Porto Velho (RO) domingo, 3 de julho de 2022
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses - João Miguel de Araújo Lima


Paulo Cordeiro Saldanha - Gente de Opinião
Paulo Cordeiro Saldanha

Amanhã, dia 20 de abril, aniversaria um ilustre guajaramirense, brasileiro dos melhores que conheci, íntegro, competente, humilde, generoso, filósofo, sábio e possuidor de rara sensibilidade, decorrente da inteligência que o movimenta.

          Eu o destaco porque o tenho na condição de verdadeiro irmão, um amigo que conquistei, quando me descobri como gente, até porque nossos vínculos antecedem a nossa convivência por conta de meus antepassados com os de seus pais e irmãos.

          Dono de uma cultura elevada, por se ter tornado um amante dos livros e caprichoso cultor da língua portuguesa, especializou-se nas sutilezas das regras gramaticais, etc, etc.

          Uma vez quis polemizar com ele sobre um tema (que eu não dominava) e ele me deu uma sova de 30.000 X 0, perdoando este escriba com a humildade que o envolvia...

                    –Joãozinho, provoquei, eu sabia que era tudo como você colocou na discussão. Mas, quis testar o seu conhecimento, daí ter-me situado como um cara teimoso e carente de conhecimento sobre a matéria...

                    –E o pior é que acredito! Sorrindo, me deixou humilhado, porém aquinhoado de mais conhecimento vernacular.

          O João Miguel é dono de um manancial de talentos!

Por exemplo, sua escrita é perfeita! dono de uma caligrafia que causa admiração aos que a conhecem! É músico virtuoso, aptidão que conquistou mercê da sua erudição e vontade férrea para aprender a tocar SAX com a maestria que inebria, tanto que comove a platéia que tem o privilégio de ouvi-lo!

          Nos tempos do BANCRÉVEA, ali na Avenida Carlos Gomes, nos antigos bailes e nos carnavais de antigamente fazia explodir emoções e enternecia os namorados iniciantes, ao lado de outros artistas de Porto Velho, dos anos 50 e 60.

          Todavia, se as virtudes por conta das artes já o credenciariam como um ser humano de vanguarda, no campo espiritual, ai, sim é que... explode coração! Aí, sim é que ele é visto como consagrado como uma referência do bem, um paradigma para a bem-aventurança, dada a excelente formação moral, política e social que envolve toda a sua personalidade, tão bem esculpida, otimamente bem delineada.

          Fizemos parte de uma geração de bancreveanos que foi tida como primorosa! A sua trajetória no Banco da Amazônia S/A foi exemplar! Transferido para a cidade de Belém, gerenciou a Filial do BASA, numa fase e, noutra, assessorou Diretores e Presidentes, apoiando-os com pareceres edificantes, respaldados na lealdade, nos princípios jurídico/administrativos e no bom senso.

          Foi em João Miguel de Araújo Lima que fui buscar o respaldo de que precisava para buscar o êxito que alcançamos também na segunda gestão do Banco Estadual, entre 1991/1994. E, tenham certeza, o Joãozinho fora imprescindível para que conquistas fossem materializadas, porque de mãos dadas com outros abnegados da Instituição, em nome da racionalidade, da devoção de almas e de espíritos, na procura de eficácia, eficiência e efetividade, construímos uma gestão que transferiu o BERON vivo, apesar da inclemência do Plano Real.

          Jamais iríamos supor o desastre que se transformaram as gestões daqueles que nos substituíram...

          O Senhor Araújo Lima, esse Joãozinho de tantos amigos fraternos, esse símbolo do altruísmo, do preparo profissional, dono de uma perspicácia ímpar, já ultrapassou os 93 anos e nos lega tantas mensagens de companheirismo, fraternidade e generosidade...

          Que Deus continue abençoando-o e lhe conceda muita saúde, paz, harmonia e prosperidade, hoje, dia do seu aniversário, amanhã e sempre!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses - Ausência de justiça ou vingança?

Crônicas Guajaramirenses - Ausência de justiça ou vingança?

          Acolá, nos bancos da “velha jaqueira”, prédio onde concluí o curso de Direito na Universidade do Amazonas, em Manaus, saudosos professores

Crônicas Guajaramirenses - A Lenda do Machiquerou

Crônicas Guajaramirenses - A Lenda do Machiquerou

Meu amigo de longa data, o José Maria dos Santos, líder e ativista dos interesses dos povos da floresta, um dos poucos leitores que possuo, admirado

Crônicas Guajaramirenses - Mais valioso que o euro e os petrodólares

Crônicas Guajaramirenses - Mais valioso que o euro e os petrodólares

          Um dia John Fitzgerald Kennedy eternizou a frase: “Não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por seu

Crônicas Guajaramirenses - À Cesar o que é de Cesar

Crônicas Guajaramirenses - À Cesar o que é de Cesar

Após ter estudado no início de 1960, primeiro em Paty do Alferes, depois na cidade do Rio de Janeiro, no colégio Santo Agostinho, e tendo retornado