Porto Velho (RO) quarta-feira, 19 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Paulo Saldanha

A PARTIDA DO LÍDER QUE EU TRANSFORMEI EM ÍDOLO - Por Paulo Saldanha


Conheci o coronel Jorge Teixeira em março de 1979, quando eu assumi a Gerência do Banco da Amazônia S/A na capital manauara.

–“Que que” tu estás fazendo aqui, quando deveria estar lá ajudando a tua terra? - disse-me ele ao saber que eu era rondoniense, enquanto me apertava a mão num caloroso cumprimento de boas vindas.

–Fui transferido para Manaus na mais importante missão por mim recolhida. Além do mais, daqui a dois anos concluo o curso de Direito. Quem sabe eu não serei seu liderado lá na terrinha que me serviu de berço?...A PARTIDA DO LÍDER QUE EU TRANSFORMEI EM ÍDOLO - Por Paulo Saldanha - Gente de Opinião

Isso foi parte do diálogo mantido com o saudoso coronel Teixeira que ficou gravado no meu cérebro e na tábua do tempo.

Saí vitorioso daquela missão (que eu julgava ser a maior até então recebida-outras, eu nem sabia, viriam depois) e “entronizado” quatro anos depois na briosa equipe comandada pelo grande líder. Em seguida, fui por ele elevado à condição de primeiro mandatário do Banco do Estado de Rondônia S/A, instituição que nasceu com a têmpera forjada no idealismo de um homem que sabia comandar motivando homens e mulheres, que se sentiam valorizados em trabalhar sob as suas ordens.

O meu convívio com o Teixeira foi mantido num nível de entrosamento tal que nasceu uma amizade profunda, respaldada na admiração nutrida na empolgação que envolvia a implantação do estado, das instituições, das empresas e, particularmente, no apoio integral que ele dava à novel instituição que eu, por sua confiança, ia exercendo com denodo e entusiasmo, aglutinando um grupo de pioneiros da entidade na incessante busca de resultados.

O coronel Jorge Teixeira foi um líder no sentido pleno da palavra: a presença do seu governo estava na cultura, na educação, na segurança, na saúde, na formação da infraestrutura econômica e logística, pois todos os setores da vida regional representavam a sua obstinação.

Quem com ele se ombreou ou foi seu discípulo sabe que ele era firme e otimista. Pensava sempre de forma positiva e influenciava os seus comandados a lhe seguir no exemplo e nas atitudes com atos, palavras e gestos.

Seu carisma derivava da espontaneidade como se relacionava com as pessoas, fosse como governante, como militar, como esportista, como cidadão. Era um disciplinador, mas também era disciplinado!

Sempre penso nele e na excelente chance que a vida me concedeu, permitindo um convívio que só me elevou como ser humano e, respeitadas as dimensões das funções exercidas por ele e por mim, como administrador.

No dia 28 de janeiro serão 30 anos da sua partida para o Oriente Eterno. Não há tristezas a nos macular, apenas saudosas lembranças de um tempo que adoro recordar, revivendo a excelsa honra de ter sido seu subordinado e amigo.

O Euro Tourinho Filho, César Ribeiro, Márcia Regina Pini, João Wilson, Sílvio Bezerra, Janilene Melo e seu esposo José Gomes, Jorge Ademir, Rosinaldo Machado, seu motorista particular Dodô, Simão Salim, Yêdda Borzacov, Hamilton Almeida... enfim, foram umas dezenas de homens e mulheres que se irmanaram na intransigente defesa dos direitos de Rondônia através das diretrizes emanadas pelo nosso líder maior.

Para mim, “mais que seu subordinado, fiquei seu fã” (licença, Sérgio Bittencourt!). Mais que líder, é meu ídolo, e assim será até que outra vida me venha surpreender...

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Paulo Saldanha

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Crônicas Guajaramirenses: Alguém na minha lista do whatsapp

Embora comovido, não deletei alguns nomes queridos na lista do meu celular, lamentando a perda do meu dileto companheiro em face da viagem para o an

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Se não podemos rememorar o 31 de março, que tal celebrarmos o fracasso do comunismo?

O governo fora proibido de rememorar a data da contra revolução que libertou o Brasil do nefasto jugo do comunismo odiento e fracassado! Decisão esq

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES:  Um Religioso Trapalhão

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES: Um Religioso Trapalhão

Corria a década de 50 o catolicismo já estruturado pelas benfazejas mãos e lucidez de Dom Rey

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

CRÔNICAS GUAJARAMIRENSES - Hoje, 11 de fevereiro, me lembrei: eu tive três mães

Sou filho da Mita Saldanha, tão extremada nas preocupações e nos carinhos. E é tão eterna, que representa hoje, 57 anos depois, tantas e imensas sau