Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Beto Ramos

Diz a lenda – Olhos do coração



Por Beto Ramos
 

Desejo ganhar de presente a fé inabalável.

Beber Rum Bacardi sem deixar de lado minha cachaça ao sol do meio dia.

Quero chorar um rio de lágrimas para esquecer a morte do meu pai.Diz a lenda – Olhos do coração - Gente de Opinião

Também quero ver secar meu pranto pelo esquecimento do meu outro pai.

Desejo vestir um terno de linho branco com um cravo na lapela, em homenagem as cadeiras brancas que ficaram vazias.

Em dó maior ao som de um trombone, desejo naufragar numa canoa azul cheia do lodo da desgraça alheia.

Desejo entrar na Matriz e ficar em silêncio por muitas horas.

Desejo ganhar de presente um ponto final, no exato momento onde os que se encontram jamais irão chegar.

Desejo apenas beber algo em homenagem a hipocrisia.

Adentrei na Matriz do Sagrado Coração de Jesus às sete e trinta.

Aquele canto gregoriano perturbava meu pensamento.

Velhas senhoras rezavam com fé seus terços parecendo tercetos e quartetos sem rimas.

Um velho hippie de joelhos deixava expostas suas tatuagens como as chagas de Jesus Cristo.

Desejava exorcizar alguns demônios.

Demônios que sorriem nas praças.

Despedi-me de Deus com o meu Deus em construção.

Na Praça Jônatas Pedrosa aqueles demônios deixavam os mendigos dormindo com o sol a pino.

Aquele canto gregoriano não combinaria jamais com a realidade da praça.

Aquele chão sujo é algo de um Deus em construção.

Desejo ganhar de presente um milagre.

Dar de beber a água da serenidade aos meus irmãos de todos os lugares.

Silêncio!

O choro de quem precisa é visível apenas aos olhos do coração.

Diz a lenda

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Beto Ramos

DIZ A LENDA – DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

  Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, o que nos resta a

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

  Por: Beto Ramos Quando das viagens pelas barrancas do Madeira com o Poeta Mado, presenciamos e convivemos com muitos causos de vivos e visagens. Car

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

Por: Beto Ramos   Acordamos cedo. Lavamos o rosto no giral ainda iluminado pela luz da lamparina. Precisávamos passar na fábrica de telha próxima a Ca

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

Por: Beto Ramos   Eraste, hoje fomos elogiados calorosamente por um asinino. Interpelado e elegantemente chamado de beradeiro recalcado. Pupunhamente