Porto Velho (RO) domingo, 15 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

ACRM

O VENDEDOR DE PASSADOS


O VENDEDOR DE PASSADOS - Gente de Opinião 
William Haverly Martins

O estelionato é tão velho quanto o homem. Delito fragmentado em várias figuras típicas impressiona pela criatividade. Na maioria, os casos são conhecidos como “contos do vigário”: o meio, o ardil e o artifício são variados, comum é a forma desonesta do uso da linguagem. A popular “lábia”, espécie de retórica marginal, é a forma de convencer incautos a caírem nos golpes. Segundo alguns juristas, no conto do vigário ocorre uma torpeza bilateral ou simultânea: o otário se acha esperto e, depois de um tempo, descobre-se otário, o que significa dizer “otário” por livre e espontânea vontade. Entretanto o consenso é que a moralidade do agente passivo não exclui a culpabilidade do agente estelionatário.

Os gregos vendiam o fogo de Zeus aprisionado em pedras: para vê-lo bastava esfregar bruscamente uma pedra na outra; o dente do Leão estraçalhado por Hércules; pedaços da corrente com que Zeus aprisionara Prometeu ao monte Cáucaso, para que uma águia viesse bicar-lhe o fígado. Os romanos vendiam mechas dos cabelos dourados de Vênus. Vendedores de sonhos, manipuladores da realidade, colocando os desejos de suas vítimas ao alcance das mãos, a preços módicos.

Os descendentes da cultura grega e da moral judaico-cristã venderam/vendem a estátua do Cristo Redentor, do padre Cícero, terrenos no céu, vidros com a água do Jordão, pedaços da cruz de cristo, óleo das oliveiras de Israel. O passado nos trás inúmeros exemplos de estelionatários, mas os mais conhecidos vendiam relíquias e indulgências, o que naquela época significava passagens para o céu.

O Vendedor de Passados, título do livro do escritor angolano José Eduardo Agualusa, que recentemente serviu de base para um filme global, foi publicado em 2004, o livro é uma sátira político social da Angola atual. Mas o nosso vendedor de passados, andou por Porto Velho há alguns anos e enganou muita gente da considerada alta sociedade rondoniense, principalmente os mais sentimentais. O golpe funcionava assim:

O sujeito era branco, alto, corpulento, bem afeiçoado e bem vestido, se apresentava na antessala de um médico, ou de um advogado, ou de um empresário que possuía um ente querido enterrado no Cemitério dos Inocentes e pedia para falar com a possível vítima. De segunda a sexta, peregrinava pela cidade, vendendo passados, escolhia um por dia.

Durante a exposição de motivos, com retórica impecável, se apresentava como amigo do defunto, um admirador do homem ilustre, de passado irretocável. Não dispensava voz emocionada e uma lágrima furtiva. Dizia-se filantropo, priorizando a educação: construíra uma escola no km 80 da BR 364, no sentido Acre, e pretendia prestar uma homenagem ao insigne defunto, laureando a escola com o belíssimo nome do homenageado. ENTRETANTO, a escola precisava apenas dos acabamentos finais para a ruidosa inauguração prometida para dali a alguns dias.

Na inauguração não poderia faltar os familiares e a imprensa. Depois de conseguir uma polpuda ajuda para ultimar os preparativos da festa, convidava a todos para a inauguração no domingo próximo e fornecia um mapa da localização.

No domingo marcado, era intenso o tráfego de veículos indo e voltando às imediações do distrito de Jacy Paraná. Só depois de muitas perguntas e de perceberem que havia muitos nomes para uma escola inexistente, os bacanas se davam conta de que haviam sido enganados e se entreolhavam envergonhados.

A única coisa que em mim não muda é o meu passado: a memória do meu passado humano. O passado costuma ser estável. Está sempre lá, belo ou terrível, e lá ficará para sempre.


  williamhaverly@gmail.com

Detalhes biográficos: baiano de nascimento, mas rondoniense de paixão, cursou Direito na UFBA e licenciou-se em Letras pela UNIR, é professor, escritor, presidente da ACRM – Associação Cultural Rio Madeira e vice-presidente da ACLER – Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira 31.              

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre ACRM

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

  Por William Haverly Martins Só os poetas são donos do privilégio inominável de ser ele mesmo e o outro ao mesmo tempo, só eles conseguem ingressar o

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

Presidente da ACRM, Francisco Lima e o general Novaes Miranda em reunião na 17ª Brigada Hoje, 26 de março, a Associação Cultural Rio Madeira, represen

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

  A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) esteve conectada à extração da borracha desde o ano de 1903, a partir do Tratado de Petrópolis entre Brasil

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Ontem, dia 31 de janeiro de 2014, por volta das 09h30 da manhã, vários integrantes da Associação Cultural Rio Madeira, ciceroneados pelo presidente Wi