Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Beto Ramos

SEMENTE



Deveríamos construir muitos jardins para nenhuma flor?

Deixar o silêncio como resposta?

Quando a paisagem é bonita queremos nos inserir nela.

Fechando o tempo com ameaças de trovoadas alguns querem distancia deste horizonte.

Meio ao silêncio encontramos muitos jardins sem nenhuma flor.

Justamente as flores da inspiração, do comprometimento com o amanhã.

Alguns olhos seguem sem nenhuma cor.

Nossas paisagens não existem para alguns.

O mundo é muito grande, não importa, o meu mundo é um velho porto.

Um velho porto que fica nas curvas dos rios de muitos corações.

Curvas de rio.

O que poderíamos encontrar na curva de um rio?

Uma paisagem bonita?

Um tempo com ameaças de trovoadas?

Ou encontraríamos palavras?

O silêncio é um jardim sem nenhuma cor.

E as palavras?

As palavras são flores!

De todas as cores.

Flores do sol e da lua.

Da noite e do dia.

Que ficam nas ladeiras do velho porto.

Flores da nossa história.

Que ficam nas palavras do Anísio, Ernesto, Lúcio Albuquerque, Zola, Basinho, Sílvio Santos, Bainha, Dadá, Maraca, Oscar, Babá,.

O jardim deveria ser gigante para tantas flores.

O nosso velho porto é um gigante adormecido.

Que vai sendo acordado aos poucos.

Onde você plantou a sua flor?

No seu quintal existe um jardim sem nenhuma cor?

A resposta não poderia ser um silêncio de olhos sem nenhuma flor.


Diz a lenda!

 


Siga o Gentedeopinião no Gente de Opinião



Fonte: Beto Ramos -  betoramospvh@hotmail.com 
 
Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV
 Energia & Meio Ambiente   /  Siga o Gentedeopinião noTwitter  /   YouTube 
 Turismo   /  Imagens da História

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Beto Ramos

DIZ A LENDA – DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

  Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, o que nos resta a

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

  Por: Beto Ramos Quando das viagens pelas barrancas do Madeira com o Poeta Mado, presenciamos e convivemos com muitos causos de vivos e visagens. Car

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

Por: Beto Ramos   Acordamos cedo. Lavamos o rosto no giral ainda iluminado pela luz da lamparina. Precisávamos passar na fábrica de telha próxima a Ca

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

Por: Beto Ramos   Eraste, hoje fomos elogiados calorosamente por um asinino. Interpelado e elegantemente chamado de beradeiro recalcado. Pupunhamente