Porto Velho (RO) segunda-feira, 4 de julho de 2022
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

O próprio DNPM avisou: tem ouro no Rio Madeira


  



RONDÔNIA DE ONTEM
 

O próprio DNPM avisou: tem ouro no Rio Madeira - Gente de Opinião


MONTEZUMA CRUZ
Editor de Amazônias

 
Não se pode creditar totalmente aos garimpeiros a descoberta das “fofocas” de ouro ao longo do Rio Madeira. Em 1977 uma matéria deste repórter no jornal Folha de S. Paulo revelava que a Construtora Andrade Gutierrez já estava de olho nos aluviões para faiscar o metal. Sete anos depois veio a CR Almeida, igualmente interessada e que escreveu um capítulo de violência no Garimpo de Periquitos, na BR-364, rumo ao Acre.

Não foram apenas os garimpeiros os donos da notícia. O próprio Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) alardeava o Projeto Noroeste de Rondônia, pouco preocupado em esconder a vinda de empresas construtoras para pesquisar a região.

O próprio DNPM avisou: tem ouro no Rio Madeira - Gente de Opinião
No subsolo das regiões do Machadinho e do Jamari, garimpos de cassiterita deixaram marcas na floresta que também foram destruídas por máquinas gigantes /GILSON COSTA-Arquivo IBGE

Situado na porção norte ocidental do Território Federal de Rondônia, esse projeto compreendia 60,1 mil km² de águas e subsolo ricos em ouro, cassiterita, paládio, pirita, manganês, wolframita e outros minerais. Daí para a corrida dos garimpeiros foi um pulo, já que a lavra de cassiterita fora proibida por uma portaria do ex-ministro das Minas e Energia, Antonio Dias Leite.

Rondônia foi considerada durante muitos anos a maior Província Estanífera do País. Essa história começou em meados de 1952, quando alguns garimpeiros de diamantes encontraram um minério preto e pesado no Rio Machadinho. Imaginavam que fosse rutilo, era cassiterita.

Joaquim Pereira da Rocha viu um rebuliço de gente no seu Seringal União e, mais que depressa, combinou uma conversa com o geólogo Donald Campbell. Após analisar o material coletado, Campbell constatou a riqueza ali existente. Rapidamente, a informação correu léguas na floresta, despertando outros seringalistas.

SeuRocha, como era conhecido, foi recebendo então em suas terras centenas de homens vindos do Amazonas, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco e Piauí. Só no Seringal União ele comandava quatrocentos homens que dormiam em redes amarradas no alto dos barracões, para não serem surpreendidos por onças.

Começava a cata do minério de estanho, que em seguida originou a lavra mecanizada. Oito anos após a descoberta, em 1960, o preço do minério e os lucros compensadores atraíram para cá grandes grupos exploradores nacionais e multinacionais: Companhia de Mineração Jacundá, Brascan (Brasil-Canadá), Oriente Novo S/A, Brumadinho (Itaú), Taboca S/A, Brasiliense S/A e Mibrasa (Phibro-Cesbra).

O negócio prosperou. Em 1976, por exemplo, a Mineração Paranapanema gastou mais de 220 mil litros de gasolina e 4,12 milhões de litros de óleo diesel para fazer funcionar suas máquinas, motores, veículos e casa de força. A maior parte da produção destinava-se à fabricação de folhas de flandres pela Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda (RJ).

A lavra  era onerosa porque ainda não havia energia elétrica. Iniciada em 1982, a Hidrelétrica do Rio Jamari só funcionou 14 anos depois, quando essas poderosas empresas já encerravam as atividades, deixando, além dos desempregados, crateras cheias de lama.

 

 Siga montezuma Cruz no

 Gente de Opinião

 
www.twitter.com/MontezumaCruz

 
 


ANTERIORES


Em 1984, cheia, naufrágio, apagão e protesto

No começo da viagem, charque e farinha; em Rondônia, malária

Angelim tenta frear migrantes expulsos pela seca no sul

Propostas renovadas e peões em fuga

Antes do Estado, a escravidão

'Índio bom é índio morto'

Chacinas indígenas marcaram para sempre a Amazônia Ocidental
 

'O coração do migrante é verde'

►O futuro no Guaporé, depois Cone Sul


Coronel é flagrado de madrugada, levando peões para o Aripuanã

 

O gaúcho Minski, rumo a Cerejeiras

► Valdemar cachorro, o 'compadre' dos índios

► Policiais paulistas 'invadem' Rondônia 
    na caça aos ladrões de cassiterita


► TJ manda libertar religiosos e posseiros
     após o conflito  da  Fazenda Cabixi


► A sofrida busca do ouro no Tamborete,
    Vai quem quer  e  Sovaco da Velha


► Aquela que um dia foi Prosperidade


► Energia elétrica a carvão passou raspando

 

► Cacau chega à Alemanha, sob conspiração baiana

► Ministro elogia os 'heróis da saúde'

 

► Naqueles tempos, um vale de lágrimas

 
Publicado semanalmente neste site,
no
RondôniaSim e no Correio Popular.


 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Presença indígena há 7 mil anos revela uma Rondônia ainda desconhecida

Povoada há cerca de seis mil anos, floresta amazônica preservou vestígios dos povos antigos em Rondônia. Produção do SescTV acompanhou o trabalho de p

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

MEMÓRIA AMAZÔNICA - O repórter Montezuma na terra Kaxarari

Breve relato de uma andança pela terra indígena Kaxarari entre Rondônia, Acre e Amazonas: em 1980 eu estava na Redação do jornal Porantim em Manaus, e

A grande pedra no caminho dos Suruís

A grande pedra no caminho dos Suruís

Como é que ela foi parar ali? É a primeira pergunta feita pelo visitante, ao encontrar essa pedra enorme numa inclinação do terreno à margem da estrad

Olhe aí, o Canadá de novo

Olhe aí, o Canadá de novo

O anúncio da chegada da empresa Canadá Rare Earth Corporation a Rondônia para explorar terras raras a partir do minério de estanho (cassiterita) trans