Porto Velho (RO) sábado, 14 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

ACRM

O ABSURDO MUNDO DOS INSATISFEITOS


O ABSURDO MUNDO DOS INSATISFEITOS - Gente de Opinião

William Haverly Martins

O dito popular “cada cabeça, uma sentença”, de certa forma explica porque é difícil entender as pessoas que enveredam pelos caminhos das drogas. A liberdade de escolha é um direito de todos, mas só alguns a exercem com competência. A busca do excepcional faz parte do homem, eternamente insatisfeito: se um dia ele pudesse descobrir a certeza do céu, inconformado, iria à cata de algo além. A feGente de Opiniãolicidade mora na expectativa do amanhã! Além dos problemas gerados no eu, há causas físicas, psicológicas e sociais para um ser humano se iniciar no absurdo mundo das drogas.

Entrementes, por que existe concordância se são tão diferentes? Os motivos de concordância divergem, é como um aprendizado. Um ser copia o outro, mas a consciência é uma coisa e os atos são outra. Desde tenra idade demonstramos pleno conhecimento entre o certo e o errado. Enveredar pelo caminho das drogas é como seguir uma novidade, a leviandade vive em nós como parasita, cabe-nos apelar à força do conhecimento moral para não nos tornarmos farsantes da nossa própria ingenuidade.

Das seis drogas (álcool, fumo, cocaína, maconha, craque e ectasy) consumidas regularmente no Brasil, apena o álcool e o fumo são legais, embora proibidas a menores de 18 anos. Não vamos nos deter nos efeitos e nas consequências de cada droga de per si, mas apenas salientar que o consumo e o tipo da droga variam com a classe social de cada viciado. As políticas de estado para repressão a traficantes e o tratamento a viciados não vem surtindo os efeitos esperados, porque as ações estão incorretas.

A recém-criada Secretaria de Estado de Promoção da Paz, uma ideia do Deputado Federal Givaldo Carimbão do Estado de Alagoas, onde foi criada a primeira secretaria homônima, pretende estabelecer políticas públicas de repressão, prevenção e tratamento à dependência química no Estado de Rondônia. No último encontro de autoridades sobre o tema ninguém acenou a bandeira da legalização.

A princípio parece uma atitude absurda, mas a solução dos problemas pode está na legalização de drogas leves como a maconha, seguindo o exemplo de vários estados americanos e alguns países da Europa. A famosa lei seca dos EUA não acabou com o consumo do álcool, foi a legalização e não a repressão que resolveu a situação. Este primeiro passo serviria de experiência para legalizações futuras de outras drogas, assim como ocorre com os cigarros e as bebidas.

Política repressiva estimula cada vez mais a criminalidade e a utilização de setores mais pobres da sociedade para a distribuição. A Secretaria de Estado de Promoção da Paz deveria abster-se da hipocrisia e dar início a grande discussão nacional de acesso por parte do Estado ao mercado de drogas, desde seu plantio, manipulação e fiscalização de qualidade, consequentemente com uma população consumidora mais sadia e um possível controle da criminalidade decorrente.

A maioria dos jovens brasileiros tem acesso ao fumo e não fumam, acesso ao álcool e não bebem, existe a possibilidade de que tenham acesso às drogas e não as utilizem, tudo depende da forma agressiva de educação adotada pelo Estado, educação para as emoções.“É proibido proibir”, a proibição só estimula. Correto é a educação centrada na meritocracia: o conhecimento a instrução, a cultura como um todo podem e devem ocupar o lugar das drogas na cabeça do jovem.

Além da legalização o Estado precisa cumprir a sua parte, diminuindo a desigualdade social que além de excluir jovens da sociedade, os leva às drogas, ao analfabetismo, à prostituição, ao crime. O trabalho é intenso, o caminho é longo, mas os efeitos serão mais duradouros.

williamhaverly@gmail.com

Detalhes biográficos: baiano de nascimento, mas rondoniense de paixão, cursou Direito na UFBA e licenciou-se em Letras pela UNIR, é professor, escritor, presidente da ACRM – Associação Cultural Rio Madeira e vice-presidente da ACLER – Academia de Letras de Rondônia, onde ocupa a cadeira 31.          
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre ACRM

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

NÃO PERGUNTES POR QUEM OS SINOS DOBRAM - NECROLÓGIO DO ACADÊMICO HERCULANO MARTINS NACIF

  Por William Haverly Martins Só os poetas são donos do privilégio inominável de ser ele mesmo e o outro ao mesmo tempo, só eles conseguem ingressar o

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

ASSOCIAÇÃO CULTURAL SE REÚNE COM GENERAL DA 17ª BRIGADA PARA FALAR DE PROJETOS CULTURAIS DO EXÉRCITO EM RO

Presidente da ACRM, Francisco Lima e o general Novaes Miranda em reunião na 17ª Brigada Hoje, 26 de março, a Associação Cultural Rio Madeira, represen

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

MANIFESTO 'VIVA MADEIRA-MAMORÉ'

  A Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) esteve conectada à extração da borracha desde o ano de 1903, a partir do Tratado de Petrópolis entre Brasil

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Integrantes da ACRM visitam obra de restauração da antiga Câmara Municipal

Ontem, dia 31 de janeiro de 2014, por volta das 09h30 da manhã, vários integrantes da Associação Cultural Rio Madeira, ciceroneados pelo presidente Wi