Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Antes do Estado, a escravidão


 

RONDÔNIA DE ONTEM

 

 Antes do Estado, a escravidão - Gente de Opinião

 

MONTEZUMA CRUZ
Editor de Amazônias

 

A prática do trabalho em condições análogas à escravidão em Colorado do Oeste, Cerejeiras, Chupinguaia e Vilhena estava longe de ser um fato novo, constatei em 1981 ao conversar com o padre salesiano Ângelo Spadari, na Casa Paroquial. Ele me contou da rotineira ida de trabalhadores para as fazendas da região, alimentada diariamente por gatos originários de Mato Grosso ou de estados do sul.

 

Vinte anos depois, numa vultosa operação na região de Vilhena a Polícia Federal libertou de uma só vez cerca de mil trabalhadores escravizados, a maioria deles analfabetos e arregimentados por esses gatos num vaivém muito comum na extensão de terras entre essa parte rondoniense e a região do Aripuanã mato-grossense.

 

Talvez ingenuamente, uma juíza recém-chegada ao cargo na Vara do Trabalho ignorasse a situação, argumentando assim: “Quando o patrão conduz o empregado a um supermercado e o condiciona ao trabalho para pagar os utensílios e alimentos isso configura um adiantamento”. “Que deve ser descontado no futuro”, defendeu. Baseava-se na lógica dos seringais amazônicos.Antes do Estado, a escravidão - Gente de Opinião

 

Na região onde ocorreram os piores casos de “escravidão branca” nos anos 1970 e 80, a juíza agradou e desagradou. No entendimento dela, essa degradação humana “não mais existia no Brasil”. Escravidão, só a dos negros, no Brasil Colônia, raciocinou.

 

Cerejeiras, maio de 1986: durante alguns meses as fazendas São José e Cerejeiras não pagavam salários para duzentas pessoas mantidas sob sevícias e tortura. Esse era o contingente que apanhava de cipó e se sujeitava a mutilações com motosserras enquanto desmatava ilegalmente.

 

Multados pela Justiça, os donos mandaram libertar os peões, mas eles ainda foram vítimas de capatazes raivosos. Saíram das fazendas a pé e alguns baleados nas pernas e nas costas.

 

Situação semelhante também ocorreu nas Fazendas Gauchinho, Antonio José, Santa Ana e Bordon, de onde foram soltas dezenas de peões. Encontrei-osesfomeados, comendo em marmitas na pracinha de Cerejeiras. Ali estavam rapazes com solas e calcanhares dos pés cortados, para que não fugissem.

 

O novo estado não vivia o Brasil Colônia, período em que os negros eram identificados pela dentição, no entanto cedia à tortura no meio do mato, longe dos olhos de quem deveria impedi-las.

 

A escravidão camuflada ficou conhecida por “trabalho forçado”. Ouvi o promotor Osvaldo Luís Araújo e o delegado de polícia, Rivaldo Silva. Este preferia lavrar o inquérito com o termo “semi-escravidão”.

 

Papel triste e ao mesmo tempo risível desempenhava o destacamento da PM em Cerejeiras: o soldado Riva oferecia-se para convencer os peões a procurar outros patrões, ali mesmo nos quartos de pensões ou na rodoviária de Vilhena, às barbas da lei.

 

Sem disfarçar suas intenções, o gato Eurides Gonçalves colocava-se ao lado dele para informar que precisava de uns 70 homens para desmatar uma área numa desconhecida fazenda na região do Juruena, em Mato Grosso. Vilhena, o portão de entrada ao novo estado, tornava-se o pólo concentrador da mão-de-obra contratada irregularmente para a derrubada da floresta.

 


 

Siga Montezuma Cruz noGente de Opinião

 
www.twitter.com/MontezumaCruz
 
 


ANTERIORES


'Índio bom é índio morto'

Chacinas indígenas marcaram para sempre a Amazônia Ocidental
 

'O coração do migrante é verde'

►O futuro no Guaporé, depois Cone Sul


Coronel é flagrado de madrugada, levando peões para o Aripuanã

 

O gaúcho Minski, rumo a Cerejeiras

► Valdemar cachorro, o 'compadre' dos índios

► Policiais paulistas 'invadem' Rondônia 
    na caça aos ladrões de cassiterita


► TJ manda libertar religiosos e posseiros
     após o conflito  da  Fazenda Cabixi


► A sofrida busca do ouro no Tamborete,
    Vai quem quer  e  Sovaco da Velha


► Aquela que um dia foi Prosperidade


► Energia elétrica a carvão passou raspando

 

► Cacau chega à Alemanha, sob conspiração baiana

► Ministro elogia os 'heróis da saúde'

 

► Naqueles tempos, um vale de lágrimas

 

 

Publicado semanalmente neste site,
no
RondôniaSim e no Correio Popular.

 

 

 

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Lá se vai Odacir, mito rondoniense

Lá se vai Odacir, mito rondoniense

“Preciso falar com você!” – era uma de suas frases costumeiras

Caso de interdição

Caso de interdição

Enquanto dirigia seus absurdos para o mercado interno, Bolsonaro ia levando. Ao disparar contra alvos espalhados pelo mundo, exibe sua estatura lilip

E Bolsonaro perde o bonde chinês

E Bolsonaro perde o bonde chinês

Teve que desistir da reunião para não perder a hora de decolar

Brasil: Que péssima colocação!  Somos o 26º em honestidade no mundo

Brasil: Que péssima colocação! Somos o 26º em honestidade no mundo

Em 40 países pesquisados por sua honestidade, o Brasil ficou em 26º lugar. A Suíça foi considerada como o país mais honesto e a China, o mais desonest