Porto Velho (RO) domingo, 26 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

CONSORCIO BRASIL CENTRAL, um novo desenho de gestão pública descentralizada - Por Francisco Aroldo


CONSORCIO BRASIL CENTRAL, um novo desenho de gestão pública descentralizada - Por Francisco Aroldo - Gente de Opinião

Para aqueles que ainda não sabem e para aqueles que acompanham de perto esse consórcio público chamado de Brasil Central é uma entidade associativa de caráter público, composta pelos estados do Maranhão (MA), Mato grosso (MT), Mato grosso do Sul (MS), Goiás, (GO), Rondônia(RO), Tocantins (TO) e pelo Distrito Federal (DF).

Isso mesmo. Seis estado da Federação e mais o Distrito federal criaram em 2017 um mecanismo estratégico de planejamento e gestão de planos e projetos em conjunto que visam auxiliar a gestão pública e o desenvolvimento das ações de incentivo ao progresso e a prosperidade, respeitando as vocações de cada unidade.

Percebe-se que desde 2015 até meados de 2017 foi um trabalho de reuniões e convencimento, estudos jurídicos e cenários políticos e econômicos encomendados pelas sete equipes técnicas que acabaram por culminar na criação do primeiro consorcio interestadual bem no meio do país.

O presidente este ano do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central é o governador de Mato Grosso, Pedro Taques.

Ele assume mandato de um ano no lugar do governador de Goiás, Marconi Perillo.

A cerimônia foi no Palácio do Itamaraty, durante o Seminário Brasil Central: Transpondo Barreiras e Ampliando Fronteiras.

O Consórcio Brasil Central foi criado com o objetivo de fomentar o crescimento individual e regional com base na cooperação entre os chefes dos Executivos locais.

Do ponto de vista da produção agropecuária - nota-se que desde 2012 vem salvando o PIB brasileiro, os números do somatório dos PIB desses sete são como um país da Europa.

E ainda que o sistema de escoamento dessa produção segue pelo estado de Rondônia, no caso das bacias do Madeira e Rio Negro e pelo extremo do mapa desenhado com o consórcio temos a saída de produtos pelo Maranhão.

Muito inteligente e produtivo esse consorcio.

Tem também uma questão de politica institucional nisso, imagina o resultado do desempenho medido pelos estados unindo-se ao Distrito Federal (DF) e a possibilidade de novos desenhos geográficos e de geopolítica para a próxima década.

Vamos seguindo.

A década de vinte do terceiro milênio está a caminho, tudo poderá ser diferente para o povo,para as empresas e administradores públicos desse pedaço central de Brasil novo.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Brasil vai encerrar 2019 com um novo desenho

Brasil vai encerrar 2019 com um novo desenho

Eu tenho falado aos meus alunos, em minhas palestras e escrito em meus artigos desde 2016 sobre os consórcios interestaduais, essas associações públic

Rondônia precisa de um bom plano para o agro

Rondônia precisa de um bom plano para o agro

Ao longo desta década, Rondônia alcançou ano a ano um bom desempenho no setor produtivo rural desde 2011; a cadeia produtiva da carne e do leite somad

Reflexão sobre as propostas do Governo neste trimestre

Reflexão sobre as propostas do Governo neste trimestre

Estamos já na metade do mês de abril e poucos projetos do poder Executivo estão na mesa para apreciação pelos representantes de todos os estados. Os d

Impostos estaduais sobre a cesta básica oneram consumidor empobrecido

Impostos estaduais sobre a cesta básica oneram consumidor empobrecido

O tema relacionado com os impostos no Brasil, de uma maneira geral tira o sono de empresários e dos consumidores; isso não ocorre do lado dos operador