Porto Velho (RO) quarta-feira, 14 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Francisco Matias

A cadeira e o fogo amigo. Muy amigo!


A Cadeira de governador do estado de Rondônia pode simbolizar o poder do mais alto cargo eletivo, mas também pode atuar como uma verdadeira máquina de moer liderança e destruir biografias. Tem sido assim ao longo desses 61 anos em que governantes dos mais variados matizes e tendências nela têm sentado por força de decretos presidenciais ou do voto popular. De Aluízio Ferreira a Jorge Teixeira, de Jerônimo Santana a Bianco, todos tiveram, a seu modo, suas lideranças corroídas e poucos conseguiram superar esse triste destino. O celebrado coronel Jorge Teixeira, o pai do Estado, comeu o pão que o fogo amigo amassou, o mesmo ocorrendo com o seu sucessor, Ângelo Angelim, que desapareceu do cenário político na fumaça do esquecimento. Os dois eram nomeados e os tempos estavam mudando. Ah! Bom. Mas, e quanto aos eleitos pelo voto popular? Começando pelo grande líder peemedebista Jerônimo Santana, deputado federal por três legislaturas que, no exercício do cargo de governador passou por poucas e boas, por conta das demissões e perseguições ao funcionalismo e por entrar em rota de colisão com a Assembléia Legislativa. Em pouco menos de três anos sua biografia e sua bengala despencaram de tão alto que até hoje ele não conseguiu se recompor e amarga um triste ostracismo político, inconcebível nos seus tempos de ardoroso combatente ao regime militar. A seguir veio o governador Oswaldo Piana, que trazia na bagagem toda a experiência de dois mandatos de deputado estadual e outros atributos políticos, além do discurso do filho da terra vencedor e exemplo para os seus conterrâneos de nascimento. As crises políticas em seu governo o atingiram frontalmente, destruindo seus projetos de 20 anos no poder. Foi tão forte o desgaste que Piana não compareceu à solenidade de transferência do cargo. Hoje, o ex-governador Piana também vive um ostracismo político muito difícil de reverter. Seu sucessor, Valdir Raupp, o primeiro “homem da mata” a governar o Estado, sofreu todo tipo de problemas que um governador não pode sofrer. Teve de tudo em seu governo até o deslustramento de sua figura pessoal. A Cadeira funcionou a todo vapor e ele terminou o mandato no fosso profundo da política, que, felizmente, soube, a muito custo superar. O ex-governador Bianco não teve destino diferente do seu antecessor e adversário político. Bianco demitiu servidores e percorreu os caminhos de Jerônimo Santana, nesse sentido. Ao entregar o cargo, Bianco, a exemplo de Piana, não passou a faixa, símbolo do poder, ao sucessor. Não se sabe se por medo de ser vaiado ou por ter se indisposto com o novo governador. A Cadeira agora é ocupada por outro “homem da mata”, Ivo Cassol que vive no governo um longo período de crises políticas provocado por estar sempre em rota de colisão com o Poder Legislativo. Ao iniciar a segunda metade de sua gestão, o governador Ivo Cassol enfrenta um rio Anta de problemas e coleciona uma alta floresta de inimigos políticos, que, nem Santa Luzia, a padroeira dos cegos parece dar jeito. Em todos os casos citados há uma infeliz coincidência: o fogo amigo. São ex-aliados que se voltam contra e abrem uma frente de adversidades tão enorme quanto complexa para o vão entendimento dos mortais eleitores. No caso do governador Ivo Cassol, os motivos mais recentes são o Orçamento e o pedido de autorização para processá-lo que o STF enviou para a Assembléia Legislativa. Dois assuntos diferentes e convergentes, que vão complicar, e muito, a atual conjuntura política. O que se pode deduzir é que há um jogo de interesse e de poder por trás de tudo isso. O jogo político não pára e o governador se vê enredado em suas nuances, parecendo não perceber que a ele cabe o primeiro movimento das pedras desse complicado tabuleiro. A ele compete a liturgia do cargo, não deixar a Cadeira e o fogo amigo jogarem sua liderança no rio Machado. A ele cabe reiniciar todo o processo de negociação para contornar esse caminho íngreme, pois o seu “jamanchim” poderá ficar pesado demais. *Escritor e Historiador Regional Autor dos Livros Pioneiros, Ocupação Humana, Trajetória Política de Rondônia e Síntese da Formação História de Rondônia e BREVEMENTE nas bancas "O TRATO DE PETRÓPOLIS/ Conheça o Livro. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Francisco Matias

 O JANTAR DO CONDOR. O ALMOÇO DA ABRIL.  O HOSPITAL DO AMOR - Por Francisco Matias

O JANTAR DO CONDOR. O ALMOÇO DA ABRIL. O HOSPITAL DO AMOR - Por Francisco Matias

 Governador Confúcio Aires Moura, do estado de Rondônia   1.Novembro passou e dezembro entrou. O ano caminha para o seu final. Mas existe o risco de n

PORTO VELHO 103 ANOS - Por Francisco Matias

PORTO VELHO 103 ANOS - Por Francisco Matias

1.Hoje, dia 2 de outubro de 2017 completam-se 103 anos da criação do município de Porto Velho. Na manhã daquele 2 de outubro de 1914, no Palácio Rio N

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA - PARTE II

  1. Continuando com a série o Alto Madeira e a história, relatando a saga deste centenário em fase de adormecimento, este escriba lança novas matéria

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA- PARTE I

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA- PARTE I

    1. A propósito do anúncio publicado nas redes sociais dando conta de que o jornal ALTO MADEIRA vai encerrar suas atividades no final deste mês de