Porto Velho (RO) domingo, 27 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte XIV


General Rosas ‒ Cmt 2ª Bda Inf Sl ‒ SGC, AM - Gente de Opinião
General Rosas ‒ Cmt 2ª Bda Inf Sl ‒ SGC, AM

Bagé, 04.08.2020

 

Salutar Camaradagem

 

Exército Brasileiro – Braço Forte, Mão Amiga

 

No domingo (20.12.2009), participamos do almoço de despedida do General-de-Divisão Marco Aurélio, realizado na Companhia de Embarcações do Comando Militar da Amazônia (CECMA). Feitos os discursos de costume, pudemos perceber o carinho e o respeito dos oficiais e praças para com o notável e empreendedor Comandante.

 

Na segunda-feira, assistimos a uma palestra do General Marco Aurélio, em que ele mostrou às inúmeras autoridades políticas e militares os diversos projetos do COGEAC (Comitê Gestor de Ações Conjuntas), desenvolvidos em parceria com órgãos dos governos Federal, do Estado do Amazonas e do Município de Manaus. Depois da apresentação e dos discursos de praxe, o General apresentou-me e pediu que eu expusesse, aos presentes, os objetivos do Projeto Desafiando o Rio-Mar. O General é um grande incentivador do mesmo e, quem sabe, se na sua nova função como Diretor de Formação e Aperfeiçoamento (DFA), ele possa encontrar um meio de o Exército apoiar mais efetivamente nossa missão.

 

Partida para São Gabriel da Cachoeira, AM

 

Após a palestra, fomos até o 2° Gpt E pegar a bagagem e, em seguida, dirigimo-nos ao aeroporto.

 

No “chek-in” fui surpreendido com a notícia de que o remo talvez não coubesse no compartimento de carga da aeronave. Embarcamos sem ter maiores notícias sobre o mesmo. A chuva deu uma trégua depois que nos afastamos de Manaus, permitindo, em algumas oportunidades, admirar as belas praias do Rio Negro, que começa pouco a pouco a ganhar volume. Os majestosos afluentes da margem direita do Negro serpenteavam preguiçosamente pelo infindo manto verde. Os Lagos em forma de ferradura e os inúmeros furos davam um encanto especial ao sutil traçado que mais parecia obra de celestial rendeira.

 

Depois de duas horas de viagem, as nuvens se dissiparam e avistei o Rio Negro, a uns 70 km a Este de São Gabriel da Cachoeira. Pude observar as pequenas Comunidades indígenas às margens do Rio, as suaves corredeiras que encrespavam as negras águas, a enorme ilha de Aracabu que dominava um pequeno, mas belo, complexo insular, o Rio Marié cuja Foz acariciava a margem Meridional da grande ilha e as imaculadas praias ornamentadas de majestosas rochas. Uma sensação mágica tomava conta de mim, uma estranha sensação, como se eu já tivesse singrado aquelas revoltas águas acompanhando um Alexandre Rodrigues Ferreira, Boanerges Lopes de Sousa ou Cândido Mariano da Silva Rondon. Com eles eu já arrastara canoas pelas traiçoeiras corredeiras, aprendera com os antigos Pajés e Tuxauas e demarcara fronteiras assinalando a presença brasileira nessas terras sem Brasil.

 

São Gabriel da Cachoeira, AM

 

Quando descemos do avião, o Coronel Teixeira avistou o remo entre as bagagens, tranquilizando-me.

 

O General Rosas, Comandante da 2ª Brigada de Infantaria de Selva (2° Bda Inf Sl), havia determinado uma equipe de apoio que nos levou até o Círculo Militar do Alto Solimões. O hotel, do alto de um barranco, à margem esquerda do Rio, permite que se avistem extraordinárias imagens do Rio Negro emolduradas ao fundo pela Serra da Bela Adormecida.

 

2ª Brigada de Infantaria de Selva

 

Na manhã do dia 22.12.2009, apresentamo-nos ao General-de-Brigada Ivan Carlos Weber Rosas, atual Comandante da 2ª Brigada de Infantaria de Selva, e já nomeado para a Chefia do Estado Maior do Comando Militar da Amazônia. O General nos levou até o local, de formatura da Brigada de onde se tem uma bela vista do Rio Negro. Neste local estavam em posição de destaque, apontados para o Rio, três dos dez canhões que guarneciam o Forte São Gabriel.

 

Depois de um longo e agradável bate-papo, fomos até a 21ª Companhia de Engenharia de Construção, comandada pelo Major Vidal, onde conversamos longamente com os irmãos de arma e fizemos questão de verificar o estado de nosso caiaque “Cabo Horn”, que estava no almoxarifado da Companhia. Meu fiel parceiro de jornada do Solimões aparentemente estava em condições de enfrentar as águas pretas do Rio Negro. Chequei o material de reparo, resina, fibra e malha, doadas pelo Cel Ebling. Solicitei ao Major Vidal que, tão logo fosse possível, encaminhasse o “Cabo Horn” ao Hotel de Trânsito para que eu pudesse fazer os devidos ajustes e consertos necessários.

 

Polícia Militar do Amazonas

 

Guiados pelo motorista do Comandante da Companhia, realizamos um “tour” pela Cidade. Na delegacia, paramos para fazer contato com o Comandante do Destacamento da Polícia Militar, Capitão PM Lamonge.

 

O Capitão encontrava-se em Manaus e o Destacamento estava sob o comando do Soldado PM Heleno. O Heleno encarregou-se de estabelecer os contatos necessários para conseguir uma “voadeira” para o deslocamento do Coronel Teixeira que embarcou na viatura policial com o Heleno enquanto eu continuava, com o motorista da Companhia de Engenharia, no meu reconhecimento. Fomos, então, até a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN).

 

Comando Militar da Amazônia

 

Nossos sinceros agradecimentos ao Exm° Sr. Comandante do Comando Militar da Amazônia General de Exército Luís Carlos Gomes Mattos pelo apoio irrestrito ao Projeto Aventura Desafiando o Rio-mar.

 

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

·    Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·    Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·    Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·    Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·    Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·    Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·    Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·    Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·    Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·    Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·    Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·    Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·    Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·    E-mail: hiramrsilva@gmail.com.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte LII - Viagem da “Real Escolta” – VIII

A Terceira Margem – Parte LII - Viagem da “Real Escolta” – VIII

Bagé, 25.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XI Viagem da “Real Escolta” – VIII No dia 15.12.1749, ao romper da manhã saindo da Ilha menci

A Terceira Margem – Parte LI - Viagem da “Real Escolta” – VII

A Terceira Margem – Parte LI - Viagem da “Real Escolta” – VII

Bagé, 24.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte X Viagem da “Real Escolta” – VII No dia 08.12.1749, por ser dedicado ao sagrado mistério da C

A Terceira Margem – Parte L - Viagem da “Real Escolta” – VI

A Terceira Margem – Parte L - Viagem da “Real Escolta” – VI

Bagé, 23.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte IX Viagem da “Real Escolta” – VI Dia 18.10.1749. Neste dia, se principiou viagem costeando a

A Terceira Margem – Parte XLIX - Viagem da “Real Escolta” – V

A Terceira Margem – Parte XLIX - Viagem da “Real Escolta” – V

Bagé, 22.09.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XVIII Viagem da “Real Escolta” – V A 10.10.1749, de madrugada, atravessando a parte direita,