Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Beto Ramos

DIZ A LENDA – DECEPÇÃO


DIZ A LENDA – DECEPÇÃO - Gente de Opinião
 

Caminhei pela Rua da Palha.

Parei na Rua do Comércio.

Segui novamente na Rua dos Portugueses.

Fechei os olhos na Rua Curral das Éguas.

No chão, a vergonha de um vermelho que possuía um investimento como ideologia.

A Máquina 18 não voltou do centenário cheio de ilusões.

As marginais cheias da lama dos marginais, vão nos deixando dentro de um igapó vermelho de vergonha.

Os homens e seus argumentos cheios de porcentagens, descaradamente, seguem como déspotas que formam grupinhos que se abraçam, rumo à porta dos fundos da história.

Beradero da canela tuíra conhece curva de rio.

Mas, as palmeiras reais continuam na entrada da Estrada de Ferro Madeira Mamoré.

Cazumbá continua pensativo e soltando fogo pela venta.

Anda com medo do Papai Noel da cultura dos dez por cento.

Os pássaros de arribada continuam com seus voos rasantes cheios de deboche com a nossa população.

A cultura disfarçadamente vai tomando os rumos de negócios de poucos.

Minha avó falava que o costume do cachimbo entorta a boca.

No caso da vergonha em carmim, abriram-se as portas dos fundos da história.

Mas, existe por ai bom cobrador que é muito mau pagador.

Tem quadrilha dentro de quadrilha.

Malandro demais se atrapalhando dentro das evoluções e harmonias, vivendo aparentemente apenas de fantasias.

Mas, nossa terra karipuna está em transição, ou transação, bem próxima do fim do mundo.

Ou será o início de tudo outra vez?

Diz a lenda

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Beto Ramos

DIZ A LENDA – DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

  Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, o que nos resta a

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

  Por: Beto Ramos Quando das viagens pelas barrancas do Madeira com o Poeta Mado, presenciamos e convivemos com muitos causos de vivos e visagens. Car

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

Por: Beto Ramos   Acordamos cedo. Lavamos o rosto no giral ainda iluminado pela luz da lamparina. Precisávamos passar na fábrica de telha próxima a Ca

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

Por: Beto Ramos   Eraste, hoje fomos elogiados calorosamente por um asinino. Interpelado e elegantemente chamado de beradeiro recalcado. Pupunhamente