Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Lucio Albuquerque

CARDOSO: PERDI UM AMIGO, RONDÔNIA PERDEU UMA REFERÊNCIA NO ESPORTE


CARDOSO: PERDI UM AMIGO, RONDÔNIA PERDEU UMA REFERÊNCIA NO ESPORTE - Gente de Opinião
PERDI UM AMIGO, RONDÔNIA PERDEU UMA REFERÊNCIA NO ESPORTE
Lúcio Albuquerque, repórter
O cabo Cardoso passou para o "outro lado do balcão". A família perdeu seu líder maior. Eu perdi um amigo desde o dia que aqui cheguei, há 43 anos. O esporte rondoniense, notadamente o Voleibol, perdeu uma grande referência.
Dois dias depois de chegar o Walter Santos,  que já me conhecia desde 1973, convidou-me para ir ao ginásio do Flamengo, onde aconteciam os Jogos Militares ( 5º BEC, CFAR, Guarda Territorial, o batalhão de Rio Branco e o de Guajará). Lá ele me apresentou o Cardoso, ou, como o próprio disse: "Cabo Cardoso".
Apaixonado  por voleibol, ele ainda dava umas pernadas no futebol de salão, disputado na quadra do CFAR (17ª Brigada). O time da atual 17ª foi campeão. No voleibol o melhor jogador era o Resende, depois empresário do ramo de lavanderia.
Eu já era árbitro de voleibol, com alguma experiência em competições maiores, logo me enturmei com quem mexia com o esporte, o próprio Walter Santos - que não jogava mas era um organizador, a Dilza, o major Luiz Pinto, a Professora Socorro, o João Tavares, o Chiquilito, os professores Ricardo Canto, Mâncio Danilo Pires e outros. Havia um campeonato, mas a coordenação era da Federação de Desportos de Rondônia.
Depois de dois anos nos organizamos para criar a Federação de Voleibol de Rondônia, e coincidiu do Gilmário Pinheiro, o Gil, descer do avião, rumo ao Acre, e acho que deram mais de um litro d'água do Madeira para ele beber, porque acabou ficando aqui e se tornando o grande nome, como treinador, do voleibol rondoniense.
O seu Dudu, presidente do Flamengo da Arigolândia, cedeu o ginásio para a Federação e começamos a realizar lá um torneio, jogando só adolescentes na faixa de 12 a 14 anos. A quadra era dividida em três, de lateral a lateral, e ali surgiriam os grandes nomes que iriam em seguida trazer conquistas nacionais para o nosso voleibol.
Eram sábados e domingos de festa: a garotada lotando, vários times participando, pais, mães, avós, etc, não havia vencedores. Havia festa. O Gil fazia a peneira e em seguida a Federação realizava competições.
Gonzaga, Luizinho, Wânia, Wanderlan, Sérgio, Edna Melo (1), Alexandre Badra, Feitosa, Zeca, Amarildo, desculpem, fazem mais de 40 anos daquela caminhada e a memória já não responde como quero, então peço desculpas. Todos oriundos das várias edições do torneio Gigantão.
Na quadra do colégio Barão do Solimões o Cardoso ficava "fabricando" atletas. Era mestre em formar a base e muitas garotas e garotos saíram dali para as nossas seleções.
Em 1978 o Cardoso estava lá em Maringá com a seleção no Campeonato Brasileiro. Em 1979 o time feminino infanto-juvenil foi vice-campeão, e o Cardoso estava na comissão técnica com o Gil - que dirigia também a masculina que foi campeã.
Nos anos seguintes, e sempre com o Cardoso na linha de frente, o nosso voleibol continuava a crescer. O grande jogo escolar no feminino era o Auxiliadora com o Barão. Na competição de clubes era o Ypiranga, do Cardoso, contra o Ferroviário.
O voleibol tinha a maior plateia dos esportes de quadra locais. Numa época em que os recursos eram inexistentes, o v olei era de ponta, e ganhava nome nacional. 
Em determinado momento nós, da turma que iniciamos a jornada (o  Orlando Júnior era do time), nos afastamos da Federação. Mas alguns continuaram ligados no esporte, o Cardozo, a Dilza, a professora Socorro.  
O primeiro a pegar "expresso da meia-noite" foi o major Luiz Pinto, depois o Chiquilito, primeiro presidente da Federação, a seguir a professora Socorro, o João Tavares e, agora, o Cardoso - não lembro que outro também já tenha "embarcado".
Mas tenho a certeza de que segunda-feira o Valhalla (*) estava com a porta de entrada em rebuliço desde que o jornalista Sérgio Melo, em edição extra no pool de rádio e TV de lá, com aquela voz única entrou em edição extra  informando à colônia rondoniense que o cabo Cardoso estava chegando.
Na recepção do Valhalla logo a turma foi lá, os jornalistas esportivos Carlinhos Neves e Walmir Miranda, de carona porque estavam fazendo nada na redação também foram os jornalistas Paulo Correia, Ivan Marrocos, Sérgio Valente, Pedo Sá e até o Paulo Queiroz que havia finalizado sua coluna "Política em Três Tempos" e o Vinícius Danin - que a turma chamava de "deletério".
Todos queriam uma "exclusiva" com o novo habitante do Valhalla, mas o João Tavares e  a professora Socorro já estavam com o convite para que o Cardoso assumisse a escolinha de vôlei do Valhalla.
Na chegada, abraços, perguntas e uma recepção com direito a um lanche reforçado, porque o Cardoso chegou com muita fome, tudo ao som dos violões do Ênio Melo (irmão da Edna) e  do Antonio do Violão.
(1) A Edna era irmã do Ênio Melo.
(*) A minha maneira de homenagear uma pessoas éla qual tenho respeito e amizade, e que tenha pegado o "expresso da meia-noite" é assim. À família do cabo Cardoso, sinceramente, minha solidariedade e que o senhor de todos nós tenha um bom lugar para ele. O Valhalla era o céu dos grandes guerreiros wikings.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Lucio Albuquerque

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Sinjor abre Roda de Conversa com reflexão sobre 2018

Com participação de mais de 50 pessoas, e transmissão ao vivo no facebook do site rondoniadagente.com.br, o Sindicato de Jornalistas de Rondônia, Sinj

Três fatos no comentário

Três fatos no comentário

         APOIO AO PAPA - A Rádio Caiari, creio que toda rede católica de rádio esteja fazendo o mesmo, está com uma campanha de apoio ao papa Francisc

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

Orquestra inicia temporada com apresentação no "Cosme e Damião"

A Orquestra "Villa \|lobos" de Porto Velho, com apoio do Sicoob, inicia hoje, às 10 horas, com apresentação  especial a crianças e funcionários do hos

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Aos 83 anos, faleceu o acadêmico Cláudio Feitosa

Faleceu na noite de ontem, dia 2 de outubro, o escritor Cláudio Batista Feitosa, membro da Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira número