Porto Velho (RO) sábado, 28 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Agora, lascou


Agora, lascou - Gente de Opinião

Por causa de um corte de 60 milhões de reais, feito pela administração federal segunda-feira, o Ibama e o ICMBio retirarão das operações de campo 2,2 mil brigadistas e fiscais, 10 aviões, seis helicópteros, 134 caminhonetes e 10 caminhões que combatiam queimadas e desmatamentos na Amazônia.

É o fim antecipado da ação pública federal na região, encerrada ainda no verão, com queimadas e desmatamentos em pleno curso – e feroz. A situação será ainda pior no próximo ano. O corte no orçamento dos dois [órgãos atingirá o dobro do corte de hoje, 120 milhões de reais.

A nota que o Ministério do Meio Ambiente divulgou tem um tom de “quero, posso, faço”. Ignora a condição de devastação da Amazônia e os apelos e cobranças sobre a sua proteção, que o governo abandonou e sabotou criminosamente. Tem uma simbologia parecida com a de Deus e o Diabo na Terra do Sol, o filme de Glauber Rocha de 1964, concluído simultaneamente ao golpe militar de 1964.

Antônio das Mortes mata quem atravessa no combate entre Deus e o Diabo. Quer o choque direto. No caso, entre os destruidores da natureza e uma Amazônia que se finda aos nossos olhos, diante da nossa incredulidade, espanto, indignação e impotência.

Se o estilo é o homem, a nota do ministério é a cara do ministro Ricardo Salles, o condutor de boiadas ilegais, que avançam deixando atrás de si a terra arrasada. A marca do governo Bolsonaro na floresta que sangra.

O Ministério do Meio Ambiente informa que em razão do bloqueio financeiro efetivado pela SOF - Secretaria de Orçamento Federal na data de hoje, da ordem de R$ 20.972.195,00 em verbas do IBAMA e R$ 39.787.964,00 em verbas do ICMBio, serão interrompidas a partir da zero hora de 2.feira (31/agosto) todas as operações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia Legal, bem como todas as operações de combate às queimadas no Pantanal e demais regiões do País.

Segundo informado ao MMA pelo Secretário Esteves Colnago do Ministério da Economia, o bloqueio atual de cerca de R$ 60 milhões de reais para IBAMA e ICMBIO foi decidido pela Secretaria de Governo/SEGOV e pela Casa Civil da Presidência da República e vem a se somar à redução de outros R$ 120 milhões já previstos como corte do orçamento na área de meio ambiente para o exercício de 2021.

As operações que serão afetadas já na 2.feira (31/08) compreendem, no âmbito do combate às queimadas no IBAMA, a desmobilização de 1.346 brigadistas, 86 caminhonetes, 10 caminhões e 4 helicópteros.

Nas atividades do IBAMA relativas ao combate ao desmatamento ilegal serão desmobilizados 77 fiscais, 48 viaturas e 2 helicópteros.

No âmbito do ICMBIO, nas operações de combate ao desmatamento ilegal serão desmobilizados 324 fiscais, além de 459 brigadistas e 10 aeronaves Air Tractor que atuam no combate às queimadas.

Área de anexos

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

O BNDES vai realizar, entre os dias 19 e 23, a Semana BNDES Verde, com debates diários transmitidos pela internet. A abertura será feita, evidentement

Mentiras na ONU

Mentiras na ONU

"Nossa floresta [amazônica] é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no ent

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que ocuparam a última faixa de terras da Fazenda Santa Elina inteiraram domingo (20) o primeiro mês de vida do Acampamento Manoel Ribeiro,

AI-12, tão violento quanto o AI-5

AI-12, tão violento quanto o AI-5

Em 13 de dezembro de 1968, o marechal Costa e Silva, o segundo presidente da república depois do golpe militar de 1964, baixou o Ato Institucional nº