Porto Velho (RO) quinta-feira, 26 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Recursos para o desenvolvimento não faltam - Por Francisco Aroldo



Por FRANCISCO AROLDO, Economista.

Em Rondônia, recursos para o desenvolvimento urbano e rural sustentável não faltam, pelo menos do ponto de vista do orçamento do Estado e de suas relações organizacionais internas e externas por meio de parcerias e fomento.

Para se ter uma ideia numérica, dos R$ 7,346 bilhões do orçamento apresentado pelo executivo e aprovado pelo legislativo para o exercício fiscal desse ano de 2017, existem 1,845 bi nos exatos vinte fundos criados por legislação, ora federal, ora estadual e que são em ultima instância um formato de gestão compartilhada, sendo que a maioria desses fundos têm algum colegiado onde empresas e a sociedade civil detêm assentos, às vezes até mesmo em numero paritário com o Estado, em que pese que a gestão e a presidência sempre sejam do administrador público.

Para promover e fomentar o setor produtivo, grande gerador de emprego, renda, trabalho e prosperidade tributária, existe no orçamento do Estado de Rondônia temos os fundos: FIDER com R$ 14.315.000,00; o FITHA com R$ 138 milhões; o FESA com R$ 15 milhões; o PROLEITE com 8 milhões e o mais novo do ramo conhecido como FECOEP com 11 milhões e o fundo nanico FUNCAFÉ com apenas R$ 68 mil reais.

Significando apenas 2,53% do total do orçamento desse ano.

Segundo consta nos meios da administração pública, recursos há, mas faltam projetos e a boa defensa desses projetos nos meandros da legislação pesada e da burocracia obesa.

Realmente isso pode ser apreciado pela lista infindável de documentos que as organizações da sociedade civil tem a obrigação de apresentar para a captação desses recursos.

Sem falar do tempo dos trâmites que normalmente gira em torno de 100 a 180 dias para a escalada penosa da torre de acesso. Tem que ter fôlego, musculatura e cidadania para tal.

Para promover melhores dias a Rondônia, especialmente no próximo ano (2018), véspera de final de década, é imprescindível ao setor produtivo aproveitar os sinais na L.D.O já apresentada pelo Poder Executivo, que deverá tramitar na ALE que ao longo do próximo semestre se transforma em Lei orçamentária e que deve ser aprovada até dezembro próximo.

Promover o acompanhamento e a discussão é atitude significativa, especialmente para os que representam e têm paixão pelas cadeias produtivas: leite, café, grãos, carne e o transporte; onde uma parceria melhorada do Estado com o Mercado, com o Terceiro Setor e com as prefeituras e a própria União certamente que viabilizará melhorias no escoamento rodoviário e fluvial de nossos produtos, resgatando a manutenção e a segurança de empregos e renda.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Projeto Cidades Sustentáveis. No trecho que integra Porto Velho (RO) a Manaus (AM).

Projeto Cidades Sustentáveis. No trecho que integra Porto Velho (RO) a Manaus (AM).

Já completei 30 anos de residência aqui no amado estado de Rondônia. Acredito que tenho um bom estágio probatório para apontar algumas possibilidade

Legislação específica para servidores temporários no Brasil

Legislação específica para servidores temporários no Brasil

Meus caríssimos amigos e amigas leitores da minha coluna no Gente de Opinião, havia dias que eu não manifestava temas aqui, mas as redes sociais e o t

Política Nacional de Manutenção das Estruturas de Estado

Política Nacional de Manutenção das Estruturas de Estado

O Brasil é uma república federativa composta por 26 estados membros e um Distrito Federal (DF) como reza na atual Constituição da República Federati

Qual o valor do agronegócio para o Brasil?

Qual o valor do agronegócio para o Brasil?

O agronegócio segue confirmando o quanto é importante para a economia brasileira. No final da década passada (2020) vários artigos de vários jornais