Porto Velho (RO) domingo, 12 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Será mesmo que a História pode se repetir?


Será mesmo que a História pode se repetir? - Gente de Opinião
No ano de 1989 o Brasil elegeu Fernando Collor para o mandato presidencial depois de uma disputa acirrada onde figuravam à época o Leonel Brizola, o Luis Inácio LULA e até o dono do SBT, Senor Abravanel - o elegante e sorridente Silvio Santos.

Era uma época de muitas incertezas sociais e econômicas.
A Constituição da República, com o intuito de preparar o país para a chegada do terceiro milênio havia sido aprovada e estava em pleno vigor havia apenas um ano.

Gostaria de lembrar aqui que entre o primeiro e o segundo turno daquelas eleições de 89 o Leonel Brizola e o LULA fizeram uma aliança de esquerda para derrotar o nordestino de Alagoas irrigado por um esquema de captação de recursos de empresas que ficou conhecido como esquema PC que o levou a ser encontrado morto em 1996.

O mundo estava revelando que mudanças de poder na luta entre socialismo e capitalismo fez a derrocada de muitas nações de gestão de esquerda.

Seguramente por isso que os setores mais tradicionais e ditos de pensamento de direita levaram a melhor, mesmo que após 24 meses o presidente eleito Fernando Collor tenha saído de maneira desonrosa e em seguida surgisse o PSDB como concentração deste pensamento de direita para concorrer e levar em 1994 quando o agora conhecido FHC foi eleito e em seguida re-eleito presidente do Brasil.

Bom lembrar que dois anos antes de ser eleito, FHC tinha procurado reunir os pensamentos de social democracia entre os dois partidos - PT e PSDB, mas o principal líder à época, LULA e seus mentores não aceitaram; e que o mineiro Itamar Franco foi o responsável pela nomeação de Henrique Cardoso, primeiro como ministro que trouxe o Real como a salvação da lavoura e que seguramente o fez ser visível para o eleitorado naquela década de 90.

Após esses acontecimentos, iniciamos este milênio aqui no Brasil com essa divisão e luta pelo poder entre dois partidos e duas lideranças que são na verdade, gêmeos siameses, de ideologia social democrata.

Ao largo e ao lado desses mais de 30 anos, vemos partidos nanicos surgindo e partidos antigos navegando no poder dentro do planalto central e nas 27 delegações de poder que são os palácios locais.

Vemos outras forças que se prepararam e aproveitaram os espaços dados por essa luta de titãs.

Eis que entre 2014 e 2018 surgem alianças individuais nesse quadro-cenário e novamente o Brasil elegeu ano passado uma figura nova e ímpar: o capitão Bolsonaro.

Com as diplomações no Congresso há 11 meses atrás, aqueles mais sensíveis ao desenrolar politico, perceberam que 2019 não seria mesmo fácil e eis que estamos no décimo mês e as coisas se aprecem muito com aquele cenário que resultou no primeiro processo de impeachment de um presidente latino-americano.

Apenas para um realce em nossas lembranças, digo que entre 1998 e 2002 foi uma época de escolher entre privatizações e estatizações e nas duas eleições que levaram FHC ao poder central o que ocorreu foi a  consolidação de suas ideias que, em resultado deram a base para a chegada do "ptismo" ao poder e em 14 anos o que se viu foi uma espécie de continuação das ideologias social democratas tupiquins com um teatro policito sem precedentes.

Resultado prático: Estado enorme, pesado, repleto de privilégios e extremamente corrupto com repercussão na vida de todos e ainda merece destaque a formação abissal de um verdadeiro abismo entre os muito pobres e os muito ricos e uma triste constatação de que o Brasil tem uma classe média sufocada por quase 40 % de impostos.

A chegada da próxima década está aí... há fogo por todos os lados, e agora com as possibilidades trazidas pelas redes sociais em tornar transparentes ou escuras as luzes da democracia, caminhamos tateando para o ano de 2020.
Esses dois partidos e seus dois principais lideres, que deveriam ter entrado em aposentadoria desde 2003 e 2011, respectivamente, continuam atuantes e desafiam o progresso e a ordem neste país.

O que é necessário mesmo, o que é preciso mesmo é trabalhar programas e projetos econômicos e sociais novos, como os olhos em 2030, caso contrario não haverá pais para administrar quando esse horizonte chegar.  

Por isso mesmo, o apelo é imprescindível: "Deus salve os brasileiros de políticos ruins e falsos e famigerados profetas."

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr

Grande amigo doutor Márcio Melo, combateu o bom combate!

Grande amigo doutor Márcio Melo, combateu o bom combate!

Essa pandemia dos diabos, esse vírus chinês, esses desencontros políticos, esses protocolos demorados, essa crise de atendimento na saúde, essa crise

Agência Estadual AGERO realiza fiscalização

Agência Estadual AGERO realiza fiscalização

Na estrutura do Poder Executivo existe uma Agência de Regulação de Serviços Públicos Delegados do Estado de Rondônia conhecida desde 2015 como AGERO