Porto Velho (RO) segunda-feira, 3 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

TERCEIRO SETOR


O maior de todos os descaminhos é o da formação de redes de proteção social ou a criação de mecanismos de ajuste e gestão sem o precavido debate com os diversos atores sociais que compõem as diversas políticas públicas do desenvolvimento local, regional e nacional. Digo isso em relação ao profícuo debate em audiências públicas que originaram o conhecido Decreto presidencial numero 8243 de maio passado que institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação Social - SNPS, e dá outras providências; ora, digo isso porque assisti na semana passada a quarta audiência pública organizada para debater o alcance desse dispositivo. A deputada Luiza Erundina (PSB) foi a presidente da mesa de debates que consumiu mais duas horas e não revelou nada de novo aos seus telespectadores e assistentes. Em que pese o ministro chefe de Gabinete da Presidência da República, senhor Gilberto Carvalho, tenha estado do começo ao fim e tenha ali mesmo discorrido o histórico da elaboração e o intuito da apresentação do dito Decreto, fiamos ainda no campo das explicações. Ora, é muito importante que os agentes públicos, em todos os níveis, seja municipais, estaduais ou no governo central, possam apresentar instrumentos que facilitem ou promovam a organização da burocracia como parte dos princípios da gestão da administração pública, mas esses instrumentos precisam ser coroados pelo debate e consenso entre os diversos atores sociais, ainda por cima em se tratando de uma ação que delimita e determina a participação (em sua forma e estrutura) dos agentes do primeiro, segundo e do terceiro setor para a melhoria de qualidade de vida de todos. O que vimos nessas audiências ocorridas de junho para cá é que realmente os atores sociais organizados estão sempre acompanhando o que sai do executivo e do legislativo nacional e que não estão dispostos a retroceder nos avanços desde 1985 e 1988. Especialmente em ano de eleições, quando os hormônios andam acesso para todos os lados. Fica o alerta para todos os cidadãos que promovem atividades de cunho social e desenvolvimentista de soluções para o comum: participar e colaborar, sempre para que o alcance dos direitos da democracia representativa e participativa não diminuam em nenhum ambiente de relacionamento público.

Professor Aroldo Vasconcelos
E C O N O M I S T A
Registro no CORECON nº 462

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr