Porto Velho (RO) domingo, 19 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp


Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp - Gente de Opinião

Embora comovido, não deletei alguns nomes queridos na lista do meu celular, lamentando a perda do meu dileto companheiro em face da viagem para o andar de cima...

Milagres pouco acontecem nos dias de hoje, mas ninguém ainda me telefonou ou mandou mensagens do mundo astral...

Quando - nem saberemos a hora - uns deleterão o meu nome na lista dos seus amigos mais fiéis...

E eu, do signo de Touro, teimoso até danar, venho me recusando a deletar da minha “algibeira mental”, ou da “pochete sentimental”, os nomes das pessoas por quem sempre nutrirei carinho e gratidão.

Amigos são assim: deixam marcas! Na escola, no trabalho, na universidade, nos identificamos com uns com outros e eles permanecem na memória e no coração, ainda que nos afastemos geograficamente.

Numa época em que as cartas nos uniam, na troca delas nos aproximávamos. Depois, através do telefone fixo se matavam as saudades encruadas nos peitos; vieram o telex, o fax e, agora, o celular; mais recentemente, via telemóvel, o WhatsApp nos chega de mansinho, como quem chega do nada, e explodem as emoções, risadas, fotos, notícias, informações, enfim, mensagens sérias e debochadas.

Quantos relatos, narrativas, músicas, fotografias, filosofias, descrições, gravuras recebemos de velhos companheiros e de amigos recém conquistados.

Mas a vida, subvertedora dos sonhos sonhados por mim, nos quais desejo eternizar minhas relações como se fosse viver para sempre, jamais me concederá a certeza da expectativa de que amanhã estarei vivo para merecer exteriorizar risos e alegrias sob a forma de correspondência virtual trocada, ao tempo que poderá neutralizar esses meus devaneios ante a imprevisibilidade do futuro, de que esses ganhos por parte dos que me são tão caros poderei não contar nos instantes seguintes; e estes, por seu turno, correm o mesmo risco de me retirar da sua lista, e eu de “riscar” os seus nomes dentre os meus contatos.

Tudo isso ante a inexorabilidade e da tenuidade da nossa existência sempre tão falaz; porque a vida, na dimensão do tempo, é ilusão! E nunca será um conto de fadas!

Perder um amigo ou um parente querido é pancada das mais fortes! E, ante o vazio que passa a nos envolver, fica a dúvida: será que lá no novo horizonte espiritual que o abrigará ele sentirá as saudades que deixou?


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

O governo fora proibido de rememorar a data da contra revolução que libertou o Brasil do nefasto jugo do comunismo odiento e fracassado! Decisão esq

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Um Religioso Trapalhão

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Um Religioso Trapalhão

Corria a década de 50 o catolicismo já estruturado pelas benfazejas mãos e lucidez de Dom Rey

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

Sou filho da Mita Saldanha, tão extremada nas preocupações e nos carinhos. E é tão eterna, que representa hoje, 57 anos depois, tantas e imensas sau

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES Meia Volta, Volver

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES Meia Volta, Volver

Meu Deus, meu Deus, onde Estás que não respondes?