Porto Velho (RO) quarta-feira, 16 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães


CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães - Gente de Opinião

Sou filho da Mita Saldanha, tão extremada nas preocupações e nos carinhos. E é tão eterna, que representa hoje, 57 anos depois, tantas e imensas saudades!

 

         Minha mãe, no contexto familiar, era a grande comandante da família. Enquanto meu pai se realizava nas missões que recebia, ela pensava o futuro de todos, pavimentando o nosso progresso material. No campo religioso, sob sua orientação, na Igreja Católica nos encontrávamos com Ele, sedimentando o nosso avanço espiritual. A melhor qualidade para nossas vidas ela descobria lendo os livros que encomendava através do reembolso postal e das revistas, com suas crônicas, análises e fotos; e lia inclusive as propagandas, detalhe que acabei copiando. “O Cruzeiro” era uma publicação que jamais faltava na nossa residência.

 

          Nossa casa própria foi uma conquista que, paulatinamente, ela foi concebendo, gerenciando o dinheiro dos dois provedores: ela e meu pai.

 

          Um dia, o governo do Território chegou a atrasar 11 meses de salário. Uma crise enorme desceu sobre a economia do município. Minha mãe foi para a máquina de costurar, fez vestidos, bordou blusas e tecidos e, na cozinha, fez bolos, confeitou outros, e jamais faltou o essencial para nós.

 

         Bernarda, minha avó tão pródiga na distribuição do amor, outra mãezinha, deixou perenes marcas na minha capacidade para agradecer e reverenciar. Ela, com tão limitados estudos, me educava e socializava através de provérbios e de lições de vida. Durante aquele período que representou a negligência do então Território, a minha Bernarda valeu-se da tenacidade e dos vínculos com a sua filha e netos, e foi ardorosa nos trabalhos para que ao nosso grupo jamais faltasse comida.

 

Ocorre que um tratamento ortodôntico urgia. Meus tios postiços, dois generosos cariocas, incentivaram meus pais a mandar-me para as terras fluminenses, que eles cuidariam de mim.

 

         Carinho igual e recordações alvissareiras me tocam quando recordo da queridíssima tia Norma Alves da Silva, amor que conquistei nas terras cariocas a partir de 1960.

 

E já como mãe adotiva, a minha tia Norma lutou e conseguiu uma vaga num ótimo colégio no bairro do Leblon. Localiza-se ainda hoje na rua Cupertino Durão. Trata-se do Colégio Santo Agostinho, a poucos metros de onde morávamos, ali na rua Humberto de Campos. Não que eu estivesse mal lá no Ginásio Barão de Paty do Alferes. Estava bem, motivado, tirando boas notas. Todavia, como tinha eu iniciado um tratamento ortodôntico no centro do Rio, no Edifício Odeon, o acompanhamento do especialista às vezes ficava prejudicado, em face da distância entre Paty e a cidade do Rio.

 

           Como sou desprovido do dom da premonição, naquela manhã de 11 de fevereiro de 1962 eu me divertia em Teresópolis, na casa do Doutor João Samuel, o Peninha, amigo do tio Ivo Jansen de Azevedo e do almirante João Paiva de Azevedo. Fomos do Rio passar o dia na Serra de Teresópolis. Estava feliz e não pressentia nenhuma nuvem negra sobre a minha cabeça!

 

           Era a hora do almoço. Enquanto eu ria, brincava, andava numa pequena moto, minha mãe definhava e morria numa clínica na cidade de Guayaramerín, Bolívia, para onde fora transferida em função do desespero que pairava no seio de minha família, que não conseguia fazê-la reagir no hospital de Guajará-Mirim. Foi um baque no campo sentimental e uma pancada no material. Minha mãe vivia para o marido e para os filhos. No plano material, como funcionária federal, seus proventos ajudavam a prover a família. Mesmo assim, para manter o meu tratamento e os meus estudos no Rio, fez implantar aqui na cidade um instituto de beleza. Com o faturamento mantinha-me nas terras cariocas.

 

           Lembro-me de como a notícia me foi revelada pelos meus tios Ivo e Norma. Cedo, na segunda-feira, disseram-me que minha mãe tinha tido um problema e estava internada. Mais tarde, disseram-me que tinha piorado. Lá pelas duas horas, chegaram ao apartamento dois grandes amigos de minha família: o ex-governador Paulo Nunes Leal e dona Talita, sua mulher. Tia Norma, então, me disse que minha mãe tinha piorado muito. Começamos a chorar. Deram-me um remédio e, em seguida, a infausta notícia de sua morte, no dia anterior. Chorei muito! Com pouco mais de 15 anos, nunca tinha feito nada por meus pais. O sentimento de perda é enorme, e o de culpa, muito maior! Será que lhes dei amor, desvelo e compreensão? Não tive tempo, pensava, de lhe ter beijado mais vezes, abraçado bem apertado. Lembro-me que escrevi dizendo que a amava, mas não lembro de lhe ter dito, com palavras faladas: “mãe, eu te amo”. Em contrapartida eu fui abençoado com muito amor e desvelo. Cuidado e zelo. Com ternura e ensinamentos.

 

         A morte de minha mãe atingiu-me de forma violenta. Pensava nos meus irmãos mais novos que eu, e já órfãos de mãe. Minhas notas caíram e eu só pensava em retornar.

 

         Com a passagem da Mita para o Oriente Eterno, o amor de mãe continuou a me alcançar através da Norma Alves da Silva, na cidade do Rio de Janeiro, quando no dia 12, após o fatídico 11 de fevereiro de 1962, entre lágrimas, eu a olhei bastante comovido e lhe disse: “agora a senhora será a minha mãe”.

 

           E a partir daí, enquanto vida ela teve, eu já adulto, a Norma me acompanhou, escrevendo-me e aconselhando-me. Apresentei-lhe a minha mulher Olgarina e ela abençoou a escolha.

 

         Tia Norma, suas filhas Vera Lúcia e Cristina e seu marido Ivo Jansen de Azevedo eram uma família bem formada e acolhedora e da qual tive a felicidade de poder ter sido parte, até que retornei para Guajará-Mirim.

 

         A Tia Norma representa as saudades que aprecio sentir porque a amei e amo com a ternura do filho que não vê limite no sentimento verdadeiro, tendo a gratidão que me envolve sempre que nela penso, porque quando me elevo imaginando-a, eu sinto que esse fato me aperfeiçoa!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Os principais e os coadjuvantes

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Os principais e os coadjuvantes

                      Aqueles que pensam que sozinhos são heróis, tomem tento! Sem o apoio, força, pensamento e ações de terceiros jamais chegariam

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Eu não sabia, mas até em Roma Bolsonaro tocou fogo

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Eu não sabia, mas até em Roma Bolsonaro tocou fogo

Não quero ser dramático, mas esse Macron, um boneco enfeitado, regido por sua mulher-presidente, um fantoche que morto não fará falta, anda tumultua

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Dois Homens “Brabos”

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Dois Homens “Brabos”

Eurácio Torito e Artuzin Pedregoso são dois homens valentes e desconheço macho mais macho que esses dois! Então de frente para um prato de comi

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: A Família

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: A Família

A Família, considerada célula mater - nem poderia deixar de ser -, é primordial como agente de socialização dos filhos gerados e também o principal