Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Uma semana dando muito o que falar....


Uma semana dando muito o que falar.... - Gente de Opinião

Uma semana com notícias diferentes, mas que mostra que neste país é comum deixar seus heróis de lado, ou repetirem casos tipo “uma pessoa que conhece do assunto me garantiu”. Em Rondônia: terça-feira um conhecido que sempre diz ter a informação recebida de quem “conhece o assunto”, dizia numa roda de conversa que a arrecadação do Estado caiu muito. Eu fiquei meio desconfiado porque ele é do tipo que parece acreditar em papai-noel. Na sexta a Secretaria de Fazenda do Estado noticiou que houve uma arrecadação quase 5 pontos à frente do da melhor previsão (ficou, conforme o secretário, em 11% “plus”). Creio que nenhum gestor público, que trate de finanças faça média dizendo que o faturamento cresceu, quando não foi isso. Então, a julgar pela informação positiva, há o que comemorar.

Outro fato positivo, repercutindo direto no bolso, foi a queda do preço da gasolina, que em 45 dias “despencou” de quase 5 reais para entre 4,37 a 4,50. Interessante que isso não sai na chamada “grande imprensa”, daí aumenta a desconfiança de que realmente quando a notícia seja positiva, no atual governo, não é lembrada. E nem nas redes sociais, tão decantadas como sendo de apoio maciço ao presidente, não há movimentação. Em Vitória (ES) baixu de 4,70 para 4,34.

Agora tem a questão da apreensão de 39 KG de cocaína nas mãos de um sargento da FAB da equipe de apoio da comitiva presidencial. Sem entrar no mérito de como a imprensa, daqui e a de fora sempre crítica a qualquer coisa que envolva Bolsonaro tratou do caso, é interessante verificar que um dos grandões do mundo, o britânico Financial Times, noticiou o seguinte: “A  detenção é um baque para o direitista Bolsonaro, cujo governo está tentando endurecer as leis sobre drogas e tem frequentemente louvado as Forças Armadas".  De seu lado Bolsonaro usou uma frase que pode até chocar, mas que tem viés com o que muita gente pensa a respeito de quem trafica drogas: “Pena que não foi na Indonésia. Eu queria que tivesse sido na Indonésia”. Frase alusiva a que dois brasileiros foram fuzilados naquele país do Sudeste asiático, onde quem trafica enfrenta o pelotão de fuzilamento.

Mas há um fator que também deve merecer de parte da Polícia Federal e do Gabinete de Segurança Institucional uma atenção que, pelo visto, não vem sendo dada ao esfaqueamento do qual Bolsonaro foi vítima: o autor foi preso mas ficou em aberto uma dúvida não esclarecida. Quem pagou a banca de advogados que se apresentou ainda quando mal o esfaqueador chegou à delegacia? Acreditar que o camarada teria sido um “lobo solitário” mas, enquanto ele agia em Juiz de Fora seu nome aparecia como presente nos corredores do Congresso Nacional isso pode ser uma boa pista para identificar quem está por detrás do atentado. Como diziam velhos entrevistadores, ou ainda dizem os novos, “O povo quer saber”: Será muito difícil rastrear quem paga (ou pagou) a banca de advogados? Há alguns anos explodiu o “Caso Watergate”, que levou à renúncia do presidente Nixon, e a principal fonte que guiou os repórteres do Washington Post a chegar aonde foram foi a sugestão de que eles deveriam “seguir o dinheiro”. Que tal seguir também no caso do esfaqueamento?

Ainda sobre a cocaína no avião de apoio: Muita gente espera que a investigação comprove que, ao contrário do que já especulam as redes sociais, a droga não tenha sido plantada para expor o presidente às vésperas de uma muito importante reunião internacional.

Mas há também notícias do futebol. Primeiro com o time feminino do Brasil. Fez o que pode, dentro das condições disponíveis. Com referência à maior referência mundial do futebol feminino, a alagoana Marta, é triste saber que cronistas e outros internautas a criticam, como fazem com Pelé. Marta, em qualquer país que venere seus heróis já seria, pelo menos, nome de praça. Aqui há quem critique até seu batom (será inveja pelo valor em U$$$$ que ela deve ter recebido?). Afinal o que deve estar acontecendo? Afinal não deve ter sido por outra qualidade que a Marta seja embaixadora da ONU e seis vezes a melhora jogadora de futebol do mundo.

A explicação daqueles que a criticam talvez esteja na frase do dramaturgo e jornalista Nelson Rodrigues, irritado com a síndrome – inclusive da imprensa – deque nada daqui era bom, ele criou um marco: “Muitos brasileiros têm a síndrome do vira-lata”.

Já a seleção brasileira masculina, que coisa! Jogando muito! Dá até gosto ver a quantidade de pessoas que mudam de canal e até torcem contra. Desculpas as mais diversas. Nessa Copa América fizeram tudo para o time do Tite chegasse à fase atual: a chave mais fraca (Peru {21º}, Bolívia {62º} e Venezuela {33º} conforme o ranking da Fifa, do qual o Brasil é o 3º). Jogando tudo aquilo como o Brasil consegue ser o terceiro? Uma explicação talvez possa ser encontrada na qualidade dos países que o Brasil esteja enfrentando (Panamá {75º}, República Checa {41º}, Honduras {61º} e Qatar {55º}).

Inté outro dia, se Deus quiser.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Com participação de mais de 50 pessoas, e transmissão ao vivo no facebook do site rondoniadagente.com.br, o Sindicato de Jornalistas de Rondônia, Sinj

Três fatos no comentário

Três fatos no comentário

         APOIO AO PAPA - A Rádio Caiari, creio que toda rede católica de rádio esteja fazendo o mesmo, está com uma campanha de apoio ao papa Francisc

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

A Orquestra "Villa \|lobos" de Porto Velho, com apoio do Sicoob, inicia hoje, às 10 horas, com apresentação  especial a crianças e funcionários do hos

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Faleceu na noite de ontem, dia 2 de outubro, o escritor Cláudio Batista Feitosa, membro da Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira número