Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Epopéia Rondoniense


  Epopéia Rondoniense  - Gente de Opinião
A reconquista do território da Ponta Abunã, no final da década de 80, serviu de tema de um livro, para o advogado e historiador Tadeu Fernandes, na época, secretário de Estado, que participou diretamente da refrega com os acreanos. Em “O Braço Ocidental de Rondônia”, Fernandes relata uma das epopéias mais importantes da vida rondoniense.

A pendenga Rondônia/Acre começou quando a então governadora Yolanda Fleming resolveu tomar posse da região. Na verdade todas as localidades da região Nova Califórnia e Extrema já eram assistidas de saúde a telefonia pelo vizinho estado sob as vistas grossas de sucessivos governos rondonienses, que nunca se importaram com a região - e muito pelo contrário, tinham abandonado o pontal.

Era o final do governo Ângelo Angelim, nome indicado pela Aliança Democrática, uma coligação formada pelo então PMDB e PFL, aprovado pela Assembléia Legislativa e nomeado pelo Congresso Nacional, de forma indireta, quando estourou o conflito.

Foi em 1989, durante o governo Jerônimo Santana, que o estado de Rondônia resolveu recuperar a Ponta do Abunã. Depois de várias reuniões, contatos em Brasília em busca de apoio, o próprio governador Jerônimo Santana, o Bengala, decidiu comandar a batalha. A frente das tropas da Policia Militar estava o coronel Valnir Ferro e, assim o comboio rondoniense desembarcou em Extrema para botar os acreanos para correr.

Epopéia Rondoniense  - Gente de OpiniãoPara demarcar território, Jerônimo Santana colocou placas e out doors na região com o mapa completo do estado dizendo “Aqui é Rondônia”. Mas a pendenga se arrastaria pelos tribunais por mais dois longos anos até a posse da região ser oficializada.

Na Guerra do Abunã não houve combates entre os militares dos dois estados. Mas se não fosse, a determinação do então governador Jerônimo Santana, do coronel Valnir Ferro, que comandou a operação da retomada e de nomes como Orestes Muniz, Tadeu Fernandes, comandante da PM João Maria Sobral, Chagas Neto, Moisés Bennesby, Walter Bártolo e Paulo Henrique de Almeida que lideraram na época o movimento “Aqui é Rondônia”, a região estaria até sob tutela acreana.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Pela união nacional + Presa fácil + Quem será os candidatos do PSL? + A criminalidade + Esconde-esconde

Pela união nacional + Presa fácil + Quem será os candidatos do PSL? + A criminalidade + Esconde-esconde

Pela união nacionalDuas faces da mesma moeda, como se fosse uma “hidra” de duas cabeças, o governo parece ser simultaneamente situação e oposição. S

Lições a aprender + Corrida ao do garimpo + Largada do PSL + Ainda a fumaça!

Lições a aprender + Corrida ao do garimpo + Largada do PSL + Ainda a fumaça!

Lições a aprenderAcima das trocas de farpas entre governantes brasileiros e líderes estrangeiros há uma verdade histórica que não pode ser negada: a

O campeão nacional + O estopim + A sobrevivência + A herança + No raupismo + Assombrando

O campeão nacional + O estopim + A sobrevivência + A herança + No raupismo + Assombrando

O campeão nacionalO campeão nacional do país é o agronegócio. Quem quiser atacar e enfraquecer o Brasil o escolherá como alvo obrigatório. Acima do

A cortina de fumaça das distrações + Blocos em formação para as eleições 2020 + Onda Bolsonaro + Léo Moraes na parada

A cortina de fumaça das distrações + Blocos em formação para as eleições 2020 + Onda Bolsonaro + Léo Moraes na parada

A cortina de fumaçaSegundo essa teoria, a cortina de fumaça das distrações “ideológicas” se baseia em um antagonismo entre dois bandos criminosos in