Porto Velho (RO) quarta-feira, 17 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

CONSORCIO BRASIL CENTRAL, um novo desenho de gestão pública descentralizada - Por Francisco Aroldo


CONSORCIO BRASIL CENTRAL, um novo desenho de gestão pública descentralizada - Por Francisco Aroldo - Gente de Opinião

Para aqueles que ainda não sabem e para aqueles que acompanham de perto esse consórcio público chamado de Brasil Central é uma entidade associativa de caráter público, composta pelos estados do Maranhão (MA), Mato grosso (MT), Mato grosso do Sul (MS), Goiás, (GO), Rondônia(RO), Tocantins (TO) e pelo Distrito Federal (DF).

Isso mesmo. Seis estado da Federação e mais o Distrito federal criaram em 2017 um mecanismo estratégico de planejamento e gestão de planos e projetos em conjunto que visam auxiliar a gestão pública e o desenvolvimento das ações de incentivo ao progresso e a prosperidade, respeitando as vocações de cada unidade.

Percebe-se que desde 2015 até meados de 2017 foi um trabalho de reuniões e convencimento, estudos jurídicos e cenários políticos e econômicos encomendados pelas sete equipes técnicas que acabaram por culminar na criação do primeiro consorcio interestadual bem no meio do país.

O presidente este ano do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central é o governador de Mato Grosso, Pedro Taques.

Ele assume mandato de um ano no lugar do governador de Goiás, Marconi Perillo.

A cerimônia foi no Palácio do Itamaraty, durante o Seminário Brasil Central: Transpondo Barreiras e Ampliando Fronteiras.

O Consórcio Brasil Central foi criado com o objetivo de fomentar o crescimento individual e regional com base na cooperação entre os chefes dos Executivos locais.

Do ponto de vista da produção agropecuária - nota-se que desde 2012 vem salvando o PIB brasileiro, os números do somatório dos PIB desses sete são como um país da Europa.

E ainda que o sistema de escoamento dessa produção segue pelo estado de Rondônia, no caso das bacias do Madeira e Rio Negro e pelo extremo do mapa desenhado com o consórcio temos a saída de produtos pelo Maranhão.

Muito inteligente e produtivo esse consorcio.

Tem também uma questão de politica institucional nisso, imagina o resultado do desempenho medido pelos estados unindo-se ao Distrito Federal (DF) e a possibilidade de novos desenhos geográficos e de geopolítica para a próxima década.

Vamos seguindo.

A década de vinte do terceiro milênio está a caminho, tudo poderá ser diferente para o povo,para as empresas e administradores públicos desse pedaço central de Brasil novo.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

QUE SEJA UMA SEMANA DE PAZ E DECISÃO DEMOCRÁTICA - Por  Aroldo Vasconcelos

QUE SEJA UMA SEMANA DE PAZ E DECISÃO DEMOCRÁTICA - Por Aroldo Vasconcelos

Estamos na primeira semana do mês de outubro do ano de 2018, a segunda década desse milênio terceiro de nosso senhor Jesus Cristo sinaliza para o Bras

Retorno dos Planos de Desenvolvimento Regional e Nacional - Por Francisco Aroldo.

Retorno dos Planos de Desenvolvimento Regional e Nacional - Por Francisco Aroldo.

O Brasil parou desde 2014, em relação a tantas coisas, em especial a capacidade do poder executivo...

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo.

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo.

  Prezados leitores, bem vindos a esta terceira leitura de cinco artigos os quais guardam apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas p

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo

Prezados leitores, bem vindos a esta terceira leitura de cinco artigos os quais guardam apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas pro