Porto Velho (RO) domingo, 27 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas


A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas - Gente de Opinião

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e o aumento dos riscos provocados pela pandemia de coronavírus na atividade de entregadores de aplicativos fez com que esses se mobilizassem.

E ao longo dessas três últimas semanas eles fizeram pressão nas grandes empresas como iFood, Uber Eats e Rappi para aqueles aumentar o valor das corridas e melhorar as condições de trabalho. Doce ilusão jovial. Voltamos à velha discussão das lutas de classes que muita gente engomadinha tem tentado esconder por baixo de Iphones de R$ 8.000 reais e muita propaganda disléxica.

De acordo com a matéria da BBC, a segunda paralisação nacional do Breque dos Apps ocorreu no sábado (25/7) em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Vitória, Porto Alegre e Rio Branco, mas, em geral, com atos menores que os realizados no início do mês; ora, enquanto a mobilização contra as plataformas perde fôlego nas ruas, parte dos entregadores está tentando criar um caminho alternativo para melhorar de vida ­­— querem fundar uma cooperativa, com seu próprio aplicativo de entrega, para trabalhar "sem patrão".

Aqui em Porto Velho, aconteceu algo parecido durante exatamente 05 (cinco) semanas; foi no mês de março e abril, quando apareceu gente interessada em criar uma associação, reviver um sindicato e fundar uma cooperativa estadual... que morreu de inanição antes do mês de maio...

O que soa uma grande pena – ausência de lideranças preparadas e de orientação técnica abalizada no tema e lógico um bom assessoramento jurídico.

Tanto agora, como em abril aqui em Porto Velho; quando as corridas do transporte de aplicativos caiu 90% e mais de 500 trabalhadores entregaram seus veículos na segunda semana de abril, quanto agora em julho, com esse novo e necessário movimento internacional, o que resta é esse grito para todos de uma obviedade perene: a saída de pequenos é organizar suas associações, sindicatos e cooperativas.

Essa é de verdade a mais perfeita e necessária saída, sempre foi a melhor alternativa; está na Lei e está na veia da vida urbana; mas tem que saber promover os caminhos corretos para fundar, estabelecer, manter e concorrer no mundo nada de ALICE das concorrências globais, onde empresários bem vestidos, moradores em grandes capitais metropolitanas do globo, pagam uma equipe técnica e vários jurídicos para acalmar os ânimos daqueles que costumeiramente são explorados.

Essa é a realidade virtual, atual, nua e crua. Mesmo num mundo digital, modernoso e carinhosamente cheio de ideais futuristas, a verdade é que, na essência, nada mudou, continuam explorados e exploradores, talvez com apenas essas sutilezas e essas novas formas de aplainar a vontade do trabalhador de ter mais renda e dignidade para as suas famílias, sendo negada pelo simples pensamento de esperteza e superioridades impostas.

Você que me lê nessas poucas linhas e que está na base da pirâmide social anote na sua agenda ou no seu celular: por favor, definitivamente, não acredite que grandes empresas vão cuidar bem de você e de seus interesses...

O mundo competitivo é radical. Mova-se, una-se, estude e alinhe-se com os outros; realize coletivamente seu sonho de ser proprietário da sua empresa, ou seja, funde uma cooperativa que nada mais é que uma empresa associativa.

Eu, particularmente conheço um pouco do associativismo e do cooperativismo urbano e rural desde o final do ano de 1.999, quando fui, em Rondônia o coordenador estadual do programa federal Comunidade Solidária e também do programa comunidade ativa (programa de cunho de formação de cidadania ativa e empreendedorismo coletivo que foi criado pela saudosa doutora Ruth Cardoso e que sobreviveu no âmbito federal em todo o Brasil até 2003).

Para os pequenos agricultores da rede de agricultura familiar a saída é com certeza o associativismo e o cooperativismo.

Para os pequenos empreendedores (informalidade cresceu 35% esse ano no Brasil) e para os trabalhadores formais de determinadas atividades e serviços urbanos a saída é realmente fundar uma cooperativa e trabalhar duro para o sonho crescer e se manter.

Graça e paz, Deus no comando sempre... Mas, por favor, faça a sua parte.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

Enquanto isso, no centro do Brasil

Enquanto isso, no centro do Brasil

Em dezembro desse ano completo 28 anos de moradia em Rondônia, com a minha família, vindos do nordeste para conhecer e trabalhar nas terras do Marec

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Falando aqui sobre o Projeto AMACRO

Ano passado eu escrevi dois artigos sobre a importância de uma coalisão entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia, especialmente na região geogr