Porto Velho (RO) domingo, 22 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Superação da Violência é possível, com fraternidade e ética - Por Aroldo Vasconcelos


 
Ainda no final do ano passado pude conhecer o material criado pela CNBB - Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, órgão da Igreja Católica com sede em Brasilia-DF, sobre a campanha da fraternidade para o ano de 2018 que terá o tema e o lema voltados para uma questão social muito importante para todos e para todas que estão vivendo especialmente as oportunidades e dificuldades do meio urbano: a violência crescente e irracional que anda imperando há quase vinte anos nesse país.

​É fato que existem fatores, causas e contextos diferentes nos quatro cantos do Brasil continental e muitos de nós afirmam categoricamente que existe ausencia de gestão pública efetiva e decente, mas o problema requer mais qualidade e quantidade de envolvimento social de todos os atores locais, regionais, nacionais e que possam acudir a uma orquestra interessada em mudanças, não apenas ao calor das noticias de determinada semana onde ocorrem os descalábrios; quando por exemplo explode uma rebelião, ou quando alguém toca fogo em mendigos, indios ou quando adolescentes se esfaqueiam em patios escolares - a coisa é mais profunda.

​Com a chegada do novo milênio e com as mudanças de gestão e dos ideais dessa gestão desde o ano 2000, podemos observar - mesmo sem números, até porque eles não estão disponíveis com facilidade, que acidentes de transito, mortes por espancamento, disputas de terras, invasões de prédios e casas populares em construção, brigas de final de semana e agressões a mulheres, especialmente negras e empobrecidas (marginalizadas) são frequentes a ponto de nos últimos cinco ou seis anos não incomodar mais aos gestores de politicas públicas, parece que estamos todos começando a acreditar que isso "é assim mesmo".

E não é.

Não é para isso que estamos aqui no plano material, nascemos, como disse Jesus há dois mil anos para nos respeitarmos e nos tratarmos enquanto irmão. A fraternidade humana precisa desse arquétipo para se propagar no tempo, caso contrario pela ação irracional estaremos sempre nos diminuindo e sobrepondo as oportunidades do próximo e dos nossos filhos e netos.

É urgente a necessidade de pararmos tudo o que estamos fazendo (e que acreditamos que é muito importante) para darmos diligencia a descobrir, analisar e aceitar que temos sim muitas diferenças, mas que precisamos trabalhar como irmãos para o nosso próprio bem. A criação de conselhos comunitários, grupos de discussão e ação e o apoio ás autoridades para enfrentar as sombras de algum mal que esteja pairando é questão de sobrevivência e de harmonia frutuosa para todos na sociedade, caso contrário em pouco tempo estaremos numa sociedade desequilibrada como há tantas espalhadas pelo mundo atualmente.

A campanha da fraternidade chega a nós em fevereiro, logo após o carnaval, e dedica-se a debater e apontar algumas soluções para a nossa realidade local, participe e envolva-se é uma atividade social e de caráter humanizador pautado em estudos e ações já concretas em algumas cidades do pais e que podem vir a ser implantadas aqui em Porto Velho e no estado de Rondônia.

Vamos cuidar do que é essencial, viver como irmãos e ver o futuro em nossos netos.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

 Amazônia brasileira, um país dentro do Brasil - Por  Francisco Aroldo

Amazônia brasileira, um país dentro do Brasil - Por Francisco Aroldo

E foi no trabalho do SENAI/RO, SEBRAE/RO e SENAR/RO que conheci esse pedaço gigante e potente de Brasil: a amazônia.

Plataformas privadas de apoio social - Por Francisco Aroldo

Plataformas privadas de apoio social - Por Francisco Aroldo

Os ricos muitas vezes não se sentem a vontade para colaborar com fundos de investimentos sociais em razão de desmandos governamentais, despesas maior

Artigo de final de mês, curtos pensamentos para uma boa reflexão - Por Francisco Aroldo

Artigo de final de mês, curtos pensamentos para uma boa reflexão - Por Francisco Aroldo

Estamos concluindo esse primeiro semestre do auspicioso ano de 2018 e realmente em questões palacianas, o Planalto continua ensurdecido...

CONSORCIO BRASIL CENTRAL, um novo desenho de gestão pública descentralizada - Por Francisco Aroldo

CONSORCIO BRASIL CENTRAL, um novo desenho de gestão pública descentralizada - Por Francisco Aroldo

O Consórcio Brasil Central foi criado com o objetivo de fomentar o crescimento individual e regional