Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Josenildo Jacinto do Nascimento

Onde houver seres humanos,haverá poluição?


Sem conhecer ou até mesmo sem acreditar que a natureza é um sistema organizado, o homem, agindo localmente, motiva degradações ambientais com reflexos imensuráveis alcançando áreas internacionais e até mesmo planetária. Na carona com o próprio funcionamento da natureza ou flutuando pela estratosfera, a poluição desconhece as divisas físicas e geográficas entre as nações, impossibilitando o governo de qualquer país isolar seu pedaço de céu. O estudioso, Hawkins, já afirmava há décadas que “Se a consciência ambientalista se espaira rapidamente por todo o planeta, é porque a devastação ambiental, por sua vez, não mede fronteiras físicas, políticas ou econômicas. Há poluição nos países industrializados, nos países de economia agrária, nos países desenvolvidos e nos países subdesenvolvidos, de vez que, poluição, ao contrário do que às vezes se acredita, não surge simplesmente como decorrência do crescimento industrial e agrícola. Onde houver seres humanos, haverá poluição”. Diante de tal assertiva se faz necessário ressaltar que a essa altura, há significativa diferença entre as modificações naturais decorrentes da relação do homem com o meio e as degradações ambientais resultantes de modelos industriais e agrícolas altamente predatórios. A primeira é inevitável, entretanto facilmente assimilada pelo meio ambiente, que dispõe de tempo suficiente para adaptar-se às lentas modificações. A segunda, apesar de complexa tendo em vista a busca por divisas, configurada pelo excessivo consumo de energia e matéria-prima, pela produção cada vez maior de resíduos (sólidos, líquidos e gasosos) altamente nocivos ao meio ambiente e à saúde humana, pelas técnicas e manejos que empobrecem e esterilizam rapidamente o solo, deve ser abandonada. Isto se ainda pensarmos nas futuras gerações. A afirmação de que onde houver seres humanos, haverá poluição, é, portanto, relativa, e jamais deve ser entendida como justificativa ou argumento para poluir e degradar o meio ambiente. Major PM Josenildo Jacinto do Nascimento Comandante do Batalhão de Polícia Ambiental Major PM Josenildo Jacinto do Nascimento Comandante do Batalhão de Polícia Ambiental

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Josenildo Jacinto do Nascimento

As injustiças socias...

Diante dos fatos que hoje nos acercam em relação aos problemas ambientais, em uma análise sucinta verificamos que as injustiças sociais e econômicas,

A relação com o meio ambiente...

A relação entre o desenvolvimento, calcado em modelos que desconsideram as condições ambientais, e as limitações dos recursos do planeta, motivam estu

Sete anos da Lei de crimes ambientais...

No dia 12 de fevereiro, fez sete anos que foi criada a lei dos crimes ambientais, também chamada de “lei da vida” ou “lei da natureza”. Neste período