Porto Velho (RO) domingo, 27 de maio de 2018
×
Gente de Opinião

Frei Betto

PADRE FÁBIO DE MELO E A MACUMBA - Por Frei Betto


PADRE FÁBIO DE MELO E A MACUMBA - Por  Frei Betto - Gente de Opinião

 Quando um sacerdote se torna excessivamente midiático, como ocorre com os padres cantores, sua espontaneidade fica ameaçada.  Torna-se um personagem de si mesmo. A fama o sufoca. Entre os sacerdotes que priorizam essa forma de evangelização nutro especial apreço pelos padres Zezinho e Fábio de Melo. Este é um homem aberto, culto, e se esforça para não enxergar no espelho a sua imagem contida nos olhos de seus fãs.
   
Fábio de Melo reconhece que cometeu uma falha de intolerância religiosa ao ridicularizar a macumba. Com humildade, pediu perdão. De fato, ele expressou a visão preconceituosa da maioria dos católicos frente às tradições religiosas de matriz africana, consideradas por eles meras superstições.

A macumba promove oferendas de alimentos e bebidas, conhecidas como despachos, aos espíritos ou entidades. A pergunta que cabe fazer a nós, católicos, é qual a diferença dos despachos de macumba com as salas de ex-votos nas igrejas? Não seria também mera superstição ofertar a Nossa Senhora ou ao santo protetor réplicas em cera de órgãos e membros cujas curas são atribuídas a milagres ou intervenção divina?

Lembro que na minha paróquia, quando eu era criança, havia cofres para recolher ofertas em dinheiro. Um deles continha a placa “Para as almas”. Ainda hoje me pergunto como as almas embolsavam as ofertas...

Deus não tem religião. Tanto a galinha da macumba quanto o pão da eucaristia são objetos de fé de quem acredita no caráter sagrado da oferenda. O vinho da missa e a cachaça do despacho dependem da crença dos fiéis.

Não é fácil ser tolerante quando se está imbuído de que a religião abraçada é a única admitida por Deus. Ora, a árvore se conhece por seus frutos, frisou Jesus. A boa religião é aquela que suscita tolerância, compaixão, partilha, serviço aos necessitados.

Ainda que eu tenha “uma fé capaz de remover montanhas”, como assinalou o apóstolo Paulo, “e não tivesse amor”, isso não teria o menor valor.


Frei Betto é escritor, autor de “Um Deus muito humano” (Fontanar), entre outros livros.


 Copyright 2018 – FREI BETTO – Favor não divulgar este artigo sem autorização do autor. Se desejar divulgá-los ou publicá-los em qualquer  meio de comunicação, eletrônico ou impresso, entre em contato para fazer uma assinatura anual. – MHGPAL – Agência Literária (mhgpal@gmail.com)

 http://www.freibetto.org/>    twitter:@freibetto.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Veja Mais

Mais Sobre Frei Betto

ERA DE INCERTEZAS - Por Frei Betto

ERA DE INCERTEZAS - Por Frei Betto

Vivemos na era de incertezas. Há mais perguntas que respostas. Mais dúvidas do que certezas. Navegamos à deriva na terceira margem do rio. Abandonamos

ARQUIVOS DA DITADURA E MEMÓRIA SUBVERSIVA  - Por   Frei Betto

ARQUIVOS DA DITADURA E MEMÓRIA SUBVERSIVA - Por Frei Betto

As Forças Armadas brasileiras preferem tergiversar a respeito dos arquivos da ditadura. Insistem na versão de que foram queimados. Não haveria nada

 INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO - Por Frei Betto

INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO - Por Frei Betto

É avassalador o fluxo de informação que recebemos atualmente. Não conseguimos retê-lo. Nossa memória é inteligentemente seletiva

PATOLOGIA DO ÓDIO  - Por  Frei Betto

PATOLOGIA DO ÓDIO - Por Frei Betto

Nossa racionalidade está esgarçada. A queda do Muro de Berlim fez desabar também as grandes narrativas.