Porto Velho (RO) domingo, 20 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Amazônia calada + A ameaça de uma nova surpresa + Inverno decisivo para Hildon


Amazônia calada + A ameaça de uma nova surpresa + Inverno decisivo para Hildon - Gente de Opinião

Amazônia calada

Desde que os primeiros europeus com cronistas a bordo se deslumbraram com o que encontraram na Amazônia e registraram seu assombro para o mundo da época e do futuro, a Amazônia nunca foi problema – é e sempre foi uma solução.

É o descaso com a natureza e os povos da região que cria os problemas, como as descuidadas primeiras experiências ferroviárias e a cópia de modelos de outras regiões, caso da Fordlândia. A solução que a Amazônia é e sempre foi virou problema pela “polarização”, que intoxica o diálogo e o transforma em cenário de negatividade.

A recusa a centenas de milhões de dólares, as ações criminosas na floresta, os embaraços aos cientistas e outras distorções criam problema onde deveria haver a solução: um esforço mais dedicado das autoridades em combater os crimes, dos investidores em evitar o viés polarizado e da imprensa em salientar as ações positivas de governos, povos, ongs e cientistas.

O clima de guerra prejudica o agronegócio e chegou ao fundo do poço quando o governador do Amapá, Waldez Góes, pronto para falar na Cúpula do Clima, em Nova York, foi barrado em manobra atribuída ao governo federal. Negar verbas a filmes ou peças de teatro até pode ser economia de recursos públicos, mas calar um governador amazônico em evento no qual a Amazônia era protagonista, mais que polarização, é um absurdo.

............................................ 

 

Uma ameaça

A ameaça de uma nova surpresa, daquelas zebras listradas caprichadas na eleição a prefeito da capital, apavora os nomes considerados de ponteira, como o deputado federal Leo Moraes (Solidariedade), o prefeito Hilton Chaves (PSDB), o deputado federal Mauro Nazif (PSB) e o ex-novo Vinicius Miguel. Ocorre que de última hora, como ocorreu nos últimos pleitos, surge alguém que tira o pão da boca dos favoritos.

 

Zebra feminina

Nas primeiras sondagens a respeito de projeções de zebras em Porto Velho esta uma política do sexo femenino. Não é “macaca velha”, tampouco ocupa cargos eletivos importantes. Se for a zebra da temporada, pela primeira vez a capital rondoniense será governada por uma mulher, algo que já é muito comum em Cacoal e Pimenta Bueno, onde o matriarcado político tem forte presença há décadas.

 

Inverno decisivo

O colunista consultou, durante o início da semana alguns postulantes da oposição a respeito da sucessão em Porto Velho. Na maioria, eles entendem que o desempenho do prefeito Hildon Chaves (PSDB) durante o inverno (nossa estação das chuvas) será decisivo para ele criar pernas para se reeleger. Caso contrário, terá dificuldades em obter o segundo mandato, quiça galgar uma chegada no segundo turno como ocorreu com seu antecessor.

 

Contra todos

Na verdade, mesmo pilotando uma coalizão de forças com uma duzia de partidos, a reeleição do prefeito tucano não interessa também aos caciques da política rondoniense que miram a disputa do governo estadual em 2022. Ocorre que a reeleição de Hildon Chaves colocaria o prefeito em condições favoráveis para peleja estadual e por isso aliados importantes podem se fazer de “gatos mortos” na campanha de 2020.

 

As promoções

 A Energisa, a empresa concessicionária que substituiu a Ceron em Rondônia tem um plano especial para os devedores com entrada e até 60 parcelas para acertar os atrasados, garantir a religação e ficar em dia com o Serasa. Também os contribuintes da prefeitura de Porto Velho estão recebendo beneficios com descontos e parcelamento dos impostos. Aproveitem, cara-palidas! É a hora caloteiros empedernidos!

 

 

Via Direta

*** O presidente do Diretório Municipal do PDT Ruy Motta esta promovendo as primeiras reuniões do partido com vistas às eleições municipais do ano que vem *** A disputa pela indicação de vice do prefeito Hildon Chaves no seu projeto de reeleição começa a se acirrar nos bastidores *** Depois do racha no PSL, já se propala numa reforma do secretariado do governo Marcos Rocha para janeiro com algumas substituições. Será verdade? *** O Grupo Gonçalves ultima os peparativos para a inauguração do novo shopping de Porto Velho, localizado na Zona Leste, região mais populosa da capital *** O Rio Madeira começa a recompor o seu leito. A praia do arroto, defronte o complexo da estrada da Madeira Mamoré já sumiu de vez *** Agora veranear no meio do rio só no verão do ano que vem macacada! *** Começa o inverno amazônico: pobres mãezinhas dos prefeitos e do governador na estação das chuvas... 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

A receita de Mourão + Jogo de empurra + Areia movediça + No bico do corvo

A receita de Mourão + Jogo de empurra + Areia movediça + No bico do corvo

A receita de MourãoAlém da floresta, sua biodiversidade e povos, defendidos pelos mais corretos agentes do Estado, ongs e imprensa vigilante, algué

O cliente tem razão + Top 5 dos prefeituráveis da capital + Obras da EFMM estão lentas +

O cliente tem razão + Top 5 dos prefeituráveis da capital + Obras da EFMM estão lentas +

O cliente tem razãoO caso de uma invasão de área indígena com desmatamento e queimada ilegais que demorou 28 anos na esfera judiciária anima novas

Crenças errôneas + Balaio de gatos + É coisa de louco! + Plano Diretor de Porto Velho

Crenças errôneas + Balaio de gatos + É coisa de louco! + Plano Diretor de Porto Velho

Crenças errôneasNo passado, pensar o Brasil no exterior era imaginar o Rio de Janeiro, samba, mulatas e futebol. Turistas pouco afeitos à geografia

Chega de perder + A revitalização + Cartas no MDB + Construção civil

Chega de perder + A revitalização + Cartas no MDB + Construção civil

Chega de perderA péssima imagem do Brasil não é falta de propaganda cara no exterior sobre as maravilhas da Amazônia e do país. É preciso reconhece