Porto Velho (RO) quarta-feira, 5 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Francisco Matias

21 DE ABRIL – TANCREDO NEVES, O MELHOR PRESIDENTE QUE O BRASIL QUASE CHEGOU A TER- II


 

21 DE ABRIL – TANCREDO NEVES, O MELHOR PRESIDENTE QUE O BRASIL QUASE CHEGOU A TER- II  - Gente de Opinião

Da esquerda para a direita o deputado estadual José de Abreu Bianco, o presidenciável e senador Tancredo Neves (in memoriam), o deputado federal Chiquilito Erse (in memoriam) e o deputado estadual Oswaldo Piana. Ano 1984, campanha eleitoral para presidente da República.

                

                        

1.Este artigo mantém a foto do primeiro devido à sua importância histórica e ao encadeamento do assunto. O regime militar havia vencido a luta pelas Diretas Já. O povo perdia a chance de eleger o presidente por meio de eleições diretas.Os militares iriam entregar o poder, depois de 21 anos, mas da forma como haviam proposto. O presidente civil seria eleito por um COLÉGIO ELEITORAL, formado por senadores, deputados federais e representantes das Assembleias Legislativas. Eram os representantes do povo, mas não o povo propriamente dito. O regime temia entregar o poder ao PT e ao seu líder maior, o então sindicalista Luís Inácio Lula da Silva.

2.No Colégio Eleitoral o regime jogava em duas pontas. De um lado, Paulo Maluf havia vencido o ministro Mário Andreazza na convenção do PDS e seria o nome da direita naquelas eleições. Era um ponto que o regime não queria, mas seria útil. As oposições concordaram em lançar Tancredo Neves, a presidente, e José Sarney a vice. Sem perceber, faziam o jogo do regime militar que havia conversado com Tancredo Neves, valendo-se de sua disposição para costurar acordos, embora não tivesse disposição para cumpri-los.

3.Em Rondônia, o governador Jorge Teixeira de Oliveira estava metido em uma camisa de força. Seu candidato, Mário Andreazza, estava fora do jogo. O jeito foi negociar com Tancredo Neves, por meio do deputado federal Chiquilito Erse. Militar tipo linha dura, Jorge Teixeira negava-se a aceitar os fatos e não convivia muito bem com a democracia. Acostumado a impor sua vontade como governador, entrou em rota de colisão com a classe politica, mas terminou concordando em negociar sua permanência no governo, no caso de vitória do PMDB no Colégio Eleitoral. Não sabia que o destino iria pregar duas peças em um novelo só. Uma, no próprio Tancredo Neves. Outra em Jorge Teixeira de Oliveira.

4.O Colégio Eleitoral reuniu-se no dia 15 de janeiro de 1985. Os representantes do estado de Rondônia, antes majoritariamente “malufistas”, viraram majoritariamente “tancredistas”. Os três senadores votaram da seguinte forma: Odacir Soares votou em Paulo Maluf. Claudionor Roriz e Galvão Modesto votaram em Tancredo Neves. Os deputados federais votaram assim: Chiquilito Erse, Múcio Athayde, Olavo Pires, Orestes Muniz e Rita Furtado, votaram em Tancredo Neves; Francisco Sales, Assis Canuto e Leônidas Rachid votaram em Paulo Maluf.  A Assembleia Legislativa enviou quatro delegados ao Colégio Eleitoral. Desses, três votaram em Tancredo Neves - Jô Sato, Marvel Falcão e Oswaldo Piana -. O deputado Heitor Costa votou em Paulo Maluf. Na verdade, o estado de Rondônia seguiu a tendência nacional. Dos quinze representantes no Colégio Eleitoral, quatro votaram em Paulo Maluf e onze em Tancredo Neves. Quer dizer: 73,33% “tancredaram”. Foi assim no Brasil naquele 15 de janeiro de 1985.

5.Mas, quis o destino que os destinos do Brasil não fossem para as mãos de Tancredo Neves. Sua posse deveria ocorrer no dia 15 de março. Mas, pouco antes, o presidente eleito sentiu-se mal, foi levado ao hospital em Brasília e viria a morrer no dia 21 de abril. Dia de Brasília. Dia de Tiradentes. Em seu lugar assumiu o vice José Sarney. Pior para o Brasil. Pior para Tancredo Neves. Pior para o governador Jorge Teixeira de Oliveira. Dois meses depois da posse, o presidente José Sarney, contrariando a própria Lei Complementar nº 41/1981, que criou o estado de Rondônia, e atendendo à classe política local, demitiu o coronel Jorge Teixeira de Oliveira, até então único governador nomeado no Brasil após as eleições de 1982. O coronel Jorge Teixeira de Oliveira, condutor-mor do processo de criação do estado de Rondônia, o Trator das obras, hoje homenageado até pela Maçonaria, deixou o Palácio Presidente Vargas sob vaias, conduzidas pela nova classe dominante, que, paradoxalmente, ele havia criado.

PS – O estado de Rondônia ainda teria um governador nomeado: Angelo Angelim, do PMDB, que substituiu ao governador Jorge Teixeira de Oliveira. Eleições para governador e vice somente em 15 de novembro de 1986, quando se deu a eleição de Jerônimo Santana, tendo como vice Orestes Muniz.

Historiador e analista político(*)

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Francisco Matias

 O JANTAR DO CONDOR. O ALMOÇO DA ABRIL.  O HOSPITAL DO AMOR - Por Francisco Matias

O JANTAR DO CONDOR. O ALMOÇO DA ABRIL. O HOSPITAL DO AMOR - Por Francisco Matias

 Governador Confúcio Aires Moura, do estado de Rondônia   1.Novembro passou e dezembro entrou. O ano caminha para o seu final. Mas existe o risco de n

PORTO VELHO 103 ANOS - Por Francisco Matias

PORTO VELHO 103 ANOS - Por Francisco Matias

1.Hoje, dia 2 de outubro de 2017 completam-se 103 anos da criação do município de Porto Velho. Na manhã daquele 2 de outubro de 1914, no Palácio Rio N

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA - PARTE II

  1. Continuando com a série o Alto Madeira e a história, relatando a saga deste centenário em fase de adormecimento, este escriba lança novas matéria

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA- PARTE I

O JORNAL ALTO MADEIRA E A HISTÓRIA- PARTE I

    1. A propósito do anúncio publicado nas redes sociais dando conta de que o jornal ALTO MADEIRA vai encerrar suas atividades no final deste mês de