Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Encerramento de um semestre produtivo em 2014


Amanhã será o quarto jogo da seleção brasileira, partida em que nossos irmãos enfrentam o Chile, vizinho de América do Sul e primos de colonização. Curioso como a cultura popular sobressai com os sentimentos previsíveis do senso comum em relação a placar. Pergunto a todos os amigos desde ontem sobre placares e sempre são positivos ao Brasil, sempre com dois ou três gols de diferença a maior, claro. Parece que com a economia em ano de eleição e copa nossas autoridades em Brasilia acompanham o senso comum e deixam mesmo para "a mão invisível" do mercado a solução de problemas que são de ordem interna. Estamos fechando o semestre com indicadores pouco satisfatórios para o desempenho da economia e parece mesmo que a cúpula do poder apenas vislumbra composições, conchavos e o processo eleitoral que se aproxima - cuidemos de nós, primeiro. Os incentivos fiscais, os projetos de leis que se arrastam no Congresso, matérias importantes como a construção de ferrovias, oleodutos, gasodutos e reconstrução de cidades inundadas ficarão para depois do recesso parlamentar, nesse ínterim, bom para a classe política e para as viagens, curiosamente será quando a copa do mundo caminhará para seu desfecho. Parece mesmo que os bons ventos sempre são favoráveis a quem mais tem. enquanto isso, o restante da América, os asiáticos e a Europa combinam como resolver os seus problemas de caixa e o mercado se prepara para 2015. De quatro em quatro anos vemos o mais do mesmo. Eleições, copa, carnaval, feriados, mais do mesmo. Seria muita sorte se houvessem mudanças politicas e fiscais que ajustassem nosso calendário nacional para que as disputas eleitorais fossem gerais de cinco em cinco anos e que os tributos caíssem pela metade, dando vazão ao espírito da produção e da produtividade, latentes no povo brasileiro desde as capitanias hereditárias, mas que a cúpula do poder sempre nega às camadas sociais que idealizam e promovem o progresso. Dia desses vi no facebook que por aqui, no Brasil, temos a competência de separar a ordem do progresso e parece que a ordem (classe politica que tem o poder) e o progresso (o cidadão) pensam muitas vezes diametralmente opostos aos interesses de um programa de nação e de Estado. Consolida-se a cada quatro anos o pensamento de varejo e imediatismo em detrimento de programas decenais de desenvolvimento. Pare bem da verdade, esse sistema de pensamento é antigo, mas consolidou-se como prática e se instalou no governo central desde meados do exercício de 2002. Sob essa perspectiva, cabe-nos aguardar o inicio desse próspero semestre para conferir os resultados do PIB e dos nossos indicadores sociais em ano de copa e de eleição. Pensamento positivo e muita figa.


Francisco Aroldo Vasconcelos de Oliveira
Gerente de Fomento ao 3º Setor
Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos - S.E.A.E
Governo do Estado de Rondônia

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr