Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Beto Ramos

Diz a lenda – Águas do Madeira


Diz a lenda – Águas do Madeira - Gente de Opinião

 
Texto e fotografia: Beto Ramos

Madeira.  

Madeira.

Veio dos Andes as tuas riquezas, tuas águas preciosas.

Águas barrentas misturadas ao suor do caboclo.

Remos e peixes perdidos nas barragens que mudaram o teu leito.

Canoa virada, na margem tão triste.

Madeira.

Madeira.

Curva do rio na paisagem cheia de concreto.

Perdem-se nos cem anos a lembrança da fumaça do trem.

A Maria Fumaça está mergulhada no fundo do teu leito.

As estrelas verde oliva fizeram-te cemitério de máquinas.

Madeira.

Madeira.

A fome do progresso fez-te engolir o marco de Rondon.

Descendo o rio apenas banzeiro.

Troncos de árvores centenárias ficarão apenas na lembrança.

Madeira.

Madeira.

O monstro de concreto fez a piracema parar.

Peixes perdidos, na mudança do ciclo da natureza.

O barranco foi engolido, levando tudo.

Os caboclos esperneiam.

Mudam de lugar.

Madeira.

Madeira.

Restam as palavras.

Restam as fotografias dos dias em que pesquei nas tuas cachoeiras.

Santo Antônio do Madeira.

Teotônio.

Vai Madeira, segue teu destino.

Leva nas tuas águas as nossas lembranças.

Segues desbarrancando a nossa história.

Transformaram tuas águas no monstro do impacto.

Amanhã muitos esquecerão.

Mas, quem tomou banho nas tuas margens e ficou com a perna tuira, jamais vai esquecer a poesia do teu silêncio.

- Ei poeta, olha o boto!

- O que rima com mandi?

- Sílvio, será que São Carlos vai alagar?

- Tatá, será que o desbarrancamento vai engolir Calama?

Madeira.

Madeira.

- E o mastro de São Sebastião?

Compensação, só às boas lembranças das pescarias e do campeonato de pesca.

Lá vem o pintado.

Tem surubim.

Pacu de senhora.

Piau da cabeça gorda.

Jandiá e jatuarana.

Esconde bem a garrafa de cachaça, que é pra mãe não ver.

Faz o fogo entre a s pedras.

Cachoeira não existe mais.

Madeira.

Madeira.

Quem te viu com o Leopoldo Peres, se assusta com os fora de estrada que modificaram o teu caminho.

Existe meia dúzia que manda por ai, que nunca pescou, mergulhou ou parou para observar as tuas belezas.

São estes que destroem.

São insensíveis, investem em outras paragens além das tuas águas que são doces.

Madeira.

Madeira.

 

Diz a lenda

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Beto Ramos

DIZ A LENDA – DUZENTOS E CINQUENTA EM QUATRO I

  Os pesadelos não podem ofuscar nossos sonhos. Diante da inconsequência de quem resume a vida dos outros na sua prisão de lamentos, o que nos resta a

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

DIZ A LENDA.O POETA, A POESIA E O MEDO.

  Por: Beto Ramos Quando das viagens pelas barrancas do Madeira com o Poeta Mado, presenciamos e convivemos com muitos causos de vivos e visagens. Car

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

DIZ A LENDA – VELHA SENHORA

Por: Beto Ramos   Acordamos cedo. Lavamos o rosto no giral ainda iluminado pela luz da lamparina. Precisávamos passar na fábrica de telha próxima a Ca

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

DIZ A LENDA – ELOGIO CALOROSO

Por: Beto Ramos   Eraste, hoje fomos elogiados calorosamente por um asinino. Interpelado e elegantemente chamado de beradeiro recalcado. Pupunhamente