Porto Velho (RO) quarta-feira, 5 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Terceira proposta para o Brasil da próxima década


Terceira proposta para o Brasil da próxima década - Gente de Opinião
Ano passado no meses de agosto e setembro eu publiquei algumas propostas simples para nosso Brasil. Foi um pouco antes das eleições para os cargos majoritários. Este ano, já estamos com novo governo e novas perspectivas para os planos P.P.A. estaduais e da União, faço repetir, reeditar as PROPOSTAS. Aqui vai a segunda delas. Quem sabe alguém dos palácios em Brasilia-DF possa ler e conhecer, que me custa, sonhar... né? 
 
Prezados leitores, bem vindos a segunda leitura de cinco artigos os quais guardam apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas propostas, dentre tantas, de mudança na nossa legislação atual e no nosso meio de viver e produzir; essas propostas, sendo debatidas e possivelmente um dia colocadas em prática certamente que trarão reflexos na economia local, regional e nacional de nosso país, transformando um pouco essa realidade sombria que nos incomoda desde meados dessa década de 20.

Esperamos que seja pertinente, colaborem me enviando suas críticas e contribuições pelo e-mail: [email protected].   


3.0 - Saída do Estado de assuntos de Mercado (empresas) e do Terceiro Setor (organizações associativas)

Os cientistas sociais, especialistas e estudiosos convencionam dividir a sociedade contemporânea em três setores bastante específicos, quais sejam: o Estado, como o primeiro setor, o Mercado, como o segundo setor e a sociedade civil organizada, como o terceiro setor; e nessa divisão está o papel e a razão de ser de cada um, ditando por via de regras, legislação e tradição cultural o desígnio de cada qual.

Ora, para que haja prosperidade e harmonia, dentro de um contrato social expressamente definido e também de relações contextuais, a cada setor dessa sociedade cabe valores, conceitos, preceitos e uma dinâmica que os une para o progresso e para o desenvolvimento social e econômico com a devida sustentabilidade, o que nos últimos anos não ocorre no Brasil.

O que temos visto desde os primeiros anos deste terceiro milênio por aqui é o Estado nacional presente em assuntos de Mercado e também em assuntos da sociedade civil organizada, sempre como o pai de tudo e a mãe de todos.

Os governos devem ter suas funções e nada de extrapolar, diminuindo as responsabilidades de empresas e de associações privadas, por exemplo em relação a processos de voluntariado, empreendedorismo e atividades complementares que não são (e estão previstas na Constituição Federal) de sua seara.

O Estado no Brasil é enorme e intrometido, quando não, extrovertido a ponto de caminhar na linha do setor empresarial e na linha da filantropia e da caridade, tentando por assim dizer: estar em tudo e em todos os lugares.

Reduzir a presença do governo em projetos privados é importante para o crescimento dos sonhos individuas e coletivos (cooperativas) de progresso das familiais, por exemplo o Estado precisa desonerar o emprego formal e reduzir impostos e sair de setores econômicos desde ontem.

Por outro lado, o Estado precisa desenvolver com o poder legislativo um marco legal menos burocrático e mais aberto para as associações e fundações que desempenham atividades complementares e que podem gerar milhões de empregos na medida em que as organizações civis podem trabalhar com saúde, educação, transporte, cultura, lazer e filantropia, mas sem a incômoda tutela e vigilância de seus técnicos e burocratas que dificultam o avanço do serviço de qualidade na proteção de direitos e de politicas públicas.

É muito importante que esses três setores possam abraçar cada qual o seu perfil de atuação e que a soma de suas missões possa construir um cenário de melhor prosperidade e divisão de responsabilidades para a próxima década.

O próximo presidente da República terá essa possibilidade na medida em que pautar sua agenda em assuntos de Estado, deixando às empresas o que sabem fazer e às associações e fundações o apoio para o crescimento e o profissionalismo em bem servir.  

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Comissão mista no Congresso que analisa reforma tributária emite relatório

Comissão mista no Congresso que analisa reforma tributária emite relatório

Enquanto os congressistas nacionais não chegam a consenso sobre ajustes na casa de quase 20 Bilhões, ainda a respeito do orçamento de 2021, a votaçã

Receitas do estado de Rondônia em 2020

Receitas do estado de Rondônia em 2020

No final do mês de fevereiro desse ano fiz uma análise dos virtuosos números e do belo desempenho de Rondônia na arrecadação do primeiro ano da pan

Sinais de tendência ao isolamento turístico

Sinais de tendência ao isolamento turístico

A construção do atual mundo globalizado, onde o fluxo humano e comercial de produtos e de serviços, em especial esses de tecnologias e da indústria

Proposta de mudança no imposto de renda traz recursos para o auxílio emergencial

Proposta de mudança no imposto de renda traz recursos para o auxílio emergencial

Para um registro no mínimo da nossa curiosidade de contribuintes no Brasil, de acordo com dados da Receita Federal, apenas observando o desempenho d