Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Revisão na legislação do terceiro setor tende a expandir o credenciamento no SISPAR


A Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos, com o firme propósito de promover a implantação da nova lei do terceiro setor e com a determinação de fazer cumprir o melhor desempenho nos processos de credenciamento das organizações do terceiro setor, em razão dos dispositivos previstos na Lei 3.122 de 01.07.2013, autorizou a constituição de Comissão Especial de Analise que revisionou e emendou alguns dos artigos da norma, entre eles o artigo 20°, entre outros itens. De maneira a tornar simplificado o procedimento de credenciamento no sistema SISPAR – Sistema Integrado de Descentralização e Parcerias com o Terceiro Setor, preconizando a economicidade, a transparência e a desburocratização de processos.

Na medida em que os procedimentos relacionados com a técnica legislativa possam ser dirimidas e após a análise e aprovação pela ALE, a relação de documentos necessários ao credenciamento remonta maiores possibilidades de efetivar o credenciamento e menor espaço de tempo, haja vista que no detalhamento do novo artigo 20º a proposta de nova redação contempla apenas nove itens, sendo que nos procedimentos de titulação para Utilidade Pública, OS ou OSCIP a lista de documentos exigida foi mantida; A Comissão Especial de Analise da Lei 3.122 focou ainda sua proposta nos artigos 43, 54 e 65 que definem respectivamente as regras para o funcionamento da Gerência de Fomento ao Terceiro Setor, a forma da prestação de contas das entidades que receberem transferências voluntárias de recursos e ainda a estruturação do sistema SISPAR enquanto ferramenta de controle e acompanhamento dessas transferências.

Um ponto importante que ficou também esclarecido com a nova redação proposta diz respeito a não remuneração, sob qualquer forma de servidores públicos que estejam nos quadros de OSCIP como conselheiros – artigo 11-B. A definição põe fim a vários questionamentos e possíveis ambiguidades presumidas na interpretação da norma em vigor.

Como marco legal em nível estadual, a Lei 3.122 terá ao longo do tempo, e isso é natural, um processo de adaptação e ajustes de novas necessidades de modernização, levantados pela relação entre o Estado e a Sociedade Civil, na medida em que a execução das diversas políticas públicas possam apontar para essas necessidades de ajustes e refinamento.

Uma discussão que já está em andamento junto às lideranças do terceiro setor de Rondônia diz respeito a possibilidade de vir a luz uma lei estadual que trate de benefícios fiscais ou isenções parciais de tributação de responsabilidade do poder executivo que possa apoiar a redução efetiva dos custos operacionais relacionados com a gestão patrimonial dos bens adquiridos pelas organizações sociais que atuam por exemplo nas áreas de saúde e educação que precisam de veículos e de maquinas e equipamentos ou instrumentos específicos.

Os primeiros passos no sentido de promover o dialogo para essas mudanças estão sendo discutidos pela área técnica da Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos em seu plano de ação para ser implementado até o final de 2014 e que consiste principalmente em homologar as novas alterações na lei e a definitiva efetivação dos módulos do sistema SISPAR que dizem respeito aos editais, acompanhamento de execução física e financeira e a prestação de contas de repasses.

 
Francisco Aroldo Vasconcelos de Oliveira
Gerente de Fomento ao 3º Setor
Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos - S.E.A.E
Governo do Estado de Rondônia
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr