Porto Velho (RO) quarta-feira, 29 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

ACRM

UNIVERSIDADE E EMPRESA UM CASAMENTO DE CONVENIÊNCIAS


 

Por Júlio César B. Rocha

No Brasil não existe uma relação de amor e ódio entre o mundo das universidades e o ambiente empresarial: existe afastamento, divórcio prévio das consciências, mútua desconfiança, estranhamento recíproco e desavenças amplificadas. As parcas parcerias que aproximam, de quando em vez, os dois mundos, se fazem mais por iniciativa pessoal de alguém que soube superar, de parte a parte, esta expectativa nefanda do que por um imperativo da racionalidade e do natural aconchego de irmãos interdependentes, navegantes no mesmo barco da vida e das fronteiras.

É bem verdade que o ideal do empreendedorismo está hoje implantado como disciplina em alguns cursos universitários, e a presença de incubadoras de empresas é uma realidade nas Academias; porém, consideradas muitas vezes até mesmo como sintoma de concorrência desleal, estas iniciativas podem algumas vezes mais prejudicar o relacionamento dos dois universos do que colaborar para uma postura comum mais distensa.

Se no Brasil ainda falta muito para que as duas culturas persigam o objetivo do encontro, nos países desenvolvidos a idéia da ação “em comunidade é uma substância encontradiça em todos os lados. Os espanhóis, os japoneses, os franceses ou os coreanos sempre estarão mais preparados para a colaboração com paisanos que com estranhos. Venceram na luta da civilização devido a esta cultura do auxílio mútuo. E cultura não se cria em uma geração e nem se define como projeto de governo. Haver-se-ia de programar maneiras para alcançar metas e projetar objetivos comuns, sabedores de que ambos os lados só tem a ganhar com a proximidade e com a cooperação.

No nosso entender, tanto o universitário médio quanto o empresário comum possuem uma visão algo desfocada da situação. Pensa-se que um dos objetos do desejo mais buscados por quem trabalha na Universidade, em geral com vistas na etérea melhoria das condições sociais, é o pronto acesso aos recursos que aparentemente estariam disponíveis nas empresas: o capital muito. Essa é contudo uma miragem evidente para quem conhece como pensa e age o verdadeiro empresário, em geral pouco afeito a dar ponto sem nó. Capital e investimento, afinal, são coisa séria, necessitam possuir um objeto claro e bem definido, estabelecido em função de resultados, a partir dos valores do retorno e do tempo, não sendo um exercício de aproximação a uma verdade social e relativa cujo montante cifrado em reais possa ser apenas uma eventualidade a mais.

Por outro lado, essa falta de perspectiva também pesa no lado das empresas. O empresariado infelizmente costuma olhar para o ambiente acadêmico, admitindo de saída campearem por ali apenas os nefelibatas, ou seja, aqueles pensadores capazes tão-somente de andar pelas nuvens, sem maiores considerações pelos objetivos concretos do dia-a-dia, do cumprimento das obrigações diárias, de implementar os planejamentos mensais, de executar cada uma das expectativas anuais.

Se é verdade que no mundo dos negócios do Brasil poucos empresários se prestaram a envidar uma aproximação de bom grado a universidades, isto se deve a uma relativa menor dependência de cada um em relação a sobrevivência própria de cada qual. Houvesse maiores exigências do mercado e menor estabilidade funcional, ou uma concorrência mais extensa, que, hoje, a soberania dos países ainda não permite, um casamento de conveniência findaria (como acredito que findará) empurrando ambas as partes para um acordo mais estável.

 Nos espaços governamentais, já houve um tempo em que se divisou a imprescindibilidade do investimento no saber. Os exemplos do investimento, por força de lei, na criação da Universidade do Estado do Amazonas ou o maior prestígio que se deu, em certo momento, ao desenvolvimento de aspectos da cultura letrada em Manaus parecem indicar uma tendência à revalorização da construção do saber. Contudo, qual o passo que deu o mundo da Academia em direção ao empresariado?

 Pessoalmente fui testemunha de uma breve tentativa de aproximar a universidade do mundo empresarial. Uma dirigente de uma importante universidade do Amazonas se dirigiu a uma platéia de ideologia majoritariamente empresarial, mas falhou de modo retumbante; manejou um discurso inapropriado, provocou cisões desnecessárias, propalou uma alocução quase infantil, pelos termos emocionais e ufanistas, e mesmo impediu a sua assessoria de divulgar um material informativo que havia sido levado à ocasião. Enfim, um horror!

Obviamente trata-se de um caso isolado, todavia é com casos isolados que se constroem as aproximações, ou é com eles que se estruturam ou se desestruturam as culturas – ou os casamentos.

O desempenho em positivo de cada dirigente em contato com o mundo empresarial é decisivo para o processo de fortalecimento das relações.

Acredito que estamos condenados, ambos estes universos, ao encontro. Espero que seja o mais pronto possível, de modo que nem as nossas universidades fiquem condenadas ao ostracismo (im)produtivo, nem as empresas continuem dependentes destas curiosas palestras de auto-ajuda empresarial. Uma afirmação, porém, é preciso que seja feita: Nas atuais condições, há muito mais conhecimento a ser aprendido a baixo custo nas universidades, capazes de oferecer boa lucratividade (e isso se exibiu, por exemplo, na II Mostra de Extensão das universidades, no ano passado, no Campus da Ufam) do que uma imanente necessidade, por parte de universitários, alunos, professores ou técnicos administrativos, de buscar o link empresarial para sustentar o seu funcionamento. Ainda estamos num mundo brasílico em que a conjunção das partes não é uma exigência existencial, mas a porosidade das fronteiras, mais cedo que tarde, obrigará este casamento. Que seja antes por amor que por conveniência.

Júlio César Barreto Rocha é graduado em Letras e em Direito, professor e diretor do núcleo de ciências humanas da UNIR, fez doutorado na Espanha, faz parte do Conselho Universitário da UFAM e é membro efetivo da ACRM – Associação Cultural Rio Madeira

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre ACRM

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

  Por William Haverly Martins Só os poetas são donos do privilégio inominável de ser ele mesmo e o outro ao mesmo tempo, só eles conseguem ingressar o

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

Presidente da ACRM, Francisco Lima e o general Novaes Miranda em reunião na 17ª Brigada Hoje, 26 de março, a Associação Cultural Rio Madeira, represen

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

  A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) esteve conectada à extração da borracha desde o ano de 1903, a partir do Tratado de Petrópolis entre Brasil

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Ontem, dia 31 de janeiro de 2014, por volta das 09h30 da manhã, vários integrantes da Associação Cultural Rio Madeira, ciceroneados pelo presidente Wi