Porto Velho (RO) segunda-feira, 3 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Plano Integrado de Reconstrução e Prevenção de Desastres para o Estado de Rondônia


 
O inverno de 2014, no ano do centenário oficial da cidade de Porto Velho chegou carregado pelas águas do degelo andino e pelas chuvas que assombram o povo boliviano desde o natal do ano passado. Os meses de fevereiro e​ março certamente ficarão marcados para muito tempo na cultura local, especialmente de mais de 3 mil famílias atingidas em sete municípios que são banhados pelo Rio Madeira e seus afluentes de cabeceira.

Dentre tantas pessoas atingidas diretamente e mesmo indiretamente, algumas autoridades do executivo perderam o sono por mais de sessenta dias e entre tanto vai e vem da burocracia da União, do próprio governo do Estado e nas entrelinhas e mumunhas do poder local, destaco a intransigência e curta visão de algum alcaide, chegamos ao mês de junho com um plano.

Finalmente a estrutura de governo empoderou-se e convocou seus técnicos e a sociedade civil para discutir propostas para a reconstrução. Foi-se ao longo do mês de maio que rodadas de mesas de discussão e mediação produziram o documento lustroso divulgado na manha do dia 09 de junho pelo senhor governador reunindo investimentos no patamar dos 2,81 bilhão para ações emergenciais e curto e médio prazos para garantir dignidade, esperança e melhoria da atual situação dos povos ribeirinhos.

São vinte projetos de infraestrutura; dez de inclusão social; seis ligados à politica pública de manutenção e garantias da saúde; e nove programas dedicadas a questões do meio ambiente. As fontes de recursos, naturalmente são públicos e 80% destes virão pelos Ministérios da Integração, Cidades, Meio Ambiente, Saúde e Educação.

Esse trabalho foi desencadeado após Decreto de Calamidade Pública emitido pelo executivo estadual que tem a missão constitucional de reunir os esforços institucionais, os meio humanos, físicos e financeiros para garantir a recuperação dos meios de vida e da qualidade de vida advindos de catástrofes naturais.

Agora que amainaram os ânimos e que temos um Plano, nossa esperança repousa que as divergências políticas nessa época de campanha sejam deixados de lado e que todos possamos naturalmente colocar mãos à obra para o sucesso desses investimentos e a recuperação plena da economia do estado.

Francisco Aroldo Vasconcelos de Oliveira
Gerente de Fomento ao 3º Setor
Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos - S.E.A.E
Governo do Estado de Rondônia

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr