Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Quinta proposta para um Brasil novo na próxima década.


Quinta proposta para um Brasil novo na próxima década. - Gente de Opinião
Ano passado no meses de agosto e setembro eu publiquei algumas propostas simples para nosso Brasil. Foi um pouco antes das eleições para os cargos majoritários. 
Este ano, já estamos com novo governo e novas perspectivas para os planos P.P.A. estaduais e da União, faço repetir, reeditar as PROPOSTAS. 
Aqui vai a última (05) delas; quem sabe alguém ali nos gabinetes dos palácios em Brasilia-DF possa ler e conhecer, que me custa, sonhar... né? 
 
Prezados leitores, bem vindos a (05) quinta leitura desses cinco artigos nos quais meu interesse tem apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas propostas, dentre tantas, de mudança na nossa legislação atual e no nosso meio de viver e produzir; essas propostas, sendo debatidas e possivelmente um dia colocadas em prática certamente que trarão reflexos na economia local, regional e nacional de nosso país, transformando um pouco essa realidade sombria que nos incomoda desde meados desta década de 20.

Espero que seja pertinente e que vocês possam colaborar me enviando suas críticas e contribuições pelo e-mail:  [email protected]com
 

5.0    – Retorno dos Planos de Desenvolvimento Regional e Nacional 

O Brasil parou desde 2014, em relação a tantas coisas, em especial a capacidade do poder executivo (UNIÃO) em colocar os projetos e programas de desenvolvimento para rodar.

Na estrutura organizacional desse poder em Brasilia-DF temos entre tantos ministérios o de planejamento e orçamento e ainda o ministério da integração nacional que tem por exemplo na sua estrutura uma secretaria nacional do desenvolvimento regional.

Tudo parado.

Os técnicos e os projetos não decolaram desde o exercício fiscal do ano de 2015 e em 2017; após as mudanças ocorridas no Palácio do Planalto, estes também ficaram sem muita, digamos, atividade.

Estamos em recessão politica e administrativa.

Estamos em disputa desde esse tempo.

Ignominia nacional, um país ficar mais de 40 meses se dedicando apenas ao debate incansável e insolúvel do resultado das urnas e das "pedaladas fiscais", ocorridas ou não, entre um mandato e outro.

Resultado: paralisia e retrocesso.

Leia-se: desemprego, concentração de renda, desindustrialização e, de novo... eleições.

Caros leitores dessa coluna, é urgente que o Brasil retorne a lucidez técnica e producente dos grandes projetos, posto que o país é de dimensões continentais e seus tesouros regionais merecem bons gestores, com visão continental.

Um país tão grande e tão rico não deveria estar mergulhado há tantos meses nessa disputa colorida e com os programas de desenvolvimento estagnados.

Enquanto se discutiu de janeiro de 2015 a dezembro de 2017 o sexo dos anjos virtuais anacrônicos, a economia reduziu e os estados sem o azeite divino da boa vontade e do trabalho concentrado em resultados, feneceu.

Retomar as politicas nacionais, os projetos de desenvolvimento e comercio das nossas vocações e pautar uma reforma tributária e um NOVO CONTRATO SOCIAL é urgente.

Estamos entrando na próxima década sem norte e isso é extremamente perigoso, a menos que alguém queira realmente dividir geograficamente o Brasil e deixar que iniciem aqui sete ou oito novas nações, teremos que retomar os planos nacionais e os programas de desenvolvimento regional - com urgência, chega de piadas de mal gosto, chega de "mi-mi-mi"..., chega de discutir coisas que não elevam - chega de manipulação de todos os lados, chega de infância patriótica e discursos de ódio e divisão.

Vamos retornar ao pragmático, ao desenvolvimento social e econômico; vamos trabalhar e produzir, gerar emprego e renda para as famílias e realizar o sonho de todos: progresso e prosperidade com felicidade e segurança.

É disso que os mais de 214 milhões de brasileiros precisam.   (IBGE 2018)

Graça e Paz, sempre.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Qual o valor do agronegócio para o Brasil?

Qual o valor do agronegócio para o Brasil?

O agronegócio segue confirmando o quanto é importante para a economia brasileira. No final da década passada (2020) vários artigos de vários jornais

Cuide bem do seu tesouro; cuide bem de você e de sua família

Cuide bem do seu tesouro; cuide bem de você e de sua família

Pessoal, caros amigos e amigas, irmãos e irmãos, colegas e caminhantes; gostaria de sua atenção por seis ou sete minutos, é o tempo de ler essa mens

Por um projeto real de desenvolvimento para o sul da Amazônia

Por um projeto real de desenvolvimento para o sul da Amazônia

Outra vez estamos retomando a questão de planejamento do desenvolvimento regional da região geográfica do sul da Amazônia Brasileira, cujos desafios

Execução Orçamentária e a Arrecadação em Rondônia

Execução Orçamentária e a Arrecadação em Rondônia

A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (SEPOG), órgão da estrutura do Poder Executivo responsável pelo planejamento, acompanhame