Porto Velho (RO) quarta-feira, 17 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Alguns pontos importantes para as eleições - Por Aroldo


É certo que quando se analisa a recente história de eleição no Brasil vemos muitas pequenas mudanças introduzidas desde a virada do milénio; são muitas ideias, tecnologias, experiências inovadoras variadas e o fato de possuir um dos maiores colégios eleitorais do mundo, o que traduz uma potencial disputa acirrada.

Um pouco mais atrás, vale a pena lembrar - desde a Constituição de 1.824, se previa a competência do Poder Legislativo no que concerne à edição de regras e ao controle dessas eleições. Essa era uma das formas utilizadas para se preservar a autonomia e independência do Poder Legislativo em relação ao Poder Executivo, sendo exercida, inclusive, por órgão próprio, denominado de “Comissão de Verificação Eleitoral”.

De lá para cá os anos se passaram e as inovações chegaram.

Hoje aquele importante papel institucional é exercido pela Justiça Eleitoral (criada em 1.932), sendo responsável pelo controle das eleições.

Todavia, além de controlar os atos preparatórios e organizacionais das eleições, bem como solucionar as questões litigiosas entre os partidos e os candidatos, a Justiça Eleitoral também possui uma função normativa.

Obviamente que não se assemelha ao Poder Legislativo, mas ostenta sua singularidade.

Ao Poder Legislativo reside a incumbência de promover as grandes alterações na legislação eleitoral, inclusive as reformas eleitorais mais importantes, principalmente aquelas que visem melhorar o sistema eleitoral vigente, atendendo aos anseios da população, para que os índices de representatividade possam ser, por assim dizer: otimizados.

Para as eleições de 2018, o Poder Legislativo editou algumas modificações importantes, que certamente irão alterar o regramento eleitoral dos candidatos e dos partidos.

É verdade que não se trata da reforma política amplamente esperada pela sociedade, mas representa uma resposta política do Congresso Nacional.

A primeira importante mudança é a criação do Fundo Especial para Financiamento de Campanha, que será abastecido com recursos públicos. O orçamento aprovado ano passado para esse exercicio é de R$ 1,71 bilhão de reais, que serão distribuídos entre os partidos políticos.

Essa novidade vem como consequência direta do julgamento da Ação Direta de Inconstitucional nº 4650, onde o Supremo Tribunal Federal declarou a inconstitucionalidade do financiamento empresarial de campanha.

Também tornou-se factível a arrecadação de recursos por meio de “vaquinhas online” a partir do dia 15 de maio de 2018, como também a venda de bens e serviços, além da promoção de eventos.

Quanto ao limite de doações de pessoas físicas, foram realizadas duas alterações na legislação eleitoral. A primeira alteração diz respeito à multa por doação em excesso, que passa do quantitativo de cinco a dez vezes o valor doado em excesso para somente 100% desse valor, que não chega nem a ser o dobro, mas somente uma vez o próprio valor do excesso. A segunda alteração diz respeito ao limite de doação para recursos estimáveis em dinheiro, que passa a ser de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) por doador e passa a englobar expressamente a utilização de bens móveis e imóveis e a prestação de serviços próprios, alterando assim a legislação anterior que previa somente a utilização de bens móveis ou imóveis (art. 23, §7º, Lei nº 9.504/97).

Atenção portanto: manteve-se a limitação de doações para pessoas físicas a 10% (dez por cento) dos rendimentos brutos auferidos pelo doador no ano anterior à eleição.

Também foram feitas algumas alterações no que concerne aos gastos de campanha. A legislação passou a prever os custos com a criação e inclusão de sítios na internet e com o impulsionamento de conteúdos contratados diretamente com provedor da aplicação de internet, o que dantes era literalmente vedado pela legislação.

Uma interessante alteração no que concerne aos gastos de campanha diz respeito à descaracterização como gastos de campanha as despesas realizadas com alguns itens de natureza pessoal do próprio candidato, compreendendo-se: a) combustível e manutenção de veículo automotor usado pelo candidato na campanha; b) remuneração, alimentação e hospedagem do condutor do veículo a que se refere a alínea a deste parágrafo; c) alimentação e hospedagem própria; d) uso de linhas telefônicas registradas em seu nome como pessoa física, até o limite de três linhas. Em outra sorte, não são mais considerados gastos de campanha, não devendo serem incluídos nas prestações de contas.

De outra sorte, importante ressaltar que essas despesas, justamente por não receberam a classificação das gastos de campanha, não podem ser mais custeados com verbas do fundo partidário ou do fundo especial de financiamento de campanha, sob pena serem despesas irregulares, sujeitando o candidato a devolução dos valores informados e a reprovação das contas.

As emissoras de rádio e televisão continuam com a faculdade de transmitir os debates sobre as eleições majoritária ou proporcional, assegurando a participação de candidatos dos partidos com representação no Congresso Nacional, de, no mínimo, cinco parlamentares.

Pois é, aquela emoção de campanhas realizadas nas décadas de 80 e 90 chamadas livres e participativas, que emocionavam e traziam cantores e eventos sociais de alto cacife para as capitaia e algumas bibocas, ficou na saudade; agora os candidatos têm inúmeras obrigações, equipe técnica e assessores que devem ficar ligados nos manuais de mais de 200 paginas e os advogados consumindo tempo e honorários para ficar em total alerta para os editos eleitorais que saem do hoje forte e altamente tecnológico TSE.

Mas você pode doar para a vaquinha leitoral do seu partido ou candidato até R$ 1.064,10 por dia a partir de amanha até o dia 15 de agosto para empresas as 17 credenciadas no portal eletronico do TSE.

Esse dinheiro ficará congelado em conta especifica e o candidato apenas poderá utilizar esses valores dentro da lista de gastos determinados pelo TSE em normativa publicada dia 18.12.2017 e de acordo com o mais perfeito calendário executivo eleitoral.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

QUE SEJA UMA SEMANA DE PAZ E DECISÃO DEMOCRÁTICA - Por  Aroldo Vasconcelos

QUE SEJA UMA SEMANA DE PAZ E DECISÃO DEMOCRÁTICA - Por Aroldo Vasconcelos

Estamos na primeira semana do mês de outubro do ano de 2018, a segunda década desse milênio terceiro de nosso senhor Jesus Cristo sinaliza para o Bras

Retorno dos Planos de Desenvolvimento Regional e Nacional - Por Francisco Aroldo.

Retorno dos Planos de Desenvolvimento Regional e Nacional - Por Francisco Aroldo.

O Brasil parou desde 2014, em relação a tantas coisas, em especial a capacidade do poder executivo...

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo.

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo.

  Prezados leitores, bem vindos a esta terceira leitura de cinco artigos os quais guardam apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas p

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo

Propostas para um novo Brasil - Por Francisco Aroldo

Prezados leitores, bem vindos a esta terceira leitura de cinco artigos os quais guardam apenas uma pretensão técnica e pontual: distinguir algumas pro