Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Lúcio em três temas


Lúcio em três temas - Gente de Opinião

GOSTO DE “QUERO MAIS”

Quem foi, disse ter gostado. Quem não foi, lamenta e diz que não perderá a próxima. O assunto é o projeto Roda de Conversa, do Sindicato dos Jornalistas, Sinjor, cuja primeira edição foi dia 17 passado, com apoio da Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa e com o tema “A Imprensa e a Eleição de 2018 – Ganhamos ou Perdemos?”,   para lá de explosivo, porque levou à reflexão a própria postura dessa categoria profissional. Numa discussão técnica, sem que houvesse qualquer exacerbação, o projeto do Sinjor começou a andar, e várias pessoas, não só jornalistas, têm perguntado à presidente Sara Duquestrada e a mim mesmo, quando terá seguimento a “Roda”.

Para a segunda rodada, que deve acontecer em janeiro do ano que vem, já há uma proposta que me parece interessante, tratando não só sobre o futuro da profissão, mas, ainda, sobre as novas tecnologias aplicáveis à prática do jornalismo, interessante ainda mais para quem como a minha geração, passou por mudanças radicais de uso de equipamentos da área jornalística e que, em menos de 20 anos saiu da máquina de escrever, descobriu o telex, o fax e desaguou, ainda que contra a vontade, na internet.

A pergunta que não quer calar deve balizar a próxima "Roda": "E agora?

 

UMA LIÇÃO NUM ESPORTE QUE NÃO GOSTO

Com a casa cheia de amigos e família, para “fazer sala”, assisti quase todo o jogo Flamengo x Grêmio. Não nego a ninguém que não gosto de ver futebol por motivos diversos desde a falta de gols (chato ver um 0x0 90, 120 minutos). Decisão nos pênaltis tira a tesão. A falta de  modernização também. O que em handebol é falta, o “jogo passivo’, no futebol é o que mais se vê: fez 1x0 é só passe lateral esperando o tempo passar. Daí por diante.  Mas se não gosto de ver o jogo em si, procuro saber das leis do jogo, até porque às vezes posso ter de entrar numa conversa sobre o esporte e aí tenho de saber o que digo.

Antigamente, nem faz tanto tempo, era mal visto quem não fumava. Nas redações, nem pensar em não ser fumante. Vai daí que como a imensa maioria dos brasileiros tenho um time de fé: O Fluminense. Mas em termos de time de futebol sou igual àqueles caras que dizem ao recenseador do IBGE que são “católicos” e não praticam nada. Mas porque gosto dos detalhes estava vendo o jogo e pensando na importância de um treinador com experiência em competições de alto nível, do que nem se aproxima a nossa Libertadores cujos campeões, já há alguns anos, muitas vezes nem conseguem passar de terceiros colocados naquele Mundial Interclubes.

Daí que observo o treinador do Flamengo. A dinâmica que ele vem dando ao time é um fato a ser bem analisado. Pode ser até que ele perca a final contra “los Hermanos”, mas o que ele vem mostrando é um bom exemplo para nossos técnicos que, pelos resultados – vide seleção  brasileira – mais parecem “entregadores de camisas” do que treinadores.

Aliás, é bom lembrar que o técnico do Flamengo tem um bom cartão de visitas: De 2009 a 2015, como técnico  do Benfica, ganhou dez títulos (recorde do clube) e alcançando duas finais da Liga Europa.

 

O EXEMPLO DOS OUTRO ESPORTES

Se a CBF realmente pensar em modernização e retorno do time verde-amarelo a ter respeito no mundo, tem muito a mudar.  O handebol foi campeão mundial feminino, com um treinador estrangeiro; o basquete deu uma melhorada idem; a ginástica, a esgrima, e por aí afora, inclusive a seleção brasileira de futebol feminino, desde que a atual sueca, assumiu já vem mostrando outra boa face ao mundo. Quer dizer: o exemplo não está muito longe da sede da CBF: está numa sala da confederação, certamente sem a majestade da sala do treinador do masculino,

Talvez essa ideia esbarre no que se chama de “futebol da beira do túnel para os gabinetes”. Mas, pelo que se tem visto ultimamente, em termos de valorização do futebol brasileiro. Ainda na última data Fifa em quanto “los Hermanos” pegavam a Alemanha, o Brasil enfrentava a “fortíssima” seleção do Senegal.

 

HISTÓRIAS DO LÚCIO

 

E porque não tem?

 

Garota de 10 anos pergunta o que é “feminicídio”. A mãe responde, explica, demonstra com casos que conhece, etc e tal. “Caso encerrado”, pensou ela, mas a garota tinha mais um “por que”.

“Mãe, feminicídio então é quando o homem mata a mulher?”. A mãe, querendo se ocupar com outra coisa, apenas disse “É”.

E a garota, ainda querendo saber mais sobre o assunto, mandou ver: “Mãe, e quando a mulher mata o homem é o quê?”

A mãe responde o óbvio. “É homicídio”. A menina tinha mais uma pergunta.

“Mãe, então se “homicídio” é quando a mulher mata o homem, por que quando o homem mata a mulher não é mulhercídio”?

Em tempo: a conversa foi entre uma menina que conheço e a esposa de um amigo meu.

 

Inté outro dia se Deus quiser!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

BOM DIA 27 de fevereiro!:

BOM DIA 27 de fevereiro!:

Em 1867 – Os governos de Brasil e Bolívia definem suas fronteiras através do Tratado de Ayacucho. COMEMORA-SE: Dia Nacional do Livro Didático e Dia do

BOM DIA 26 de fevereiro!

BOM DIA 26 de fevereiro!

COMEMORA-SE: Dia do comediante.   Católicos iniciam a Quaresma e a Campanha da Fraternidade. Lembra Dia de Santo Alexandre. FATOS: 1616 — Galileu Gali

BOM DIA 25 de fevereiro!

BOM DIA 25 de fevereiro!

COMEMORA-SE: Criação, em 1967, do Ministério das Comunicações, via decreto-lei nº 200 sancionado pelo então presidente Castello Branco. Em maço de 198

Um fevereiro para não esquecer

Um fevereiro para não esquecer

Contando desta segunda-feira até dia 29, quando se encerra o fevereiro bissexto, este fevereiro de 2020, sem dúvida, tem tudo para não ser facilmente