Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

SENHOR, JÁ NÃO TENHO MAIS TANTA PRESSA!


 
Recebi um maravilhoso texto que me transportou para uma reflexão e, a partir dela, desdobrei-a a um novo questionamento desde o estímulo que me transmoveu.

É que me dei conta de que o outono já chegou, enquanto eu imaginava viver na plenitude de um verão esplendoroso! Meus passos já não são do tamanho dos de outrora, nem meu fôlego advêm do depósito que estocava tanto oxigênio, como no tempo das minhas manhãs de primavera.

Aproximando-se o inverno, que se anuncia inclemente, observo que mudei! Ou será que me tornei soberbo e intolerante?"

Já não há espaços, atualmente, também para as reuniões em que a mediocridade toma lugar da lucidez, em que a coerência foi substituída pela pusilanimidade e insensatez.

Vou tentando valorizar a alma dos bons e expurgar das minhas relações os espíritos armados e os radicais.

Desejo apenas conviver ao lado daqueles bons de coração que deploram a frivolidade, a banalidade e a desumanidade. O contrário disso - a transcendência, a abundância sem desperdícios - me tocam, porque me aperfeiçoam!

Tento me libertar, ainda, dos que pensam que são poderosos, porque geralmente se valem da torpeza para progredir; afasto-me daqueles que tentam submeter os pequenos, que, humildes, os vejo sempre como grandes criaturas, posto me ensinarem a sujeitar as minhas paixões e subjugar eventuais limitações à última das virtuais masmorras!

A essência da alma me interessa, não futilidades! A humildade e a humanidade me sensibilizam, assim como o respeito aos grandes e aos menores, no mesmo diapasão.

Me tocam as pessoas sensíveis, já marcadas pela dureza do tempo e pelas intempéries da vida, mas que transmitem lições que possam corrigir nossas futuras condutas.

Porém, consoante já assinalei noutros escritos, sofro o assédio moral do tempo, a quem imploro para não correr tanto... Em vão!

Essa obstinada e pertinaz pressão que o tempo empresta como ação - cruel estímulo que nos faz exercitar, para correr tanto - tem ares de desperdício, quando tenho tanto a ofertar à vida e aos semelhantes... E parece evocar uma falta de consciência tamanha, que alguém poderia alertar o tempo. Afinal, já não tenho mais tanta pressa... a quem interessa esse sujeito correr tanto? Não me deixa em paz, parecendo me dedicar algum tipo de ódio!...
Se, pelo menos, ele ouvisse a oração de São Francisco de Assis, talvez se convencesse do fato de que é elemento que está radicalizando:

“Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união...”

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Eu não sabia, mas até em Roma Bolsonaro tocou fogo

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Eu não sabia, mas até em Roma Bolsonaro tocou fogo

Não quero ser dramático, mas esse Macron, um boneco enfeitado, regido por sua mulher-presidente, um fantoche que morto não fará falta, anda tumultua

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Dois Homens “Brabos”

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Dois Homens “Brabos”

Eurácio Torito e Artuzin Pedregoso são dois homens valentes e desconheço macho mais macho que esses dois! Então de frente para um prato de comi

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: A Família

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: A Família

A Família, considerada célula mater - nem poderia deixar de ser -, é primordial como agente de socialização dos filhos gerados e também o principal

Reveja: O Professor Abnael Machado de Lima - Por Paulo Saldanha

Reveja: O Professor Abnael Machado de Lima - Por Paulo Saldanha

À distância nutria admiração pelo Mestre Abnael, mas não fazia parte do seu núcleo de amizades, apesar de saber do respeito e admiração que meu pai, P