Porto Velho (RO) quinta-feira, 5 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Francisco Matias

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA - PARTE II


 O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA - PARTE II - Gente de Opinião

1. Continuando com a série o Alto Madeira e a história, relatando a saga deste centenário em fase de adormecimento, este escriba lança novas matérias seculares, ou, quase.

2. EDIÇÃO DE 12.06.1932 – O jornal ALTO MADEIRA publica matéria sobre o Hospital São José: “O diretor do Hospital São José, Dr. José Collier, homenageia os médicos Dr. Juan Menlin e Dr. Clodomiro Marques com um rico cartão de ouro com a dedicatória ‘o povo de Porto Velho agradecido à dedicação e proficiência médica”, em 11 de junho de 1932. Na mesma edição publica que o engenheiro Francisco Alves Erse e o construtor Pedro Renda concluem o forro da catedral de Porto Velho.

3. EDIÇÃO DE 17.07.1932 – O JORNAL ALTO MADEIRA publica matéria sobre a Revolução Constitucionalista de São Paulo; “15 de junho o governo Vargas decretou o fechamento dos portos de São Paulo à navegação estrangeira.”. Na EDIÇÃO DE 04.09.1932 publica telegrama enviado pelo tenente Aluízio Ferreira, que está no Rio de Janeiro exercendo a função de censor do Correios e Telégraphos, a serviço do governo Vargas durante a Revolução Constitucionalista de São Paulo. O telegrama tem o seguinte teor: “Para o Sr. Moacir Miranda, chefe do 3º. Districto Telegraphico do Matto Grosso. Nossas forças, após as medidas necessárias, desfecharam violenta ofensiva que prossegue vitoriosa em todas as frentes com a ocupação de várias cidades paulistas. Marchamos a passos largos para o fim da luta com o triunfo completo dos ideais pelos quais tanto temos empregado o melhor dos nossos esforços. Abraços”. (a) Aluízio Ferreira. 31.08.1932.

4. EDIÇÃO DE 18.09.1932 – O capitão Aluízio Ferreira manda o engenheiro Francisco Alves Erse, diretor interino da Madeira-Mamoré, publicar no jornal Alto Madeira o seguinte aviso: De ordem do capitão Aluízio Ferreira, faço público que é inteiramente livre aos senhores negociantes o comércio com os trabalhadores e colonos dos núcleos agrícolas de Abunã e Guajará Mirim. A preferência será espontânea dada pelos compradores a quem lhes melhor servir. Porto Velho, 17.09.1932. Francisco Alves Erse, diretor interino.

5. EDIÇÃO DE 21.09.1932 - O JORNAL ALTO MADEIRA publica telegrama do capitão Aluízio Ferreira dirigido ao prefeito de Porto Velho, Dr. Plinio Coelho comunicando que Porto Velho será sede de um destacamento com trinta praças, comandados por um oficial, organizado por reservistas residentes na cidade. Diz ainda: “levo material e armamento necessário”. Era o início dos contingentes militares de fronteira.

6. EDIÇÃO DE 26.09.1932 – O JORNAL ALTO MADEIRA publica decreto do governo do estado do Mato Grosso, baixado no dia 30.06.1932, assinado pelo Dr. Leoni dos Santos Antero de Matos, interventor federal, que extingue a comarca de Santo Antônio do Rio Madeira. A partir desse decreto, passa a funcionar somente a comarca de Guajará Mirim, conforme publicado no diário oficial do Mato Grosso de 02.07.1932.

7. Na mesma edição, publica telegrama do capitão Aluízio Ferreira, com o seguinte teor: “Aos amigos de Porto Velho: partirei amanhã de São Paulo. Como sou sabedor de que preparam festas para minha chegada ahí, solicito prezado amigo Moacir de Miranda, que empregue toda sua influência para evitar essas manifestações, que não mereço nem se justificam, principalmente nesta quadra de dolorosa consequência do movimento impatriótico de São Paulo. Vem se aproximando o natal quando então será melhor empregado com benefício da pobreza o que tiver sido arrecadado. A) Aluízio Ferreira.”

8. EDIÇÃO DE 04.02.1926 – O JORNAL ALTO MADEIRA publica a ocorrência de um acidente no km 39 da ferrovia Madeira-Mamoré: “Trabalhador italiano João Espírito, 30 anos, retirador de lenha, contratado por João Courinos, faleceu no Hospital da Candelária, em 28 de janeiro. Ele foi atropelado por um troller e teve o tórax esmagado quando colocava dormentes.”

9. EDIÇÃO DE 28.03.1926 – O JORNAL ALTO MADEIRA anuncia que a Madeira-Mamoré compra cocos oleosos, espacialmente de babaçu, e paga 25$000 réis por tonelada posta à margem da linha férrea.

10. EDIÇÃO DE 15.04.1926 – O JORNAL ALTO MADEIRA publica matéria sobre as eleições do próximo dia 03 de maio para deputados e vereadores. Em Porto Velho, os candidatos a intendentes (vereadores) são: major Arthur Napoleão Lebre, capitão Esron de Menezes, capitão Manoel da Cunha Freitas, tenente Cincinato Elias Ferreira e o Dr. Oscar Borges Theophilo, todos do Partido Republicano do Amazonas, PRA. Não teria eleição para superintendente (prefeito).

Francisco Matias, historiador e analista político, é membro da Academia Rondoniense de Letras,ARL, da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica e do Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Francisco Matias

 O JANTAR DO CONDOR. O ALMOÇO DA ABRIL.  O HOSPITAL DO AMOR - Por Francisco Matias

O JANTAR DO CONDOR. O ALMOÇO DA ABRIL. O HOSPITAL DO AMOR - Por Francisco Matias

 Governador Confúcio Aires Moura, do estado de Rondônia   1.Novembro passou e dezembro entrou. O ano caminha para o seu final. Mas existe o risco de n

PORTO VELHO 103 ANOS - Por Francisco Matias

PORTO VELHO 103 ANOS - Por Francisco Matias

1.Hoje, dia 2 de outubro de 2017 completam-se 103 anos da criação do município de Porto Velho. Na manhã daquele 2 de outubro de 1914, no Palácio Rio N

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA- PARTE I

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA- PARTE I

    1. A propósito do anúncio publicado nas redes sociais dando conta de que o jornal ALTO MADEIRA vai encerrar suas atividades no final deste mês de

RÉQUIEM PARA O DR. LUÍS MALHEIROS TOURINHO

RÉQUIEM PARA O DR. LUÍS MALHEIROS TOURINHO

FRANCISCO MATIAS*, ESCREVE          RÉQUIEM PARA O DR. LUÍS MALHEIROS TOURINHO                                                          “Há três coisa