Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

A MELHOR OPÇÃO PARA TITULAÇÃO AINDA É A LEI 9790/99.


 
Entre 1995 e 1999 no Congresso Nacional tramitou duas Leis que marcaram mudanças para as organizações do terceiro setor no pais. A Lei das OS e a Lei das OSCIPS.

Cada uma representava um grupo distinto de interesses e mudanças em prol da transparência, da gestão e das formalidades para a prestação de contas e aplicação efetiva de recursos públicos em projetos sociais pela iniciativa privada em espaços públicos não-Estatais. Foi o fechamento da década de noventa.
A primeira foi promulgada em 1998 e a segunda em 1999. As organizações e os órgãos de controle da União, Estados e Municípios levaram cinco anos para conhecer, reconhecer e adaptar-se às novas modalidades de transferências de dinheiro para o patrocínio e iniciativas sociais em todo o Brasil.

Evidente que não foram suficientes pois a figura dos convênios e contratos especialmente para os municípios de menor porte e IDH continuam até hoje como a melhor das possibilidades. Isso tem uma relação direta com a vontade de muitos operadores estatais em que os serviços do terceiro setor não possam profissionalizar, mantendo-se uma relativa dependência.

Para as organizações que apostaram em modernização, gestão, independência e captação de recursos privados a legislação que melhor ampara é a titulação pela lei federal de 23 de março de 1999 - a que dá condições às organizações de manterem uma conta para a captação de recursos públicos e uma outra para a captação de doações e recursos privados de empresas e empreendedores sociais.

Os estatutos sociais dessas organizações também dão a oportunidade de a diretoria ser remunerada sem a perca dos benefícios fiscais gozados por seus mantenedores e doadores perenes ou esporádicos.

Desde que no ano 2000 o Decreto presidencial 3.100 foi promulgado até ano passado muitas organizações tituladas como OSCIP realizaram milhares de projetos e movimentaram milhões de recursos especialmente no nordeste, sul e sudeste gerando oportunidades de renda, trabalho, cidadania, saúde e educação para milhões de brasileiros.

O norte e o centro-oeste precisam vencer suas barreiras e conhecer o valoroso trabalho dessas organizações. Trata-se de um modelo gerencial, estruturado juridicamente e com benefícios fiscais e tributários para seus mantenedores e doadores eventuais.

A sociedade e os resultados pragmáticos com transparência são visíveis e consolidados em 14 anos de prática.


Francisco Aroldo Vasconcelos
E c o n o m i s t a
Terceiro Setor


 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr