Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

TERCEIRO SETOR DEVE LIGAR ANTENAS EM 2015



O governo federal adiou a entrada em vigor Lei 13.019, sancionada dia 31.07.2014 e que define novas regras para as parcerias entre o Estado e as Organizações da Sociedade Civil, avançando na construção de um novo marco regulatório para o terceiro setor. A mudança foi feita por meio de uma medida provisória publicada no dia 30.10.2014 no Diário Oficial da União. Essa tal MP dá um novo prazo, as novas regras só passam a valer no fim de julho de 2015.

“As entidades da Plataforma já achavam necessário um adiamento, considerando que os três meses inicialmente previstos incluíam o período eleitoral, que atrasou os processos necessários para a adaptação de prefeituras, governos estaduais e outros órgãos. No entanto, consideramos o prazo de um ano excessivo. A lei poderia entrar em vigor antes, com uma indicação de possíveis adaptações”, avalia Vera Masagão, diretora executiva da Associação Brasileira das Organizações Não Governamentais (Abong) e representante do Comitê Facilitador da Plataforma por um Novo Marco Regulatório para o terceiro setor.

“Agora, temos que avaliar como trabalhar essa entrada da MP no Congresso junto aos parlamentares que nos apoiaram e já conhecem o tema . Queremos avaliar se há espaço para algum aperfeiçoamento na lei. Tivemos diversos debates em estados e municípios, tanto do governo quanto da sociedade civil, e ouvimos dúvidas e reclamações que talvez possam ser consideradas agora”, defende.

Segundo a Secretaria-Geral da Presidência da República, pasta que foi a principal articuladora do tema junto ao Congresso e à sociedade civil, o adiamento responde a pedidos de “diversos órgãos e entidades públicas, entidades municipalistas e representantes da sociedade civil”. Elas alegam a insuficiência do prazo previsto em lei, de 90 dias, por conta da necessidade de “adaptações e mudanças estruturais que o novo regime de parcerias demanda da administração pública federal, estadual, municipal, do Distrito Federal e das próprias organizações da sociedade civil”.

Ainda segundo a SGPR, o maior prazo de adaptação à nova lei também evitará problemas no atendimento à população em situação de vulnerabilidade, em especial o realizado pelas redes privadas vinculadas ao Sistema Único de Assistência Social, cujas atividades são de natureza continuada.

A nova lei estabelece novas normas para parcerias voluntárias da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios com Organizações da Sociedade Civil, garantindo maior segurança jurídica para as partes envolvidas. Entre as novidades, estão a criação de instrumentos jurídicos específicos para as parcerias entre Estado e terceiro setor, a obrigatoriedade de chamamento público para a seleção das organizações parceiras, o estabelecimento de obrigações tanto para os órgãos públicos quanto para as organizações privadas em todas as fases de uma parceria, do planejamento à execução e prestação de contas.

Para o estado de Rondônia que já tem sua Lei - 3.122 de 01.07.2013, mantém equipe técnica multidisciplinar apoiando e orientando aos gestores de organizações e que criou o sistema de acompanhamento de parcerias por meio do SISPAR na Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos, essa MP de Dilma Rousseff amplia prazos para suas naturais mudanças. Com a chegada de fevereiro de 2015, o executivo estadual poderá enviar à ALE sua proposta de modificações, agregando a nova linguagem das relações entre Estado e terceiro setor advindas da Lei 13.019 para dar o devido suporte legal às alianças futuras na condução de projetos socialmente sustentáveis e economicamente produtivos.


Francisco Aroldo Vasconcelos de Oliveira
Gerência de Fomento ao Terceiro Setor
Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos

E C O N O M I S T A

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr