Porto Velho (RO) sábado, 20 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

Escritor acha que eleição de Bolsonaro mostrou inconformismo social


 Escritor acha que eleição de Bolsonaro mostrou inconformismo social - Gente de Opinião

O professor e escritor William Haverly Martins, membro da Academia Rondoniense de Letras, é de opinião que o recado das urnas pode trazer mudanças para o país, inclusive demonstrando a necessidade que educadores mudem o discurso, além de que  "está vivendo um daqueles momentos cíclicos na política brasileira que aponta para uma nova era, uma era de mudanças, em decorrência do acesso maciço às informações disponíveis nas mídias sociais".

Mas, ele admite que "Ainda é apenas a ponta do iceberg do inconformismo social e o princípio do fim de uma doutrinação esquerdista de nossos jovens. O jovem acordou, ou práticas políticas podem estar com seus dias contados.

 "O país vem acordando aos poucos: de certa forma está descartando a velha utopia do comunismo/socialismo e compreendendo que não dá mais pra esperar por “igualdade” sem tomar uma atitude, sem fazer uma escolha".

 

William disse acreditar que "todas essas transformações deve-se ao aumento do nível de informação, via internet, de nossos jovens. Se os professores/doutrinadores descarregam sobre os jovens sua verborreia ultrapassada e impraticável, eles sabem onde encontrar o contraponto, ao alcance da mão. Só os idiotas se deixam doutrinar sem efetuar uma pesquisa sobre o assunto. E, felizmente, os idiotas são expressiva minoria'.

 

Para o acadêmico, "Os velhos discursos políticos, forjados na demagogia, nas promessas de palanque, no populismo, aos poucos vão perdendo força, seja pelo aumento do nível de escolaridade e de informações de nossos jovens, seja pela melhoria do senso crítico de nosso povo. Inegável que a velha mídia (televisiva e escrita) está perdendo força, ainda que as redes de TV sejam bem visitadas pelo público, já não possuem a capacidade de direcionar a boiada. A eleição de Bolsonaro demonstrou isso".

 

Ao final William vaticina que "O eleitor está mudando, a política vai ter que mudar, a corrupção vai diminuir, e os interessados em ingressar na política também vão mudar. Acho que está se aproximando o fim do político de carreira. Ainda é uma luz fraca no fim do túnel, mas o tempo se encarregará de aumentar o clarão".

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

1968: 25 de março começou o “ano que nunca acabou”

1968: 25 de março começou o “ano que nunca acabou”

O ano novo de 1968, data comum à maioria da Humanidade, começou, como todos os outros denominados historicamente de D.C, a 1º de janeiro. O “ano do ho

O QUE SE FALA EM SEGREDO DEVE SER COMENTADO?

O QUE SE FALA EM SEGREDO DEVE SER COMENTADO?

(Ou como distorcer, para criticar, uma resposta)

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

RELEITURA DA HISTÓRIA PODE DAR RAZÃO A BOLSONARO

Que o presidente Jair Bolsonaro precisa levar uma espécie de “puxão de orelha” em relação a falas fora de tempo, ou permitir que seus filhos interfira

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

LAMENTO. MAS, MESMO NÃO SENDO ELEITOR DO LULA, EU CONDENO!

Não tenho, nunca tive e nem pretendo ter filiação partidária. Quem me conhece sabe que eu nunca me posicionei a favor de Lula (até quando encaro um pr