Porto Velho (RO) segunda-feira, 13 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Quinta proposta para um Brasil novo na próxima década.


Quinta proposta para um Brasil novo na próxima década. - Gente de Opinião
Ano passado no meses de agosto e setembro eu publiquei algumas propostas simples para nosso Brasil. Foi um pouco antes das eleições para os cargos majoritários. 
Este ano, já estamos com novo governo e novas perspectivas para os planos P.P.A. estaduais e da União, faço repetir, reeditar as PROPOSTAS. 
Aqui vai a última (05) delas; quem sabe alguém ali nos gabinetes dos palácios em Brasilia-DF possa ler e conhecer, que me custa, sonhar... né? 
 
Prezados leitores, bem vindos a (05) quinta leitura desses cinco artigos nos quais meu interesse tem apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas propostas, dentre tantas, de mudança na nossa legislação atual e no nosso meio de viver e produzir; essas propostas, sendo debatidas e possivelmente um dia colocadas em prática certamente que trarão reflexos na economia local, regional e nacional de nosso país, transformando um pouco essa realidade sombria que nos incomoda desde meados desta década de 20.

Espero que seja pertinente e que vocês possam colaborar me enviando suas críticas e contribuições pelo e-mail:  [email protected]com
 

5.0    – Retorno dos Planos de Desenvolvimento Regional e Nacional 

O Brasil parou desde 2014, em relação a tantas coisas, em especial a capacidade do poder executivo (UNIÃO) em colocar os projetos e programas de desenvolvimento para rodar.

Na estrutura organizacional desse poder em Brasilia-DF temos entre tantos ministérios o de planejamento e orçamento e ainda o ministério da integração nacional que tem por exemplo na sua estrutura uma secretaria nacional do desenvolvimento regional.

Tudo parado.

Os técnicos e os projetos não decolaram desde o exercício fiscal do ano de 2015 e em 2017; após as mudanças ocorridas no Palácio do Planalto, estes também ficaram sem muita, digamos, atividade.

Estamos em recessão politica e administrativa.

Estamos em disputa desde esse tempo.

Ignominia nacional, um país ficar mais de 40 meses se dedicando apenas ao debate incansável e insolúvel do resultado das urnas e das "pedaladas fiscais", ocorridas ou não, entre um mandato e outro.

Resultado: paralisia e retrocesso.

Leia-se: desemprego, concentração de renda, desindustrialização e, de novo... eleições.

Caros leitores dessa coluna, é urgente que o Brasil retorne a lucidez técnica e producente dos grandes projetos, posto que o país é de dimensões continentais e seus tesouros regionais merecem bons gestores, com visão continental.

Um país tão grande e tão rico não deveria estar mergulhado há tantos meses nessa disputa colorida e com os programas de desenvolvimento estagnados.

Enquanto se discutiu de janeiro de 2015 a dezembro de 2017 o sexo dos anjos virtuais anacrônicos, a economia reduziu e os estados sem o azeite divino da boa vontade e do trabalho concentrado em resultados, feneceu.

Retomar as politicas nacionais, os projetos de desenvolvimento e comercio das nossas vocações e pautar uma reforma tributária e um NOVO CONTRATO SOCIAL é urgente.

Estamos entrando na próxima década sem norte e isso é extremamente perigoso, a menos que alguém queira realmente dividir geograficamente o Brasil e deixar que iniciem aqui sete ou oito novas nações, teremos que retomar os planos nacionais e os programas de desenvolvimento regional - com urgência, chega de piadas de mal gosto, chega de "mi-mi-mi"..., chega de discutir coisas que não elevam - chega de manipulação de todos os lados, chega de infância patriótica e discursos de ódio e divisão.

Vamos retornar ao pragmático, ao desenvolvimento social e econômico; vamos trabalhar e produzir, gerar emprego e renda para as famílias e realizar o sonho de todos: progresso e prosperidade com felicidade e segurança.

É disso que os mais de 214 milhões de brasileiros precisam.   (IBGE 2018)

Graça e Paz, sempre.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr

Grande amigo doutor Márcio Melo, combateu o bom combate!

Grande amigo doutor Márcio Melo, combateu o bom combate!

Essa pandemia dos diabos, esse vírus chinês, esses desencontros políticos, esses protocolos demorados, essa crise de atendimento na saúde, essa crise

Agência Estadual AGERO realiza fiscalização

Agência Estadual AGERO realiza fiscalização

Na estrutura do Poder Executivo existe uma Agência de Regulação de Serviços Públicos Delegados do Estado de Rondônia conhecida desde 2015 como AGERO