Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

EMPREENDEDORISMO SOCIAL SEGUNDA ABORDAGEM


Caros amigos leitores do Gente de Opinião, convido-os a retomar o tema do empreendedorismo social, dessa vez procurando desenvolver as características do comportamento dos lideres do terceiro setor que contribuem no país e no estado de Rondônia para a promoção dos valores culturais, educacionais, produtivos e inclusivos e ainda nos segmentos da assistência social e da saúde.
 
​Como descrito no artigo anterior, o empreendedorismo social deriva do conceito empregado para o comportamento do empresário que tem entre muitas qualidades a de planejar correndo riscos calculados, liderar processos, especialmente em crises, inovar com inteligência e promover a produção com vistas ao beneficio de seu empreendimento. Posto isto, no campo empresarial já entendemos que o individuo com essas caraterísticas e competência realiza suas ações com vistas a prosperar economicamente e preferencialmente elevando seus lucros; no mundo do empreendedorismo social a lógica é mais abrangente. As características de comportamento do empreendedor social impulsionam causas coletivas, de interesse público e procuram solucionar prolemas locais de saúde, educação, cultura, esporte e lazer ou a geração de tramalho e oportunidades de renda a populações vulneráveis economicamente.
 
Percebe-se que o comportamento e a atitude do empreendedor social não é o resultado individualizado pela busca do lucro como forma de resultado de suas ações e de liderança - caraterística do segmento privado; mas que o líder social procura nas suas habilidades gerar resultados nos programas e projetos de amplitude coletiva, gerando meios de melhorar a vida de outras pessoas. Para tanto o empreendedor social lança mão de técnicas de gestão corporativa e de organização e método de trabalho que garantem os resultados almejados.
 
Métodos de controle de estoques em hospitais mantidos por organizações do terceiro setor já admitem o programa cinco s, uma metodologia japonesa para que as industrias possam diminuir desperdícios e melhorar seu fluxo de caixa.
 
O planejamento e o acompanhamento das ações e atividades inerente de um projeto social são também desenvolvidos por outras ferramentas de controle oriundos do setor empresarial, como o ciclo PDCA e o planejamento estratégico de médio e longo prazos. Essas técnicas de planejamento e supervisão das ações da industria e do comercio foram difundidas no Brasil na década de noventa e hoje já estão sendo aplicadas em programas sociais e unidades de educação, esporte, hospitais e creches coordenadas por empreendedores sociais de visão de resultados.
 
Há críticos da utilização dessas ferramentas de melhoria que dizem que o assistencial, a saúde e a educação se fazem apenas com boa vontade e voluntariado pois acreditam que o serviço social do terceiro setor deve pautar suas ações e métodos pelo emprego desinteressado do tempo.
 
Registro que na Europa e na América, desde a década de 80 as organizações do terceiro setor desenvolver com responsabilidade e profissionalismo suas atividades pautadas pelo emprego dessas ferramentas de administração e gestão modernas e que no Brasil desde meados dos anos 90 o sul e o sudeste e também o nordeste já aderiram a essa forma de empreendedorismo social com resultados na queda da mortalidade infantil, aumento do conhecimento profissional de jovens, trato de doenças da terceira idade, ampliação de participação na cultura, esporte e lazer e ainda na geração de renda e oportunidades de trabalho como é o caso da economia solidária.
 
Em Rondônia temos o desafio de ampliar o debate e promover ações de capacitação e de desenvolvimento dos talentos do empreendedorismo social para inserir mais e mais organizações nesse contexto de resultados e efetividade.
 
Portanto, vamos à obra.
 
 
Francisco Aroldo Vasconcelos de Oliveira
Gerente de Fomento ao 3º Setor
Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos - S.E.A.E
Governo do Estado de Rondônia

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr