Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

Nem tudo que parece, é!



Aristodemo, homem pequenino, magrinho, negro, descendente de índio, era trabalhador e leal! Mas aposentou-se. Bem educado, apesar da ausência de instrução formal, tinha como quase todos os ribeirinhos afeto pelas pessoas e carinho pelos bichos.

Um dia me disse:

–sô Paulo, vou deixar a empresa!

–E por quê?

–Pruquê a cozinheira e o marido dela tão sonegando comida pr´eu.

–Mas, como?

–Num sei, não! Mas não desejo confusão comigo nem com ninguém...

–Pois fique sabendo que eu e a minha mulher gostamos muito de você. Você só nos deixará se não confiar mais em nós.

Era o que Ari desejaria ouvir. Sentiu-se forte, valorizado e dignificado. Ficou e navegou mais de 20 anos ao nosso lado. Até que conseguiu aposentar-se, mas ficou morando aqui no nosso lugar. Ia até a cidade e voltava quando sentia saudades. Pescava e pescava! Fazia os seus pratos pescados apanhados ora moqueados, ora fritos, outras vezes cozidos a pleno fogo.

Sucedeu que o casal que sonegava a comida foi instado por mim para melhor tratar o meu amigo Aristodemo, pessoa da nossa estima e consideração. E melhoraram mesmo as atenções para com o nosso considerado fiel escudeiro.

Mas, ironias à parte, a mulher do caseiro de então era expansiva demais para a nossa percepção e eis que, num inicio de noite, após ter servido o jantar, sem ter sonegado nada ao Aristodemo, trancou-se no quarto com o marido e eis que, de fungados em fungados, passou às vias de fato com o ardoroso esposo; e gritava e gritava, incendiada pela loucura e criatividade do companheiro de vida e de alcova.

Aristodemo, acostumado a defender as mulheres, já aturdido com a infernal gritaria ali ao lado, pensando que Magal, o homem da mulher, estivesse batendo na consorte, chutou a porta, desejando defender sua nova amiga desde criancinha. Assim, abrindo-a de par a par, viu uma cena forte para os seus olhos nem tão pudicos assim. O casal inebriado com a intensidade de um amor ensandecido nem parou com o ato que praticava.

Ari ficou sem jeito e fechou a porta, pois verificara que os travesseiros estavam soltos no chão, luxúria à parte, os amantes se davam, buscando a calmaria que costuma acontecer logo depois do amor...

–Sô Paulo peguei aqueles dois na maior pu..ria! Fui para salvar a mulher e vi que eles estavam é fornicando. Mas ela gritava demais! Pensei que ela tava é apanhando...

        Ironias à parte! Ari tentou salvar sua frágil algoz que lhe vinha sonegando a comida.

Mas, nem tudo que parece, é!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Embora comovido, não deletei alguns nomes queridos na lista do meu celular, lamentando a perda do meu dileto companheiro em face da viagem para o an

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

O governo fora proibido de rememorar a data da contra revolução que libertou o Brasil do nefasto jugo do comunismo odiento e fracassado! Decisão esq

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Um Religioso Trapalhão

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Um Religioso Trapalhão

Corria a década de 50 o catolicismo já estruturado pelas benfazejas mãos e lucidez de Dom Rey

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

Sou filho da Mita Saldanha, tão extremada nas preocupações e nos carinhos. E é tão eterna, que representa hoje, 57 anos depois, tantas e imensas sau