá ser apreciada como uma legitima manifestação da cidadania e pensamento, conferida pela democracia. Por essa razão solicito de Vossa Excelência a apreciação deste requerimento com o espírito aberto.

Inicialmente gostaria de esclarecer que não torço nem votaria por nenhum dos candidatos à presidência, muito menos de servir de instrumento de legitimação do atual sistema politico brasileiro. A meu ver, com o devido respeito, todos foram gerados no ventre apodrecido da corrupção institucionalizada e revigorada no Brasil após o fim do regime politico-militar instaurado em 1964.

Infelizmente o Brasil tem que escolher entre o “menos ruim”, tendo como decisiva  a “banquinha de negócios” montada pela ex-“dodó” rotulada de “verde”.

A que ponto Excelência chegou nosso Brasil com um sistema político arcaico e perdulário onde apenas a alternância é observada. Ou seja: O ladrão de hoje será oposição amanhã e alegará que “roubou mas fez”. Da parte dele o que ganha a eleição dará chance a uma leva extraordinária de bandidos para desmontarem o esquema que encontraram e montarem o seu…

Em outras palavras: “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come".

Com todo respeito, não creio que o espírito das leis compactue com nossa Justiça. A chamada lei “da ficha limpa”, uma reivindicação popular, foi aplicada a conveniência dos tradicionais e conhecidos corruptos, alguns deles, como é de conhecimento público, condenados ou com dezenas de processos  tramitando serão diplomados… Governadores,  Senadores e Deputados.

A maior parte dos cassados eram “peixes pequenos”. Na esfera superior dos Três Poderes, sem exceção, os corruptos são reverenciados e só vão pra cadeia (raramente), ou são desmascarados em decorrência de alguma briga ou disputa entre facções na disputa pelo poder.

Desnecessário aduzir à presente justificativa a longa lista de crimes praticados, a título de exemplos a “máfia das ambulância”, as compras de apoio políticos (os “mensalões”), e recentemente o balcão de negócios montado na Casa Civil, negociações gravadas onde “boladas” de nossos impostos vão parar na conta de criminosos e bandidos travestidos de políticos e religiosos de todas as matizes, deixando para a opinião pública  a evidência que tudo se repetirá no inicio de uma nova legislatura, de um novo mandato.

Quanto aos eleitores, cuja admiravel  “sapiência” e soberana vontade se projetou na escolha de lideres incontestes e compativeis como por exemplo Sua Excelência o “fenomenal” Deputado Tiririca,  resta a oportunidade de protestar por mais 04 (quatro) anos enquanto impotentes com o sanha voraz do fisco, esse dragão cujos tentáculos são alimentados pela concepção de “chegou a minha vez de me arrumar” e “salve-se quem puder”.

A Lei deveria ser aplicada com equidade, e voto obrigatório deveria ser banido urgentemente, pois cerceamento do direito da livre escolha fere e agride a democracia.  Se o sistema judicial não pode resguardar e proteger o patrimônio público da lapidação criminosa, não terá  legitimidade para punir o contribuinte no seu desejo de não votar. Aliais, a legitimidade de sistemas democráticos avançados se fortalece na confiabilidade que geram e não pela capacidade coercitiva.

Ora, se o cidadão entende que não é palhaço, e sobretudo, que é injusto ser unilateralmente obrigado a cumprir com a Lei enquanto essa, na prática apresenta-se como abstração, tendenciosa, sectária, injusta e elaborada à conveniência das elites que manipulam criminosamente os destinos da nação brasileira, desenhadas para manter perpetuamente de pai pra filho as benesses legitimadas pela estupidez de uma maioria desqualificada, vendida ou anestesiada que apenas “esperneia”  mas não se preocupam com mudar a mentalidade dos homens que se aferram ao poder e muito menos fazerem pagar por seus crimes.

Não acredito na seriedade de um país onde as instituições democráticas são inconfiáveis e extravagantemente corruptas. Eu me sentiria ultrajado sendo forçado a avalizar ou legitimar esse sistema, votando.

Por essa razão Excelência requer seja o presente recebido, como justificativa da minha ausência no primeiro turno das eleições de 2010 e consequentemente assim procederei no segundo turno.

Termos em que

Peço deferimento

 

Washington DC, 15 de outubro de 2010.

 

Samuel Sales Saraiva.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Samuel Saraiva

Sem ter mais para onde correr,  Moro volta para o Paraná, onde pede socorro ao TRE

Sem ter mais para onde correr, Moro volta para o Paraná, onde pede socorro ao TRE

WASHINGTON e BRASÍLIA – Depois de ser defendido pelo senador Álvaro Dias (Podemos-PR) e desprezar o Paraná, mudando o domicílio eleitoral para São Pau

Passos lentos a caminho do Império da Razão?

Passos lentos a caminho do Império da Razão?

O mundo civilizado haverá de estabelecer uma nova era no dia em que a razão prevalecer sobre a imaginação, e os Estados-Nações banirem de suas socie