Porto Velho (RO) quinta-feira, 26 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Final do calendário de crédito rural, desempenho difícil para o agro



A crise anunciada há quase dezoito meses pelos especialistas do centro do país começa a dar o tom para os negócios também no setor rural, tendo em vista que para o setor da Industria, o sinal é vermelho desde 2014. Mas o agro é mesmo forte e tem sido a salvaguarda da nossa balança comercial. Vamos ver agora em julho os números que devem saltar da frigideira para o fogo.

Ocorre que nos últimos cinco anos é mesmo o setor produtivo do agronegócio brasileiro quem está segurando as pontas. Mas porque o mundo precisa de alimentos. Não se enganem. Para produzir esses alimentos. Precisamos de insumos e muitas vezes esses insumos estão dolarizados o que comprometeu os contratos de commodities de dezembro para cá. Os produtores de classe média rural e as grandes empresas comercia​is tiveram que rever todos os seus preços para cima, com certeza. E o produtor rural do inicio de todas as cadeias produtivas está arcando com essas diferenças abissais.

Aqui em nossa Rondônia o caso está repercutindo há doze meses com a carne, mas desdobrasse também sobre o leite e frutas e verduras que buscam acompanhar os preços das prateleiras dos supermercados, mas é como a lebre e a tartaruga no conto inglês.

Com a virada do semestre os produtores certamente estão com o grau de endividamento em evidência e a expectativa para o final de 2016 infelizmente não é boa. Mas é preciso apostar. É preciso produzir.

Uma boa dica é que os sindicatos, cooperativas, associações e os representantes do setor rural possam lançar mãos de especialistas em fóruns, encontros e nas Feiras estaduais e regionais para olhar mais adiante. Olhar para 2017 e 2018.

Um olhar seguro pelo ambiente melhor, politicamente falando.

E fazer mesmo os investimentos que serão necessários.

O Governo central bem que poderia ajudar.

Diminuindo gastos desnecessários e reduzindo pelo Ministério da Fazenda e por Decretos bem elaborados a atual carga de impostos.

Não dá para continuar pedindo aos produtores que tenham paciência e convicções se o maior gastador do bolo econômico não fizer também seus apertos no cinto.

Vamos trabalhar e apostar, mas vamos cobrar.

O setor produtivo precisa melhorar sua organização e se encontrar mais.

O debate enriquece as propostas.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Projeto Cidades Sustentáveis. No trecho que integra Porto Velho (RO) a Manaus (AM).

Projeto Cidades Sustentáveis. No trecho que integra Porto Velho (RO) a Manaus (AM).

Já completei 30 anos de residência aqui no amado estado de Rondônia. Acredito que tenho um bom estágio probatório para apontar algumas possibilidade

Legislação específica para servidores temporários no Brasil

Legislação específica para servidores temporários no Brasil

Meus caríssimos amigos e amigas leitores da minha coluna no Gente de Opinião, havia dias que eu não manifestava temas aqui, mas as redes sociais e o t

Política Nacional de Manutenção das Estruturas de Estado

Política Nacional de Manutenção das Estruturas de Estado

O Brasil é uma república federativa composta por 26 estados membros e um Distrito Federal (DF) como reza na atual Constituição da República Federati

Qual o valor do agronegócio para o Brasil?

Qual o valor do agronegócio para o Brasil?

O agronegócio segue confirmando o quanto é importante para a economia brasileira. No final da década passada (2020) vários artigos de vários jornais