Porto Velho (RO) terça-feira, 22 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

E O MEU IPÊ CAIU


 

    Fiquei de luto mais uma vez! Desta vez por conta do meu ipê, o amarelo, aquele de outras crônicas anteriores, que em uma vez a cada primavera e há muitos anos vinha me comovendo, enternecendo e maravilhando.

    Suas raízes devem ter ficado bambas, fracas, debilitadas, adoecidas, a partir da grande cheia de 2014. Inundação das “brabas”! Tremenda alagação!

    Sempre, desde 1998, eu vinha premiando as pupilas dos meus olhos com a visão majestática daquele amarelo dourado que despontava entre agosto e setembro. Aliás, eu da janela ficava “chocando”, esperando o surgimento da cor mais eloqüente do reino vegetal, uma mistura do ouro com a gema do ovo, matiz que só o artista maior dos mundos é capaz de reproduzir!

    Mas aquela alagação de 2014 foi de uma contundência tal que derrubou o ipê de minha predileção. Que pena!

    Olho na antiga direção onde ele pontificava e um vazio debochadamente me aplaude de lá para cá, de forma provocativa, com escárnio e ironia, querendo tripudiar, como a dizer: “Estás vendo, Paulo? Não adianta chorar, esse ipezinho de meia tigela foi fraco e não suportou a inclemência de uma “cheiazinha” também de meia pataca (palavra antiga que traduzia a crítica a uma moeda popular existente na época de meu pai).

    O certo, todavia, é que meu coração e os meus olhos estão enlutados, pois perdi um amigo, uma espécie de irmão, um camarada que todo ano me abraçava bem apertado e nutria a minha emoção com o esplendor de suas pétalas tão vivas, que seduziam e acariciavam os meus sentimentos.

    Caiu de fraqueza, debilidade provocada pela própria Natureza, e seu tronco acabou impedindo o trânsito na estrada interna, sendo necessário o despedaçamento daquele corpo que durante anos a fio fazia renascer a esperança mediante o esplendor que espraiava em todo o derredor.

    Eu estava ausente quando um som estrondou no entorno, sinalizando a queda de um ente para mim tão querido. Foi derrubado, já fraco que estava, pelo vento forte que soprou do Sul de forma acintosa e mortal.
    
    E o meu ipê preferido, aquele favorito, o meu ipê tão querido, tombou como um bravo. Foi corroído a partir da planta dos seus pés, aquelas raízes nem sempre tão profundamente fincadas no solo fraco, estrutura que acabou vencida pela ação inclemente do tempo em que ficou sob o impacto das águas do legendário rio Pacaás Novos.

    E eu, agora mais pobre, não poderei mais admirar a cabeleira dourada do meu ipê; e nem ele, qual mocinho tão guapo, vaidoso da sua adônica beleza, não poderá mais concorrer para extasiar e emocionar aqueles espíritos como o meu, que se comove com a sedução que emerge do chão e das entranhas da abençoada terra amazônica, em cujo ventre vicejam árvores como o meu ipê que nasceu e cresceu para pontificar, encantar e comover.

    Os seus pedaços me fazem recordar o esquartejamento de um nacionalista como se tivesse praticado um ato de lesa majestade, e estão ali no meu itinerário ao meu trabalho como a me lembrar de que há culpas não resolvidas, porquanto embora admirando-lhe demais, talvez pouco tenha expressado em palavras a intensidade da minha paixão pela árvore considerada símbolo nacional.

    Dar-te-ei, meu irmão, meu camarada Ipê, companheiro de tantas primaveras, um destino glorioso: haverás de pontificar na chegada da minha casa nem que seja através de um fragmento do que fostes, emoldurando uma placa em homenagem a uma mulher tão especial para mim.

    Como és ressuscitável, não ficarei admirado se, qual Lázaro, emergires novamente do solo dadivoso, transformando-te em portentosa árvore; e haverás de brilhar no firmamento regional, para alegria minha e de tantos olhos que haverão de te contemplar.

    Espero viver o suficiente... Que assim Deus me ajude!

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Os principais e os coadjuvantes

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Os principais e os coadjuvantes

                      Aqueles que pensam que sozinhos são heróis, tomem tento! Sem o apoio, força, pensamento e ações de terceiros jamais chegariam

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Eu não sabia, mas até em Roma Bolsonaro tocou fogo

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Eu não sabia, mas até em Roma Bolsonaro tocou fogo

Não quero ser dramático, mas esse Macron, um boneco enfeitado, regido por sua mulher-presidente, um fantoche que morto não fará falta, anda tumultua

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Dois Homens “Brabos”

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Dois Homens “Brabos”

Eurácio Torito e Artuzin Pedregoso são dois homens valentes e desconheço macho mais macho que esses dois! Então de frente para um prato de comi

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: A Família

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: A Família

A Família, considerada célula mater - nem poderia deixar de ser -, é primordial como agente de socialização dos filhos gerados e também o principal