Porto Velho (RO) segunda-feira, 22 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

ACRM

O último suspiro de um açaizeiro



Por William Haverly Martins

Dos folguedos infantis, nada empolga mais a criançada do que empinar papagaio, a criação dos chineses, conhecida também com o nome de pandorga, continua sendo a rainhas das brincadeiras, principalmente nas comunidades mais humildes, impossibilitada às diversões eletrônicas de alto custo. Por um papagaio, o cGente de Opiniãoaçador de pipas mirim é capaz de atos impensáveis para um adulto.

Na minha cidade, no interior da Bahia, a gente chamava “arraia”, nome feminino, figura retangular, entretanto exercia o mesmo papel: navegar pelos ares! Sim, eu sei que a arraia original navega pelos mares, no fantástico universo julioverniano das Vinte Mil Léguas Submarinas, mas é nos ares que se dá A Volta ao Mundo em 80 Dias, nossa arraia de papel de seda exercia poderes de fada: a varinha de condão que por um fio nos levava ao céu, à pátria maior da imaginação, à morada dos deuses, à extensão de nossos sonhos, principalmente, ao porto de nossos olhos sorridentes.

Os papagaios, as arraias, as pandorgas e as pipas enfeitaram os céus de inúmeras cidades, ao redor do mundo, durante vários séculos. Incentivaram invenções: Leonardo da Vinci desenvolveu mais de cem objetos voadores, baseado na potencialidade das pipas; Benjamim Franklin chegou à criação do para-raios através de experiências com uma pipa; o 14-BIS, de Santos Dumont, também foi inspirado na brincadeira, não passava de uma pipa motorizada, sem linha; Marconi a utilizou em sua experiência com transmissões de rádio, enfim, a pipa foi a vedete da criançada  e de vários inventores.

O efeito vassoura de bruxa, às vezes, pendia a garotada para as bandas da sociopatia: puxando o fio com maestria, deslocando o papagaio de um lado para outro, o garoto ia cortando, matando, acabando com o prazer do concorrente, um deleite psicopata momentâneo, próprio do flerte natural do jovem com o mal. Quem nunca flertou com o mal, que atire a primeira pedra. Este efeito, aparentemente maléfico, desencadeava a alegria no seio dos caçadores de pipas quedadas.

Psicólogos defendem o pensamento de que os empinadores de papagaios podem ser analisados sobre vários aspectos: os que empinam pelo prazer de desfrutar a beleza colorida, singrando e sambando altaneiro no céu; os que empinam para competir – qual a maior pipa, a que sobe mais, a que melhor dança, a maior rabiola, etc. e os que usam a brincadeira com maldade, usando vidros, gilete, fórmula química, com o único intuito de destruir o brinquedo do outro, verdadeira concorrência desleal.

Antigamente o cerol, ou o tempero, como a gente chamava na Bahia, servia apenas para cortar a linha do adversário, era fraco e dificilmente provocava acidentes, o segredo da fórmula era guardado pelos garotos como a patente de uma invenção criativa.

Devido a estes projetos maléficos, a inocente brincadeira de soltar papagaios se transformou, em muitas regiões, numa atividade proibida, há casos de mortes provocadas por cortes de linha de cerol, outros tiveram que ser levados ao hospital com o pescoço cortado, motoqueiros e ciclistas passaram a dirigir com mais cautela, em ruas, onde se costuma soltar pipas.

Há algum tempo, presenciei um tresloucado ato de um garoto, meu vizinho, autêntico caçador de papagaios. Ao perceber que a prenda perseguida se enroscara no alto de um majestoso Açaizeiro, correu a sua casa, se apoderou de um facão e estupidamente cortou o Açaizeiro, ignorando meus gritos e protestos: o universo conspirou contra a “inocência” (ou será ignorância?) do beiradeiro de 12 anos – ao cair, o açaizeiro danificou totalmente a estrutura do papagaio e rasgou o papel.

O sorriso amarelo do menino decepcionado ouviu de meus olhos encharcados: Altas torres, bonitos penachos, energia nos frutos que dão em cachos. O garoto, sem entender o choque de opiniões, saiu carregando o cadáver de seu papagaio e eu, impotente, assisti o último suspiro do pé de Açaí.

williamhaverly@gmail.com

Detalhes biográficos: baiano de nascimento, mas rondoniense de paixão, cursou Direito na UFBA e licenciou-se em Letras pela UNIR, é professor, escritor, presidente da ACRM – Associação Cultural Rio Madeira e vice-presidente da ACLER – Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira 31.             

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre ACRM

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

  Por William Haverly Martins Só os poetas são donos do privilégio inominável de ser ele mesmo e o outro ao mesmo tempo, só eles conseguem ingressar o

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

Presidente da ACRM, Francisco Lima e o general Novaes Miranda em reunião na 17ª Brigada Hoje, 26 de março, a Associação Cultural Rio Madeira, represen

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

  A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) esteve conectada à extração da borracha desde o ano de 1903, a partir do Tratado de Petrópolis entre Brasil

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Ontem, dia 31 de janeiro de 2014, por volta das 09h30 da manhã, vários integrantes da Associação Cultural Rio Madeira, ciceroneados pelo presidente Wi